sicnot

Perfil

País

Ministro do Ambiente assegura que continua aberto ao diálogo com taxistas

O ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, disse esta quarta-feira que continua aberto ao diálogo para resolver o diferendo no diploma que regula a atividade das plataformas de transporte privado como a Uber e a Cabify.

ANT\303\223NIO COTRIM

"Se estamos a trabalhar no sentido de evitar paragens? Não, de todo em todo. Estamos a trabalhar no sentido de ultimar um diploma que começámos e tornámos público e, em paralelo, estamos completamente disponíveis para dialogar com qualquer setor e temos uma vontade muito grande de recomeçar, porque o diálogo foi interrompido", disse João Pedro Matos Fernandes.

Segundo o ministro, o diálogo só foi interrompido naquilo que diz respeito "à modernização do táxi" e que tal não aconteceu por responsabilidade de nenhuma das partes.

Matos Fernandes frisou, ainda, que apesar de não estar agendada nenhuma reunião com os representantes dos táxis, que marcaram para a próxima segunda-feira novo protesto, as "portas (do Ministério) estão abertas".

"Para reunir comigo não é preciso fazer bloqueios nas ruas de Lisboa", disse o ministro aos jornalistas, no final de uma audição na comissão parlamentar de Economia, Inovação e Obras Públicas.

João Pedro Matos Fernandes disse, ainda, que estão a ser avaliados os contributos obtidos na consulta pública do diploma que regula a atividade das plataformas eletrónicas.

"Há contributos que pensamos que pode valer a pena ser integrados", afirmou.

Revelando que não recebeu sugestões de nenhuma das duas associações representativas do setor do táxi, o ministro adiantou que estão a ser analisados contributos referentes aos motoristas que prestam serviço às plataformas digitais.

Matos Fernandes lembrou, ainda, a importância que os táxis "têm para a mobilidade urbana", reiterando querer desenvolver a modernidade do setor.

"Os táxis são peça indispensável da mobilidade urbana, desenhamos um pacote para a modernização do setor do táxi. O que queremos fazer com o setor é garantir que uma boa parte dos táxis de Lisboa e Porto serão elétricos", sublinhou.

O ministro adiantou que outra proposta do Governo é a criação de uma tarifa específica nos aeroportos e portos de cruzeiros, como forma de "facilitar" a relação entre taxistas e clientes.

O governante disse também que se pretende instalar um conjunto de postos de abastecimento de veículos elétricos nas praças de táxis.

Segundo Matos Fernandes, as medidas para a modernização do setor do táxi estão "adormecidas do lado das associações", que preferiram discutir a regulamentação das plataformas.

"Estamos interessadíssimos (em) que esse pacote avance. Para que candidatura seja apresentada oficialmente" no âmbito do Plano Juncker, acrescentou.

Lusa

  • Ministro diz que protesto dos taxistas é "injusto" e "ilegítimo"
    6:12

    País

    O ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, disse esta segunda-feira em entrevista exclusiva à SIC no Jornal da Noite, que o protesto de hoje, em que milhares de taxistas bloquearam várias artérias da cidade de Lisboa, é injusto desde o primeiro momento e que acabou por se tornar ilegítimo pela forma como foi decorrendo. O ministro falou também sobre a legislação para outros serviços de transportes e esclareceu que só uma atividade de serviço público, como é o caso dos táxis, é que tem de ter um contingente.

  • Ministra já esperava violência no protesto dos taxistas

    País

    A ministra da Administração Interna diz que o que aconteceu no dia do protesto dos taxistas "não foi nada de que não estivessem à espera". Em declarações ao jornal Público, Constança Urbano de Sousa diz que a operação policial foi preparada com firmeza e que em causa esteve a tentativa de normalidade de um "Estado de Direito".

  • Reportagem Especial dá a voz aos despedidos da banca
    1:18
  • CEMGFA admite que várias armas roubadas estão em condições de ser usadas
    2:06

    Assalto em Tancos

    Afinal há várias armas roubadas em Tancos que estão em condições de ser utilizadas, sendo que apenas os lança-granadas-foguete estão obsoletos. Esta manhã, o general Pina Monteiro admitiu, no Parlamento, que a declaração que fez há duas semanas pode ter induzido em erro a opinião pública. O chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA) diz, ainda, que se houvesse indícios sobre colaboração do Exército neste caso, os suspeitos estariam presos.

  • Pais de Charlie Gard querem que o bebé morra em casa

    Mundo

    Depois de terem renunciado à batalha judicial para manterem o filho com vida, os pais do bebé britânico Charlie Gard desejam agora levar a criança para morrer em casa. O desejo foi revelado pelo advogado de Chris Gard e Connie Yates, numa audiência esta tarde, no Supremo Tribunal de Londres. Contudo, o hospital responsável pelo caso admite que os cuidados a Charlie não podem ser feitos em casa.