sicnot

Perfil

País

Projeção dá maioria absoluta ao PS nos Açores

M\303\201RIO CRUZ

A projeção à boca das urnas realizada este domingo pela Universidade Católica para a RTP indica que o PS repete a maioria absoluta nas regionais dos Açores, obtendo entre 50 a 55% dos votos.

Com esta percentagem, o PS pode eleger entre 31 a 35 dos 57 deputados do parlamento dos Açores.

O PSD fica entre os 27 e os 31% dos votos, elegendo 17 a 21 deputados e o CDS-PP obtém entre 5 a 7% dos votos e pode eleger dois a três deputados.

A mesma projeção indica que o BE consegue 2 a 4 % dos votos, e que a CDU obtém 1 a 3%, podendo eleger cada força política um deputado.

O PAN -- Pessoas, Animais, Natureza pode obter também entre 1 a 3 % dos votos e o PPM entre 0 e 1 %, segundo os resultados da projeção da RTP, que também admite a eleição de um deputado para cada um destes partidos.

A abstenção deverá situar-se entre os 57 e 62% o que, a confirmar-se, representa a mais alta taxa de abstenção de sempre nas eleições regionais açorianas.

Em 2012, o PS venceu as eleições regionais com maioria absoluta, (49,02%) e elegeu 31 deputados. O PSD obteve 20 mandatos (33,01%) e o CDS-PP três (5,67%). O Bloco de Esquerda (2,25%), a CDU (1,9%) e o PPM (0,08%) elegeram um parlamentar cada.

Um total de 228.160 eleitores, mais 3.033 do que no sufrágio de 2012, estavam inscritos para escolher os 57 deputados da Assembleia Legislativa Regional.

Concorreram às eleições 13 forças políticas: PSD, PSD, CDS-PP, BE, CDU, PPM, Livre, PAN, PCTP/MRPP, PURP, MAS, MPT e PDR.

O dia fica ainda marcado por uma queixa da CDU à Comissão Nacional de Eleições, por alegada manipulação do símbolo desta força política nos boletins de voto. A CDU diz que o símbolo se apresenta "manipulado na reprodução inscrita nos boletins de voto".

Com Lusa

  • As mulheres na clandestinidade durante o Estado Novo
    7:32

    País

    Não se sabe quantas mulheres portuguesas viveram na clandestinidade durante o Estado Novo, mas estiveram sempre lado a lado com os homens que trabalhavam para o Partido Comunista na luta contra a ditadura. Aceitavam serem separadas dos filhos e mudarem de identidade várias vezes ao longo dos anos. A história de algumas destas mulheres estão agora reunidas num livro que acaba de ser lançado.