sicnot

Perfil

País

GNR mantém o mesmo dispositivo para deter suspeito de crimes de Aguiar da Beira

PAULO NOVAIS

A GNR mantém o mesmo dispositivo das últimas horas no terreno para tentar deter o suspeito dos assassínios de Aguiar da Beira, com a preocupação de "garabntir a segurança das populações".

O responsável das Relações Públicas da GNR, major Mário Cruz, adiantou à agência Lusa que se "mantém o mesmo dispositivo que está a realizar ações de patrulhamento para localizar o presumível homicida", acrescentando que estas se estendem até Vila Real.

Neste momento, o objetivo da GNR é o de "garantir a segurança das populações" para que "não se sintam inseguras" com os acontecimentos dos últimos dias.

"Entendemos que a população esteja preocupada com esta situação", declarou.

A operação envolve também elementos da Polícia Judiciária (PJ), responsável pela investigação do caso, uma vez que houve mortes e uso de armas de fogo.

Pedro Dias, o homem suspeito de matar um militar e um civil, em Aguiar da Beira, distrito da Guarda, além de ter causado ferimentos a outras duas pessoas, uma delas também militar da GNR, tem sido procurado pela GNR e pela Polícia Judiciária desde o dia 11, data dos primeiros acontecimentos.

Na fuga, o homem terá sido já localizado em Arouca, distrito de Aveiro, de onde será natural, e na zona de São Pedro do Sul, onde um militar da GNR se terá baleado a si próprio, numa queda.

No domingo, uma patrulha da GNR também terá localizado o suspeito, em Vila Real, mas o homem acabou por conseguir novamente fugir.

Na segunda-feira, ao final da tarde, junto à aldeia de Carro Queimado, naquele concelho transmontano, foi encontrada a viatura que o homem terá roubado em Arouca para se deslocar até Vila Real. Em Arouca, o homem também terá sequestrado duas pessoas, causando-lhes igualmente alguns ferimentos.

Lusa

  • Suspeito de Aguiar da Beira tem uma "perturbação de personalidade antissocial"
    7:09

    País

    O suspeito de dois homicídios em Aguiar da Beira está desaparecido há mais de uma semana. A editora de Sociedade da SIC Isabel Horta e o psicólogo forense Mauro Paulino estiveram no Jornal da Noite a analisar o caso. Mauro Paulino diz que os dados sugerem que o homem tem uma "perturbação de personalidade antissocial". O psicólogo forense afirma que o suspeito quer manter o controlo sobre a situação - daí estar a fugir por sítios que conhece - e que é perigoso para a sociedade. Já Isabel Horta diz que a mediatização dada ao caso não está a ajudar e fala sobre a intervenção da GNR no caso, que não tem "qualquer enquadramento legal". A editora de Sociedade diz ainda que esta intervenção pode causar uma reação negativa, que pode levar a um desfecho que não será favorável.

  • Sporting de Braga eliminado da Liga Europa
    2:01