sicnot

Perfil

País

Marcelo defende na Suíça aumento das trocas bilaterais e do investimento

© Lusa

O Presidente da República afirmou hoje em Berna que a economia portuguesa "abre portas à iniciativa dos empresários estrangeiros" e defendeu que é tempo de Portugal e a Suíça aumentarem as trocas comerciais e o investimento.

Marcelo Rebelo de Sousa falava nos Passos Perdidos do Parlamento federal suíço, num discurso em que alternou entre o alemão, o francês e o italiano, feito perante o Presidente da Suíça, Johann N. Schneider-Ammann, e outros membros do Conselho Federal deste país.

O chefe de Estado apresentou Portugal como "uma nação moderna e estável, uma economia aberta, dotada de excelentes infraestruturas, um Estado-membro da União Europeia, da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) e da Comunidade Ibero-Americana".

Portugal tem "muito boas relações" com a Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN), acrescentou Marcelo Rebelo de Sousa, concluindo: "Em suma, é um país que abre portas à iniciativa dos empresários estrangeiros".

"É pois tempo de nos empenharmos no incremento dos fluxos comerciais e de investimento entre os nossos dois países e de colocar o nosso relacionamento económico e empresarial ao nível da excelência que caracteriza as nossas relações políticas", defendeu

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.