sicnot

Perfil

País

Lisboa quer ser a primeira cidade sem desperdício mas precisa de voluntários

A Câmara Municipal de Lisboa quer ser o primeiro município onde não se desperdiça comida e apresentou esta quinta-feira uma campanha nacional contra o desperdício alimentar, com o objetivo de angariar voluntários e sensibilizar a sociedade civil.

A campanha "Vai onde sobra, leva onde faz falta" vai ser lançada a nível nacional a partir de sábado, véspera do Dia Mundial da Alimentação, em vários suportes.

O objetivo, segundo a autarquia, é aumentar o número de voluntários e garantir a cobertura por inteiro do território do município, através da sua rede de recolha e distribuição de alimentos, e ao mesmo tempo sensibilizar as famílias para as boas práticas alimentares e o combate ao desperdício.

Para se ser voluntário basta dirigir-se a uma das instituições colaborantes ou à própria autarquia, que já tem uma rede de voluntariado organizada.

Na iniciativa participam seis figuras públicas - a fadista Ana Moura, a atriz e apresentadora Cláudia Vieira, o futebolista Eder, o apresentador Júlio Isidro, o ator Lourenço Ortigão e o maestro Vitorino de Almeida.

"Esperamos que o aumento do número de voluntários conseguido com esta campanha contribua, decisivamente, para que Lisboa seja o primeiro município do mundo a combater o desperdício alimentar de forma consistente e integrada a nível de cidade", considerou o comissário municipal de Combate ao Desperdício Alimentar, o vereador João Gonçalves Pereira.

Para provar a importância do projeto, nesta apresentação estiveram o presidente da Câmara, Fernando Medina, vereadores, representantes do Governo, da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, da Autoridade para a Segurança Alimentar e Económica (ASAE) e de duas dezenas de instituições e organismos da cidade que colaboram contra o desperdício alimentar, como a Fundação Calouste Gulbenkian, o Exército de Salvação, a Comunidade Vida e Paz, a Reefod, o Banco Alimentar e a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO).

O presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, não esteve presente, mas apadrinha o projeto e enviou uma mensagem de apoio, assim como o primeiro-ministro, António Costa, o imã da mesquita de Lisboa, 'sheik' David Munir, e o cardeal patriarca, Manuel Clemente.

Como salientou Fernando Medina, a Rede Alimentar de Lisboa já permitiu o reaproveitamento de mais de dois milhões de refeições gratuitas a cerca de duas mil famílias na cidade de Lisboa.

A Assembleia da República decretou 2016 como o Ano Nacional do Combate ao Desperdício Alimentar.

No domingo, 16 de outubro, assinala-se o Dia Mundial da Alimentação.

Lusa

  • Aluno abre fogo em escola brasileira, pelo menos dois mortos

    Mundo

    Um aluno de 14 anos disparou vários tiros esta sexta-feira numa escola particular, em Goiânia, no Brasil. De acordo com o Globo, dois estudantes morreram e outros quatro ficaram feridos com gravidade. O aluno do 8.º ano foi detido pelas autoridades.

  • Um morto e sete feridos em ataque com faca na Polónia

    Mundo

    Um homem atacou esta sexta-feira várias pessoas com uma faca, num centro comercial em Stalowa Wola, na Polónia. Segundo as autoridades, uma pessoa morreram e sete ficaram feridas. O atacante foi preso pela polícia, depois de ser detido por alguns cidadãos que estavam no centro comercial.

  • Família perde tudo na aldeia de Queirã
    2:32
  • Temperaturas sobem no fim de semana, risco de incêndio aumenta
    1:08

    País

    A chuva que caiu nos últimos dias não deverá ter impactos relevantes na dominuição da seca e, por isso, o risco de incêndios vai voltar a aumentar com nova subida das temperaturas. Os termómetros podem chegar aos 30 graus entre domingo e quarta-feira.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão