sicnot

Perfil

País

Fenprof diz que mudança da lei de bases da Educação só com sólido consenso

A Fenprof defende que qualquer alteração à Lei de Bases do Sistema Educativo deve ser antecedida de "uma base sólida de consenso", e critica a recente proposta do CDS-PP, acusando-a de tentar eliminar "qualquer réstia" de democracia nas escolas.

Assinalando os 30 anos da Lei de Bases do Sistema Educativo, o secretário-geral da Federação Nacional dos Professores (Fenprof), Mário Nogueira, numa declaração enviada à imprensa, admite que as novas realidades da educação e formação possam justificar alterações à lei que orienta as políticas de educação, desde que antecedidas "de uma avaliação séria e profunda das potencialidades da que ainda vigora, mas também dos seus constrangimentos e das necessidades de adaptação" à realidade.

"Acresce que qualquer alteração deverá merecer um alargado debate prévio de que resulte uma base sólida de consenso, desde logo no plano social, influenciando decisivamente a decisão política", acrescenta o texto.

Sublinhando a "matriz claramente democrática da lei", Mário Nogueira critica as tentativas de alteração que "a punham em causa": a primeira, em 2004, pela mão do ex-ministro do PSD e atual presidente do Conselho Nacional de Educação, David Justino, e a segunda, este mês, numa iniciativa parlamentar do CDS-PP.

"A Fenprof nunca se entrincheirou em torno da Lei de Bases do Sistema Educativo, mas sempre se opôs às iniciativas da direita destinadas a alterar o seu caráter democrático. Tentou-o, desta vez, o CDS-PP que, afirmando perseguir objetivos de estabilidade, de consenso alargado e de alheamento a interesses políticos, em menos de uma semana e sem qualquer diálogo, apresentou, levou à discussão e fez votar uma proposta de alteração da lei que não mereceu, sequer, o voto favorável do seu parceiro de direita", afirma Mário Nogueira.

Para a Fenprof, qualquer revisão desta lei deve consagrar a primazia da escola pública, a gestão democrática das escolas, uma resposta inclusiva para as necessidades especiais e a valorização dos professores.

Segundo a declaração de Mário Nogueira, a proposta do CDS-PP pretendia impor o inverso: colocar o sistema público e o sistema privado "em pé de igualdade", em nome da liberdade de escolha, efetivar a municipalização, "promover a segregação como alternativa à educação inclusiva", permitir a concessão de escolas públicas a privados e "eliminar qualquer réstia de democraticidade que ainda sobreviva na vida das escolas".

O parlamento rejeitou, a 06 de outubro, o projeto de lei apresentado pelo CDS-PP para alterar a Lei de Bases do Sistema Educativo, que diminuía as férias, introduzia o pré-escolar obrigatório aos cinco anos e estabilidade de políticas por seis anos.

O projeto de lei do CDS foi chumbado com votos contra da maioria de esquerda - PS, BE, PCP e PEV, e a abstenção do PSD. Apenas o CDS votou favoravelmente o seu projeto.

A ex-ministra da Educação do primeiro Governo socialista de José Sócrates defendeu esta semana que a lei de bases já não tem capacidade de gerar consensos e compromissos, e que qualquer revisão do diploma deve partir de problemas concretos da educação.

Lusa

  • Alargamento da oferta de manuais escolares ainda em discussão no OE
    1:35

    Orçamento do Estado 2017

    Depois da distribuição gratuita de manuais escolares a alunos do 1º ano, o Ministério da Educação reafirma que a distribuição de manuais será alargada já no próximo ano letivo, a outros níveis escolares. Contactado pela SIC, o Ministério garante que na discussão do Orçamento de Estado (OE) ainda não está fechado se o alargamento da distribuição de manuais gratuitos vai ou não, alem do 2º ano do primeiro ciclo. O Governo garantiu que durante a legislatura todo o ensino obrigatório teria livros gratuitos.

  • A Escola, o Futuro e o 9ºH
    44:39

    Grande Reportagem SIC

    Uma equipa de reportagem da SIC acompanhou uma turma ao longo do último ano letivo. Agora, convidamo-lo a entrar na escola e a refletir com os alunos e professores sobre duas questões fundamentais: "que escola temos?" e "que escola queremos?". A Escola, o Futuro e o 9ºH é Grande Reportagem desta quinta-feira do Jornal da Noite.

  • Advogados de Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático
    2:13

    Operação Marquês

    Os advogados de José Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático e garantem que o antigo primeiro-ministro nunca favoreceu Ricardo Salgado ou o Grupo Espirito Santo. Segundo o Expresso, o presidente da Escom, Helder Bataglia, terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, alegadamente para o amigo José Sócrates.

  • Marcelo diz que é hora de valorizar o poder local
    0:40

    País

    O Presidente da República diz que este é o momento para valorizar o poder local. Sobre a descida da Taxa Social Única, Marcelo Rebelo de Sousa recusou comentar e negou que haja crispação politica entre Governo e oposição.

  • Marine Le Pen diz que Brexit terá efeito dominó na UE
    0:39

    Brexit

    Marine Le Pen diz que o Brexit vai ter um efeito dominó na União Europeia. Durante um congresso da extrema-direita, a líder da Frente Nacional francesa afirmou que a Europa vai despertar este ano em que estão marcadas eleições em vários países, como a Alemanha e a Holanda.