sicnot

Perfil

País

Cada vez mais pessoas a precisar de óculos mas sem dinheiro para os comprar

A presidente da Sociedade Portuguesa de Oftalmologia (SPO) alertou hoje para o aumento do número de pessoas que não usam óculos por falta de dinheiro ou nem sequer vão às consultas por saberem que não poderão comprar óculos.

Mara João Quadrado falava à agência Lusa a propósito de uma iniciativa que a SPO vai apoiar e que decorrerá quinta-feira, Dia Mundial da Visão.

Trata-se de um Banco de Óculos, promovido da associação de solidariedade ABO, que visa promover a recolha de óculos (armações e lentes) doados e a sua distribuição a pessoas carenciadas.

Para Maria João Quadrado, a iniciativa acontece numa altura em que se vive "uma necessidade premente" de óculos, da qual os oftalmologistas têm conhecimento nos seus consultórios, quando se apercebem que os doentes não compraram os óculos recomendados ou manifestam dificuldades em fazê-lo.

"Há muita gente que não compra os óculos, ou não vai ao médico porque receiam ter de comprar os óculos e não têm dinheiro", disse.

Esta é uma situação que se tem vindo a agravar e que, segundo a presidente da SPO, se intensificou nos últimos cinco, seis anos.

"A situação é transversal às idades e à diferenciação económica. Algumas pessoas, que há cinco anos tinham algumas possibilidades, passaram de ter quase tudo para quase nada", sublinhou.

O risco desta falta de diagnóstico e do devido uso de óculos é maior nas crianças que, sem correção, podem ficar com defeitos permanentes na visão.

"Nas crianças, é gravíssimo não usarem óculos quando precisam. É fundamental, caso contrário pode haver defeitos permanentes", sublinhou.

A falta de visão é ainda causa de outros acidentes, como quedas, e a nível psicológico, pois pode pôr em causa o convício social.

A presidente da SPA enaltece os propósitos do Banco de Óculos que poderá fazer chegar óculos aos mais carenciados.

O grande objetivo desta iniciativa é contribuir para o fim dos defeitos de refração em Portugal, disse.

Lusa

  • Novo dia de protestos contra expropriações na ilha do Farol
    2:30

    País

    A sociedade Polis Ria Formosa concluiu a tomada de posse das construções identificadas como ilegais na ilha do Farol, na Ria Formosa, em Faro. No segundo dia da operação, sob fortes protestos da população, os técnicos da Polis, escoltados pela Polícia Marítima, expropriaram hoje mais 18 construções.

  • Cunhado do Rei de Espanha em liberdade sem caução

    Mundo

    Inaki Urdangarin vai mesmo aguardar o desenrolar do recurso em liberdade na Suíça, onde o marido da Infanta Cristina tem residência oficial e onde terá de se apresentar às autoridades uma vez por mês, para além de estar obrigado a comunicar qualquer deslocação fora da Europa. De fora fica ainda o pagamento da caução de 200 mil euros pedida pelo Ministério Público espanhol.

  • Zeca Afonso morreu há 30 anos
    1:11
  • Compensa comprar a granel?
    8:39
  • "Isto é uma mentira e tem carimbo de Estado"
    2:12

    Opinião

    O preço das botijas de gás em Portugal duplicou nos últimos 15 anos. José Gomes Ferreira esteve no Jornal da Noite, da SIC, onde explicou este aumento, lembrando que a classe política prometeu que se houvesse mais empresas a operar no mercado, os preços desciam. Contudo, José Gomes Ferreira diz que "isto é uma mentira e tem carimbo de Estado". O Diretor-Adjunto de Informação SIC explicou que como o mercado é livre, os operadores vendem aos preços mais altos que podem, deste modo os preços não variam muito entre uns e outros.

    José Gomes Ferreira