sicnot

Perfil

País

Novas terapias para tratamento do cancro do pulmão com "resultados extraordinários"

Vítima de cancro de pulmão, causado por exposição ao amianto durante a infância, sobrevive apenas com metade do órgão.

© Eric Miller / Reuters

O cancro do pulmão continua a ser o tipo de tumor que mais mata, mas nos últimos anos têm surgido novos tratamentos com "resultados extraordinários", segundo peritos que a partir de hoje estão reunidos num congresso em Coimbra.

O cancro do pulmão representa mais de 20% das mortes causadas por doença oncológica. O tabaco continua a ser o principal responsável, com 85% das mortes por cancro do pulmão a serem atribuídas direta ou indiretamente ao tabaco.

Em 2014, o cancro do pulmão foi responsável por 19.380 anos potenciais de vida perdidos em Portugal.

O presidente do Grupo de Estudos do Cancro do Pulmão, Fernando Barata, admite que as novas terapêuticas têm apresentado resultados extraordinários, nalguns casos permitindo duplicar o tempo de sobrevida dos doentes, com qualidade.

"O que se passou nos últimos dois anos foi muito animador e trouxe grande entusiasmo para a comunidade médica e para os doentes. Houve importantes avanços e inovação nesta área", afirmou o especialista em declarações à agência Lusa.

Estes avanços terapêuticos são um dos temas principais do 7.º Congresso Português do Cancro do Pulmão, que irá discutir por exemplo a resposta à pergunta "Será possível encarar o cancro do pulmão como uma doença crónica?".

"Continua apesar de tudo, mesmo hoje, a ser a doença que mais mata entre as várias doenças oncológicas. O cancro do pulmão continua a ser uma doença grave. Mas, sim, nós estamos a conseguir paulatinamente avanços importantes. Devo deixar uma palavra de esperança para estas novas terapêuticas e em relação ao que elas têm conseguido para os doentes que têm condições clínicas e analíticas para as fazerem", refere Fernando Barata.

Há bons resultados nas novas terapias, quer nas que abordam a doença na fase inicial (cirurgia e radioterapia), quer as que se destinam a fases mais avançadas: as terapêuticas alvo e a imunoterapia.

Nas terapêuticas alvo são identificados, na superfície da célula tumoral, recetores que, ao serem bloqueados, levam à morte da célula.

Segundo Fernando Barata, esta terapêutica trouxe "elevada eficácia, mais baixa toxicidade e maior duração da resposta".

Nem todos os tumores podem ser tratados através de terapêuticas alvo (darão para cerca de 20 a 25% dos casos), mas estes tratamentos conseguiram duplicar o triplicar o tempo de sobrevida dos doentes com qualidade.

Um doente numa fase de cancro do pulmão avançada tinha uma sobrevivência mediana de oito ou dez meses, hoje tem 18 meses, 24 meses ou mais.

A imunoterapia tem tido resultados muito similares no combate ao cancro do pulmão.

"Os resultados têm sido extraordinários em termos de mais vida, baixa toxicidade e enorme qualidade de vida. Há doentes que voltaram a ficar assintomáticos e a fazer a sua vida normal, em termos familiares e sociais", explica o presidente do Grupo de Estudos do Cancro do Pulmão.

Mas também a imunoterapia não é aplicável a todos os doentes com cancro do pulmão, embora o número de potenciais beneficiados possa ser superior ao da terapêutica alvo.

Fernando Barata alerta para a necessidade de selecionar bem os doentes que possam clinicamente beneficiar efetivamente da imunoterapia, até porque é uma terapêutica com custos elevados.

Com Lusa

  • Sporting de Braga eliminado da Liga Europa
    2:01
  • Dissolução da União Soviética aconteceu há 25 anos

    Mundo

    Assinalaram-se esta quinta-feira 25 anos desde o fim do acordo que sustentava a União Soviética. A crise começou em 80, mas aprofundou-se nos anos 90 com a ascensão de movimentos nacionalistas em praticamente todas as repúblicas soviéticas.