sicnot

Perfil

País

Fenprof diz que mudança da lei de bases da Educação só com sólido consenso

A Fenprof defende que qualquer alteração à Lei de Bases do Sistema Educativo deve ser antecedida de "uma base sólida de consenso", e critica a recente proposta do CDS-PP, acusando-a de tentar eliminar "qualquer réstia" de democracia nas escolas.

Assinalando os 30 anos da Lei de Bases do Sistema Educativo, o secretário-geral da Federação Nacional dos Professores (Fenprof), Mário Nogueira, numa declaração enviada à imprensa, admite que as novas realidades da educação e formação possam justificar alterações à lei que orienta as políticas de educação, desde que antecedidas "de uma avaliação séria e profunda das potencialidades da que ainda vigora, mas também dos seus constrangimentos e das necessidades de adaptação" à realidade.

"Acresce que qualquer alteração deverá merecer um alargado debate prévio de que resulte uma base sólida de consenso, desde logo no plano social, influenciando decisivamente a decisão política", acrescenta o texto.

Sublinhando a "matriz claramente democrática da lei", Mário Nogueira critica as tentativas de alteração que "a punham em causa": a primeira, em 2004, pela mão do ex-ministro do PSD e atual presidente do Conselho Nacional de Educação, David Justino, e a segunda, este mês, numa iniciativa parlamentar do CDS-PP.

"A Fenprof nunca se entrincheirou em torno da Lei de Bases do Sistema Educativo, mas sempre se opôs às iniciativas da direita destinadas a alterar o seu caráter democrático. Tentou-o, desta vez, o CDS-PP que, afirmando perseguir objetivos de estabilidade, de consenso alargado e de alheamento a interesses políticos, em menos de uma semana e sem qualquer diálogo, apresentou, levou à discussão e fez votar uma proposta de alteração da lei que não mereceu, sequer, o voto favorável do seu parceiro de direita", afirma Mário Nogueira.

Para a Fenprof, qualquer revisão desta lei deve consagrar a primazia da escola pública, a gestão democrática das escolas, uma resposta inclusiva para as necessidades especiais e a valorização dos professores.

Segundo a declaração de Mário Nogueira, a proposta do CDS-PP pretendia impor o inverso: colocar o sistema público e o sistema privado "em pé de igualdade", em nome da liberdade de escolha, efetivar a municipalização, "promover a segregação como alternativa à educação inclusiva", permitir a concessão de escolas públicas a privados e "eliminar qualquer réstia de democraticidade que ainda sobreviva na vida das escolas".

O parlamento rejeitou, a 06 de outubro, o projeto de lei apresentado pelo CDS-PP para alterar a Lei de Bases do Sistema Educativo, que diminuía as férias, introduzia o pré-escolar obrigatório aos cinco anos e estabilidade de políticas por seis anos.

O projeto de lei do CDS foi chumbado com votos contra da maioria de esquerda - PS, BE, PCP e PEV, e a abstenção do PSD. Apenas o CDS votou favoravelmente o seu projeto.

A ex-ministra da Educação do primeiro Governo socialista de José Sócrates defendeu esta semana que a lei de bases já não tem capacidade de gerar consensos e compromissos, e que qualquer revisão do diploma deve partir de problemas concretos da educação.

Lusa

  • Alargamento da oferta de manuais escolares ainda em discussão no OE
    1:35

    Orçamento do Estado 2017

    Depois da distribuição gratuita de manuais escolares a alunos do 1º ano, o Ministério da Educação reafirma que a distribuição de manuais será alargada já no próximo ano letivo, a outros níveis escolares. Contactado pela SIC, o Ministério garante que na discussão do Orçamento de Estado (OE) ainda não está fechado se o alargamento da distribuição de manuais gratuitos vai ou não, alem do 2º ano do primeiro ciclo. O Governo garantiu que durante a legislatura todo o ensino obrigatório teria livros gratuitos.

  • A Escola, o Futuro e o 9ºH
    44:39

    Grande Reportagem SIC

    Uma equipa de reportagem da SIC acompanhou uma turma ao longo do último ano letivo. Agora, convidamo-lo a entrar na escola e a refletir com os alunos e professores sobre duas questões fundamentais: "que escola temos?" e "que escola queremos?". A Escola, o Futuro e o 9ºH é Grande Reportagem desta quinta-feira do Jornal da Noite.

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.