sicnot

Perfil

País

Mulher que tentou matar marido com machado diz que não teve noção do que fez

A mulher que tentou matar o marido com um machado, deferindo-lhe vários golpes na cabeça, braços e mãos, em setembro de 2015, em Valongo, no Porto, disse esta quinta-feira em tribunal não ter noção do que fez.

"Eu amo-o. Choro todos os dias por ele. Estou muito arrependida das coisas que fiz", afirmou ao coletivo de juízes do Tribunal São João Novo, no Porto.

Na madrugada de 08 de setembro de 2015, a arguida pegou num machado e atacou o companheiro em casa, enquanto este dormia, desferindo-lhe vários golpes na cabeça, braços e mãos e cortando-lhe três dedos, referiu a acusação do Ministério Público (MP).

Depois, a suspeita deixou o homem a esvair-se em sangue e saiu de casa, trancando a porta.

Fechada em casa, a vítima arrastou-se pela casa e pegou num telemóvel para pedir ajuda, tendo os Bombeiros de Valongo entrado pela janela para o socorrer, transportando-o para o Hospital São João onde os médicos ainda lhe conseguiram recuperar dois dos três dedos cortados.

Acusada de homicídio qualificado na forma tentada e sequestro, a arguida, de 50 anos, contou que se davam "muito mal" e que o marido a "maltratava", obrigando-a a prostituir-se, atividade que ela assumiu que exercia.

"Tentou matar-me três ou quatro vezes nos últimos anos", relatou.

Por esse motivo, a alegada homicida adiantou que apenas o queria assustar para ele não lhe voltar a fazer mal.

"Tínhamos estado a ver televisão e beber duas garrafas de vinho e uma de espumante, por isso, estava muito tonta, não me apercebi do que fiz, além disso não tinha luz em casa", avançou.

A mulher adiantou que depois de lhe dar com o machado saiu de casa "sem rumo", tendo-o deixado sozinho porque não tinha consciência da gravidade do seu estado.

E acrescentou: "sempre o tratei bem. Era eu que trabalhava e o sustentava, ele não fazia nada".

Também ouvido pelo coletivo de juízes, o homem garantiu que "nunca" lhe bateu.

"Quando fui atacado pus as mãos à frente da cara, mas não vi se era ela porque não havia luz", salientou.

Lusa

  • Autarca e duas jornalistas mortas a tiro na Finlândia 

    Mundo

    A presidente da Câmara de Imatra, na Finlândia, e duas jornalistas foram mortas a tiro na noite passada, na pequena cidade do sudeste do país. O incidente aconteceu junto a um restaurante e a polícia chegou ao local pouco depois dos disparos. Um suspeito de 23 anos já foi detido.

  • Avião da Qatar Airways aterra de emergência nas Lajes
    0:47

    País

    Aterrou de emergência nos Açores, esta manhã, um avião da Qatar Airways. A turbulência obrigou à manobra que causou pelo menos 10 feridos nos passageiro do avião que fazia ligação de Washington para Doha, capital do Qatar, e foi desviado para a base aérea das Lajes. Os passageiros desembarcaram, como registou no Twitter um jornalista da Al-Jazzera que seguia a bordo. Segundo este depoimento, uma pessoa foi levada para o hospital com problemas cardíacos.

  • Óscar do turismo para empresa que gere património de Sintra
    1:51

    Cultura

    A Parques de Sintra ganhou, pelo quarto ano consecutivo, os World Travel Awards na categoria de "Melhor Empresa de Conservação do Mundo". A empresa portuguesa, que gere monumentos, parques e jardins situados na zona da Paisagem Cultural de Sintra e em Queluz, voltou a ser a única nomeada europeia na categoria, e foi a vencedora entre candidatos de todo o mundo.

  • O novo coala do zoo de Lisboa
    3:10

    País

    A SIC acompanhou em exclusivo a transferência de uma coala da Alemanha para o Zoo de Lisboa. O animal veio de avião e foi batizado pelos passageiros que seguiam a bordo. Ficou com o nome de Goolara. O coala é uma fêmea, com quase dois anos, e veio para aumentar a família da mesma espécie em Portugal.

  • Jovens do exército russo aderem ao Desafio do Manequim
    1:01

    Mundo

    Na Rússia, o grupo de jovens do exército também já aderiu ao famoso Mannequin Challenge. O vídeo foi divulgado pelo Ministério da Defesa russo. O objetivo é mostrar o dia-a-dia do chamado exército de jovens, cuja principal missão passa por sensibilizar os russos para a necessidade de cumprir o serviço militar obrigatório.