sicnot

Perfil

País

Lisboa deverá ter 60 cacifos para sem-abrigo até ao final do ano

© Rafael Marchante / Reuters

Os promotores do projeto Cacifos Solidários, que apoia sem-abrigo e teve início na freguesia lisboeta de Arroios há três anos, com 12 unidades, esperam poder contar até ao final do ano com um total de 60 cacifos na capital.

O projeto, levado a cabo pela Associação Conversa Amiga (ACA), arrancou há três anos no Dia Internacional para a Erradicação da Pobreza, que hoje se assinala.

De acordo com o presidente da ACA, Duarte Paiva, o projeto permite que, no contexto de rua, as pessoas em condição de sem-abrigo "não só tenham um local seguro e digno onde possam guardar os seus pertences, mas também permite um acompanhamento onde em mais de 40% dos casos significou a saída da rua".

Porém, mantém-se ainda o impasse sobre a colocação de 24 cacifos nas zonas do Rossio e do Oriente, mas a Câmara Municipal está a "abrir caminho" para desbloquear as autorizações.

"Até ao momento houve rejeição ou não resposta das três juntas de freguesia para onde se destinam 36 novos cacifos (Parque das Nações, Misericórdia e Santa Maria Maior). Para estas, estão destinados 12 cacifos para cada uma de três localizações diferentes - Martim Moniz, Oriente e Cais do Sodré", explicou.

No impasse, "que já se tornou longo", segundo Duarte Paiva, foi solicitada a ajuda do município, enquanto parceiro do projeto e também no âmbito do Núcleo de Planeamento e Intervenção Sem-Abrigo (NPISA) de Lisboa.

"Neste momento aguardamos por uma boa resolução do assunto, dado que já passou demasiado tempo e muito empenho foi depositado neste projeto. De momento, e o que mais nos custa, é saber que 36 pessoas não estão a beneficiar desta solução. Se multiplicarmos estas pessoas pelas que já podiam ter sido apoiadas, tendo por comparação os 24 cacifos já existentes, então o número de quem podia ter beneficiado é quase o dobro", lamentou o responsável.

Passados três anos da implantação do projeto-piloto em Arroios, Duarte Paiva faz um balanço positivo, avançando estar pronto para continuar e "fechar o ano com uma rede total de 60 cacifos".

"Hoje, passadas 47 pessoas nos 24 cacifos atuais, podemos afirmar que é uma solução válida, que deve existir. Mas o projeto vai muito para além dos cacifos, ele integra uma equipa profissional que acompanha cada pessoa que tem um cacifo", explicou.

Para além das pessoas que têm cacifo, a equipa apoiou cerca de 200 outros casos.

"Cada vez mais os cacifos funcionam como um degrau entre a rua e uma melhor solução. Citando algumas das pessoas que utilizam ou já utilizaram o projeto Cacifos Solidários, as palavras de apreço têm sido muitas e significativas: 'Antes tinha um problema de 100 quilos na cabeça e agora é de 40' ou 'O cacifo não dá para dormir, mas é como se fosse uma casa'", disse Duarte Paiva.

O trabalho é realizado no âmbito do NPISA ao nível de gestão de casos, equipa técnica de rua e apoio na saúde.

Lusa

  • Reclusos que fugiram de Caxias tiveram cúmplices
    1:59

    País

    Uma falha de Portugal poderá explicar a libertação de um dos dois chilenos que fugiram de Caxias e foram apanhados em Espanha. As autoridades portuguesas atrasaram-se a enviar o mandado de detenção e a polícia espanhola libertou o fugitivo. Na investigação da fuga, acredita-se que os 3 reclusos tiveram cúmplices e a namorada de um deles já foi interrogada.

  • Jovem indiano acorda a caminho do próprio funeral

    Mundo

    Um jovem indiano chocou os seus parente e amigos, depois de acordar no caminho para o seu próprio funeral. No mês antes, Kumar Marewad foi levado para o hospital após ser mordido por um cão de rua, ficando em estado grave.

  • Bilhete de desculpas valeu uma bolsa de estudo

    Mundo

    Um jovem chinês ganhou uma bolsa de estudos no valor de 10 mil yuan (cerca de 1.380 euros), depois de danificar acidentalmente um carro de luxo. Isto, porque após os estragos, o jovem deixou um bilhete de desculpas ao dono, assim como todo o dinheiro que tinha com ele, como compensação.