sicnot

Perfil

País

Arguido afirma que disparou sem intenção de matar em discoteca de Coimbra

Um homem de 40 anos, que esteve fugido às autoridades, começou esta quarta-feira a ser julgado pelo Tribunal de Coimbra por dois crimes de tentativa de homicídio, junto a uma discoteca, admitindo que disparou, mas sem intenção de matar.

O homem, natural da Suécia e que residia em Coimbra à data dos factos, é acusado pelo Ministério Público de dois crimes de homicídio qualificado na forma tentada e um crime de detenção ilegal de arma, por disparar contra duas pessoas à frente de uma discoteca da cidade, a 16 de março de 2008.

Durante o início do julgamento, o arguido admitiu que disparou contra um grupo, à porta da discoteca, sublinhando que a sua intenção "não era matar ninguém".

No entanto, os disparos foram registados na parte superior do corpo das duas vítimas, atingindo-as "de raspão", e os restantes tiros passaram pelo blusão de um dos homens, na zona do colarinho e no bolso esquerdo.

Tudo começou, contou, com desacatos dentro da discoteca, depois de um dos homens ter abordado uma amiga sua, de 17 anos.

Após afastá-lo, acabou por levar "um soco", tendo ficado a sangrar do nariz, referiu, afirmando que, depois do incidente, abandonou o local.

Um pouco mais tarde, voltou à discoteca para dar uns casacos a um casal amigo, tendo levado consigo uma arma por medo de voltar a ser agredido, disse o arguido ao coletivo de juízes.

Admitindo estar sob o efeito de álcool e cocaína, o suspeito alegou que viu um dos homens de um grupo de seis a retirar "uma arma do bolso", tendo disparado de seguida contra esse grupo.

"Tinha apanhado antes e tive medo da situação", justificou o arguido, que foi perseguido pelo grupo até ao seu carro, tendo sofrido vários socos, murros e pontapés, como refere o Ministério Público no despacho de acusação, a que a agência Lusa teve acesso.

Conduzido para os Hospitais da Universidade de Coimbra, o homem de 40 anos acabou por fugir das autoridades quando estava num dos gabinetes de triagem.

O arguido foi encontrado no Brasil, onde trabalhava num laboratório de próteses dentárias e onde já tinha constituído família, em Florianópolis, capital do estado de Santa Catarina.

Segundo a defesa, o arguido esteve detido 28 meses à espera de extradição, que ocorreu em agosto passado.

A extradição foi efetuada para que o arguido fosse julgado.

À luz do princípio da especialidade e tendo sido efetuada a extradição pelos crimes de tentativa de homicídio, o arguido não será julgado pelos crimes de ofensa à integridade simples e de evasão de que também era acusado.

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.