sicnot

Perfil

País

Mulher que tentou matar marido com machado diz que não teve noção do que fez

A mulher que tentou matar o marido com um machado, deferindo-lhe vários golpes na cabeça, braços e mãos, em setembro de 2015, em Valongo, no Porto, disse esta quinta-feira em tribunal não ter noção do que fez.

"Eu amo-o. Choro todos os dias por ele. Estou muito arrependida das coisas que fiz", afirmou ao coletivo de juízes do Tribunal São João Novo, no Porto.

Na madrugada de 08 de setembro de 2015, a arguida pegou num machado e atacou o companheiro em casa, enquanto este dormia, desferindo-lhe vários golpes na cabeça, braços e mãos e cortando-lhe três dedos, referiu a acusação do Ministério Público (MP).

Depois, a suspeita deixou o homem a esvair-se em sangue e saiu de casa, trancando a porta.

Fechada em casa, a vítima arrastou-se pela casa e pegou num telemóvel para pedir ajuda, tendo os Bombeiros de Valongo entrado pela janela para o socorrer, transportando-o para o Hospital São João onde os médicos ainda lhe conseguiram recuperar dois dos três dedos cortados.

Acusada de homicídio qualificado na forma tentada e sequestro, a arguida, de 50 anos, contou que se davam "muito mal" e que o marido a "maltratava", obrigando-a a prostituir-se, atividade que ela assumiu que exercia.

"Tentou matar-me três ou quatro vezes nos últimos anos", relatou.

Por esse motivo, a alegada homicida adiantou que apenas o queria assustar para ele não lhe voltar a fazer mal.

"Tínhamos estado a ver televisão e beber duas garrafas de vinho e uma de espumante, por isso, estava muito tonta, não me apercebi do que fiz, além disso não tinha luz em casa", avançou.

A mulher adiantou que depois de lhe dar com o machado saiu de casa "sem rumo", tendo-o deixado sozinho porque não tinha consciência da gravidade do seu estado.

E acrescentou: "sempre o tratei bem. Era eu que trabalhava e o sustentava, ele não fazia nada".

Também ouvido pelo coletivo de juízes, o homem garantiu que "nunca" lhe bateu.

"Quando fui atacado pus as mãos à frente da cara, mas não vi se era ela porque não havia luz", salientou.

Lusa

  • Guterres condena onda de violência em Myanmar
    0:43

    Mundo

    António Guterres condenou a onda de violência e discriminação contra os rohingya em Myanmar, na abertura da assembleia-geral das Nações Unidas. O secretário-geral da ONU pediu ainda às autoridades do país para acabarem com as operações militares e protegerem a comunidade ameaçada.

  • Furacão Maria deixa rasto de destruição na ilha Dominica
    1:52
  • Peritos mundiais debatem doenças neurodegenerativas em Lisboa
    3:04
  • "O Benfica é atacado e não há ninguém que fale e que dê a cara?"
    6:05
    O Dia Seguinte

    O Dia Seguinte

    2ªFEIRA 21:50

    Depois do artigo publicado no blog "Geração Benfica", Rui Gomes da Silva reiterou esta segunda-feira, em O Dia Seguinte da SIC Notícias, algumas das críticas à estrutura do clube. O antigo vice-presidente do Benfica defendeu Luís Filipe Vieira, Rui Vitória e Nuno Gomes. E acusou novamente Rui Costa de passividade e os vice-presidentes de não darem a cara. 

  • Governo aconselha pais a fazerem queixa de manuais em mau estado
    2:31
  • Acha que este padre sabe dançar?
    2:22