sicnot

Perfil

País

Marcelo diz-se muito preocupado com o panorama da leitura em Portugal

© Rafael Marchante / Reuters

O Presidente da República manifestou-se esta sexta-feira "muito preocupado" com o atual panorama da leitura em Portugal, referindo que a comunicação social de massas dá menos atenção ao tema e que se vendem menos livros.

No seu entender, "o digital tem permitido experiências notáveis, mas há que convir que o reajustamento de políticas definidas para outro tempo e para outras circunstâncias é hoje uma realidade que é imperativa".

Marcelo Rebelo de Sousa falava durante um fórum sobre os 20 anos da Rede de Bibliotecas Escolares, na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa.

Apesar de "muito preocupado", o chefe de Estado voltou a definir-se como "um otimista" e afirmou que "aposta também na renovação constante do Plano Nacional de Leitura" e "apoia tudo o que o Governo for fazendo" nesta matéria, que classificou de "imperativo nacional".

"Eu não vos vou dizer que tenho a paixão da educação. Já outros o disseram, e bem", declarou, numa alusão ao antigo primeiro-ministro António Guterres, que na quinta-feira foi eleito secretário-geral das Nações Unidas.

Perante alguns risos na assistência, Marcelo Rebelo de Sousa prosseguiu: "E bem, porque de facto tinham a paixão da educação".

"E é bom, aliás, que quem o disse hoje possa colocar a sua paixão da educação ao serviço do mundo, porque é de facto o melhor da minha geração. Enche-nos de orgulho e é uma oportunidade para o mundo, assim o mundo e as Nações Unidas aproveitem", acrescentou, provocando uma salva de palmas para Guterres.

O Presidente da República retomou então o tema da sua intervenção, defendendo que "é de facto uma prioridade nacional, a educação, e dentro da educação a literacia é uma prioridade".

Marcelo Rebelo de Sousa começou por considerar que a Rede de Bibliotecas Escolares, assim como o Plano Nacional de Leitura, "foi essencial" para aumentar a literacia.

"Simplesmente, passaram 20 anos sobre a Rede de Bibliotecas Escolares, passaram dez anos sobre o Plano Nacional de Leitura, eu não vos escondo que estou preocupado com o panorama da leitura em Portugal hoje. Estou muito preocupado", acrescentou.

Segundo o chefe de Estado, "há obviamente uma crise editorial" em Portugal: "O que se produz hoje, edita hoje e, sobretudo, aquilo que se vende hoje de livros fica muito aquém do que acontecia ainda não há muitos anos. E a tendência tem sido genericamente preocupante".

Em segundo lugar, o Presidente da República referiu que "a comunicação social de massas, a começar na audiovisual, tem dado menor atenção nos últimos tempos quer ao Plano Nacional de Leitura quer à problemática da leitura em geral, quer ao acompanhamento da política do livro".

Marcelo Rebelo de Sousa ressalvou que "há exceções", mas considerou que "o panorama global também é preocupante nesse particular, e não é compensado pelo digital".

Lusa

  • "Nos últimos 14 anos alertámos que este dia iria voltar"
    3:50

    País

    O vice-presidente da Câmara de Mação diz que se sente humilhado com o recurso a meios espanhóis para o combate ao fogo no concelho. Em entrevista à SIC, António Louro, que é também engenheiro florestal, critica os vários governos e afirma que nada disto teria acontecido se tivessem ouvido os apelos desesperados da autarquia depois do incêndio que, em 2003, destruiu grande parte do concelho.

  • Marcelo lembra ditadura para deixar elogios à liberdade de imprensa e separação de poderes
    0:29
  • André Ventura rejeita acusações de xenofobia
    1:27

    País

    O candidato do PSD à Câmara de Loures diz que tocou num tema que as pessoas queriam discutir. Entrevistado na SIC Notícias, André Ventura insiste que as declarações que fez sobre a comunidade cigana não são xenófobas ou racistas.

  • Rajoy nega conhecimento de financiamentos ilegais no PP

    Mundo

    O primeiro-ministro espanhol negou hoje ter conhecimento de um esquema ilegal de financiamento, que envolve vários responsáveis do Partido Popular (PP, direita), que lidera. Durante uma audição no tribunal, Mariano Rajoy garantiu ainda que não aceitou nenhum pagamento ilícito.