sicnot

Perfil

País

Fenprof diz que mudança da lei de bases da Educação só com sólido consenso

A Fenprof defende que qualquer alteração à Lei de Bases do Sistema Educativo deve ser antecedida de "uma base sólida de consenso", e critica a recente proposta do CDS-PP, acusando-a de tentar eliminar "qualquer réstia" de democracia nas escolas.

Assinalando os 30 anos da Lei de Bases do Sistema Educativo, o secretário-geral da Federação Nacional dos Professores (Fenprof), Mário Nogueira, numa declaração enviada à imprensa, admite que as novas realidades da educação e formação possam justificar alterações à lei que orienta as políticas de educação, desde que antecedidas "de uma avaliação séria e profunda das potencialidades da que ainda vigora, mas também dos seus constrangimentos e das necessidades de adaptação" à realidade.

"Acresce que qualquer alteração deverá merecer um alargado debate prévio de que resulte uma base sólida de consenso, desde logo no plano social, influenciando decisivamente a decisão política", acrescenta o texto.

Sublinhando a "matriz claramente democrática da lei", Mário Nogueira critica as tentativas de alteração que "a punham em causa": a primeira, em 2004, pela mão do ex-ministro do PSD e atual presidente do Conselho Nacional de Educação, David Justino, e a segunda, este mês, numa iniciativa parlamentar do CDS-PP.

"A Fenprof nunca se entrincheirou em torno da Lei de Bases do Sistema Educativo, mas sempre se opôs às iniciativas da direita destinadas a alterar o seu caráter democrático. Tentou-o, desta vez, o CDS-PP que, afirmando perseguir objetivos de estabilidade, de consenso alargado e de alheamento a interesses políticos, em menos de uma semana e sem qualquer diálogo, apresentou, levou à discussão e fez votar uma proposta de alteração da lei que não mereceu, sequer, o voto favorável do seu parceiro de direita", afirma Mário Nogueira.

Para a Fenprof, qualquer revisão desta lei deve consagrar a primazia da escola pública, a gestão democrática das escolas, uma resposta inclusiva para as necessidades especiais e a valorização dos professores.

Segundo a declaração de Mário Nogueira, a proposta do CDS-PP pretendia impor o inverso: colocar o sistema público e o sistema privado "em pé de igualdade", em nome da liberdade de escolha, efetivar a municipalização, "promover a segregação como alternativa à educação inclusiva", permitir a concessão de escolas públicas a privados e "eliminar qualquer réstia de democraticidade que ainda sobreviva na vida das escolas".

O parlamento rejeitou, a 06 de outubro, o projeto de lei apresentado pelo CDS-PP para alterar a Lei de Bases do Sistema Educativo, que diminuía as férias, introduzia o pré-escolar obrigatório aos cinco anos e estabilidade de políticas por seis anos.

O projeto de lei do CDS foi chumbado com votos contra da maioria de esquerda - PS, BE, PCP e PEV, e a abstenção do PSD. Apenas o CDS votou favoravelmente o seu projeto.

A ex-ministra da Educação do primeiro Governo socialista de José Sócrates defendeu esta semana que a lei de bases já não tem capacidade de gerar consensos e compromissos, e que qualquer revisão do diploma deve partir de problemas concretos da educação.

Lusa

  • Alargamento da oferta de manuais escolares ainda em discussão no OE
    1:35

    Orçamento do Estado 2017

    Depois da distribuição gratuita de manuais escolares a alunos do 1º ano, o Ministério da Educação reafirma que a distribuição de manuais será alargada já no próximo ano letivo, a outros níveis escolares. Contactado pela SIC, o Ministério garante que na discussão do Orçamento de Estado (OE) ainda não está fechado se o alargamento da distribuição de manuais gratuitos vai ou não, alem do 2º ano do primeiro ciclo. O Governo garantiu que durante a legislatura todo o ensino obrigatório teria livros gratuitos.

  • A Escola, o Futuro e o 9ºH
    44:39

    Grande Reportagem SIC

    Uma equipa de reportagem da SIC acompanhou uma turma ao longo do último ano letivo. Agora, convidamo-lo a entrar na escola e a refletir com os alunos e professores sobre duas questões fundamentais: "que escola temos?" e "que escola queremos?". A Escola, o Futuro e o 9ºH é Grande Reportagem desta quinta-feira do Jornal da Noite.

  • "É mais um notável tiro no pé de Passos Coelho"
    4:04

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite, a polémica em torno de Pedro Passos Coelho, depois do presidente do PSD ter pedido desculpas por ter "usado informação não confirmada", ao falar na existência de suicídios, depois desmentidos, como consequência da falta de apoio psicológico na tragédia de Pedrógão Grande. Sousa Tavares considera que Passos Coelho deu "mais um tiro no pé" e defende que o líder da oposição "está notoriamente desgastado" e "caminha para uma tragédia eleitoral autárquica".

    Miguel Sousa Tavares

  • Este texto é sobre o bom senso. O bom senso que faltou a Passos Coelho quando, esta manhã, depois de uma visita pelas áreas ardidas de Pedrógão Grande, decidiu falar em suicídios. Passos não se referiu a tentativas, mas sim a atos consumados. Deu certezas. Disse que tinha conhecimento de “pessoas que puseram termo à vida” porque “que não receberam o apoio psicológico que deviam.”

    Bernardo Ferrão

  • Simplex+2017 promete simplificar burocracia
    1:08

    País

    Já está online o novo Simplex+2017, que vai simplificar a vida dos cidadãos, empresas e administração pública. Pagar impostos com cartão de crédito e ter o cartão de cidadão ou a carta de condução no telemóvel são alguns exemplos do que está previsto.

  • Homem fala ao telefone com o filho que pensava estar morto

    Mundo

    Um norte-americano que tinha estado presente no funeral do filho recebeu, 11 dias depois, uma chamada telefónica de um homem que o pôs em contacto... com o filho que havia enterrado semana e meia antes. Tudo por causa de um erro do gabinete de medicina legal.