sicnot

Perfil

País

Abstenção atingiu os 59,1%, valor mais alto de sempre

M\303\201RIO CRUZ

A abstenção atingiu este domingo 59,16% nas eleições regionais dos Açores, um recorde absoluto nestes sufrágios, superando os 53,34% de abstenção em 2008, que era até agora o valor mais elevado.

Dos 228.160 inscritos, este domingo apenas foram às urnas 93.189 eleitores e 134.971 abstiveram-se. Nas eleições de 2012, a abstenção situou-se nos 52,14%, com 117.371 eleitores dos 225.127 inscritos a optarem por não votar.

A mais alta taxa de abstenção de sempre nas regionais açorianas tinha-se registado em 2008, quando 53,34% dos eleitores, 192.943, não foram às urnas.

Em 2004, a abstenção foi mais baixa, de 44%, 85.571 eleitores, e, nas eleições de 2000, foi de 46,7%.

A taxa mais alta de participação registou-se nas eleições de 1980, com uma abstenção de apenas 22,9%.

Quatro anos depois, em 1984, a abstenção subiu para 37,6%, representando 64.389 eleitores. O número de abstencionistas voltou a subir em 1988, para 74.165, uma percentagem de 41,1%.

Nas eleições de 1992, a taxa de abstenção foi de 37,8%, 69.454 eleitores, e nas regionais de 1996 esta taxa passou a barreira dos 40%, quando 78.184 eleitores não foram votar.

As primeiras eleições regionais, em 1976, já tinham registado uma taxa alta de abstenção, de 32%, representando 52.851 eleitores em 162.677 inscritos.

Lusa

  • Escritor e filólogo Frederico Lourenço distinguido com o Prémio Pessoa 2016

    Cultura

    O escritor, tradutor, professor universitário Frederico Lourenço foi distinguido com o Prémio Pessoa 2016. O anúncio foi feito hoje pelo presidente do júri, Francisco Pinto Balsemão, no Palácio de Seteais, em Sintra, sublinhando que a atividade de Frederico Lourenço tem como "traço singular" ter oferecido "à língua portuguesa as grandes obras de literatura clássica".

  • Governo garante que Portugal não desperdiçou nenhum fundo de ajuda alimentar
    1:18

    País

    O ministro da Solidariedade e Segurança Social garante que Portugal não desperdiçou nenhum fundo europeu de ajuda alimentar. Vieira da Silva respondeu, esta manhã, à notícia avançada pelo Jornal de Notícias que dava conta de que, este ano, o país teria desperdiçado 28 milhões de euros de um fundo europeu porque o programa ainda não está operacional. O ministro garante que o programa vai ser executado em 2017 e que este ano serviu para tomar medidas no sentido dessa implementação. Vieira da Silva assegura também que o montante disponível para o programa não foi desperdiçado e vai poder ser usado.

  • Sporting de Braga eliminado da Liga Europa
    2:01
  • Explosão no Cairo faz seis mortos

    Mundo

    Seis pessoas morreram hoje numa explosão junto a um posto de controlo da polícia no Cairo, indicaram os meios de comunicação social e responsáveis egípcios.