sicnot

Perfil

País

Quase 3 mil candidatos ao ensino superior ficaram de fora

As mais de três mil vagas que sobraram podem ainda ser utilizadas pelas instituições de ensino superior em concursos especiais e em mudanças de curso. (Arquivo)

© Marcelo del Pozo / Reuters

Quase três mil candidatos a ingressar no ensino superior público não conseguiram colocação na 3ª e última fase do concurso nacional de acesso, que este ano colocou nas universidades e politécnicos 1.555 caloiros.

De acordo com os dados divulgados hoje pela Direção-Geral do Ensino Superior (DGES), dos 4.431 candidatos só 1.555 conseguiram colocação na última fase do concurso nacional de acesso ao ensino superior.

Concluído o concurso nacional de acesso, foram colocados 45.367 novos alunos nas universidades e politécnicos, mais 2,2% do que em 2015, quando conseguiram lugar 44.412 estudantes.

Ainda de acordo com os dados do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES), ao todo, em 2016, candidataram-se a uma vaga no ensino superior público 56.001 estudantes, mais 3,6% do que os 54.079 que concorreram em 2015.

"Das 5.166 vagas disponíveis no final da 2.ª fase, as instituições de ensino superior colocaram a concurso na 3.ª fase 4.482 (mais 4,7% do que as colocadas a concurso em 2015, ano em que foram 4.281), refere um comunicado do MCTES.

Sobraram 3.483 vagas este ano, em 382 cursos, que não cativaram o interesse dos candidatos. Houve 2.876 estudantes que não conseguiram colocação em nenhuma das opções a que se candidataram.

As mais de três mil vagas que sobraram podem ainda ser utilizadas pelas instituições de ensino superior em concursos especiais e em mudanças de curso.

Com os 56 mil colocados através do concurso nacional de acesso ficam a faltar cerca de 22 mil alunos no ensino superior para se cumprir a estimativa do MCTES de 78.250 novos alunos este ano letivo, tendo em conta todas as ofertas no ensino superior, e todos os concursos e regimes especiais de colocação.

Entre os cerca de 78 mil caloiros, o Governo espera ter, por exemplo, 7.400 novos matriculados nos cursos técnicos superiores profissionais (TESP), os cursos de dois anos lecionados no ensino politécnico, de cariz superior, mas não conferentes de grau.

As matrículas para os colocados na 3.ª fase decorrem até 18 de outubro.

Os resultados da 3.ª fase podem ser consultados no portal da DGES em www.dges.mctes.pt.

Lusa

  • Assalto à base militar de Tancos
    0:42

    País

    Várias granadas e munições foram roubadas dos paióis da base militar de Tancos. A Polícia Judiciária Militar já está a investigar.

  • Detido antigo diretor regional do BES na Madeira

    Queda do BES

    Foi detido o antigo diretor do Banco Espírito Santo da Madeira, no âmbito do chamado processo ao Universo GES. João Alexandre Silva tinha sido também o representante do BES na Venezuela, onde a instituição portuguesa abriu várias agências em diversas cidades e tinha cerca de 7600 clientes domiciliados.

    Notícia SIC

  • Couves, arroz integral e bróculos biológicos com pesticidas sintéticos
    2:29
  • ASAE apreende leite com água oxigenada para fabrico de queijo

    Economia

    A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) apreendeu leite com água oxigenada, destinado ao fabrico de queijo. As investigações decorreram nos últimos dois meses e foram dirigidas a vários produtores de leite. As investigações iniciaram-se com a deteção de uma viatura para transporte do leite sem qualquer sistema de refrigeração.

  • Crise na Venezuela faz aumentar casos de desnutrição infantil
    2:13
  • Mulher mata namorado em brincadeira com arma no Youtube

    Mundo

    Uma mulher do Minnesota, nos EUA, está a ser acusada de disparar mortalmente sobre o namorado quando ambos faziam um vídeo para publicar no Youtube. Monaliza Perez, de 20 anos, foi detida depois de disparar sobre Pedro Ruiz, que segurava um livro junto ao seu peito, confiante que seria o suficiente para parar a bala.

  • Comissão Europeia adota plano contra resistência a antibióticos

    Mundo

    A Comissão Europeia adotou, hoje, um plano para combater a resistência aos antibióticos, uma ameaça que mata anualmente 25 mil pessoas na União Europeia (UE) e custa 1,5 mil milhões de euros. Em paralelo ao plano, apresenta ainda regras para um "uso prudente de antibióticos".