sicnot

Perfil

País

Português detido pela polícia brasileira em reserva indígena no norte do país

Um português de 62 anos foi detido pela Polícia Federal brasileira numa reserva indígena no interior do estado do Acre, em cumprimento de um mandado da justiça, divulgou hoje a imprensa brasileira.

De acordo com o portal de notícias G1, o cidadão português foi detido na quarta-feira na base Xinane, na Terra Indígena Isolados do Rio Envira, na fronteira entre os municípios de Jordão e Feijó, no interior do Acre, em cumprimento de um mandado da justiça do mesmo estado.

O cidadão português foi encaminhado para a cadeia Manoel Neri, na cidade de Cruzeiro do Sul.

A Polícia Federal brasileira (PF) referiu que funcionários da Fundação Nacional do Índio (Funai) informaram a polícia após os índios comunicarem que viram um caçador com uma arma de fogo na região.

A polícia não especificou por qual crime o português era procurado pela justiça do Acre.

"A Funai entrou em contacto connosco pela parte da manhã (quarta-feira). Os índios foram ver quem era, a pessoa identificou-se e, como tem uns funcionários permanentes na base, pegaram os dados e entraram em contacto com a PF", explicou o delegado Fabrício Santos.

O delegado sublinhou ainda que o português tem um processo por tráfico de droga no Ceará.

O cidadão português já havia sido preso pela Polícia Federal em 2011, quando um grupo armado peruano tentava invadir a região onde vivem indígenas isolados do Acre.

O homem foi novamente detido em março último, na mesma região, e foi extraditado para o Peru, mas regressou ao Acre em agosto.

Na época, o Batalhão de Operações Especiais da Polícia Militar do Acre (BOPE) e Polícia Federal foram acionados para proteger o local dos possíveis invasores.

Lusa

  • "Às vezes o senhor primeiro-ministro irrita-me um bocadinho"
    2:05

    País

    O Presidente da República disse esta quinta-feira de manhã que António Costa é "irritantemente otimista" por teimar em "ver violeta-rosa onde há roxo". Marcelo Rebelo de Sousa recordou ainda Mário Soares numa aula no Colégio Moderno, em Lisboa.

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Exame ao sangue descobre cancro um ano antes do reaparecimento

    Mundo

    Uma equipa de investigadores britânicos descobriu uma maneira de identificar o regresso do cancro, com um ano de antecedência. Através de um exame ao sangue, a equipa conseguiu identificar os primeiros sinais da doença, uma série de células invisíveis ao raio-X e à TAC. A descoberta pode vir a permitir tratar o cancro mais cedo e, como resultado, poderá aumentar as chances de o curar.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.