sicnot

Perfil

País

Guterres recebe a 13 de dezembro Prémio Direitos Humanos atribuído pelo Parlamento

Campo de refugiados em Mogadíscio, Somália, 31 de agosto de 2011.

© Thomas Mukoya / Reuters

O Prémio Direitos Humanos 2016, que foi atribuído pela Assembleia da República a António Guterres, será entregue a 13 de dezembro, anunciou hoje o presidente do Parlamento, Eduardo Ferro Rodrigues.

De acordo com o porta-voz da conferência de líderes, o deputado do PSD Duarte Pacheco, o anúncio foi feito esta manhã por Ferro Rodrigues aos representantes nos grupos parlamentares.

A atribuição do prémio a António Guterres pelo seu desempenho nas funções de Alto-comissário das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) tinha sido divulgada na semana passada.

A atribuição do prémio ao novo secretário-geral das Nações Unidas foi decidida por unanimidade, por um júri composto pelos deputados da comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias Pedro Bacelar de Vasconcelos (PS), que preside, José Matos Correia (PSD), Filipe Neto Brandão (PS), Sandra Cunha (BE), Telmo Correia (CDS-PP), António Filipe (PCP) e José Luís Ferreira (PEV).

O prémio será entregue numa cerimónia incluída nas comemorações do Dia Internacional dos Direitos Humanos.

O primeiro dia de trabalho de António Guterres como Alto Representante das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) no gabinete em Genebra, a 15 de junho de 2005.
1 / 22

O primeiro dia de trabalho de António Guterres como Alto Representante das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) no gabinete em Genebra, a 15 de junho de 2005.

© Reuters Photographer

Encontro com o Papa Bento XVI no Vaticano, a 17 de novembro de 2006.
2 / 22

Encontro com o Papa Bento XVI no Vaticano, a 17 de novembro de 2006.

© Osservatore Romano / Reuters

Guterres visita o campo de refugiados Kharaz no Iémen a 15 de maio de 2008, para se inteirar dos resultados dos esforço do ACNUR. Muitos africanos consideram o Iémen como uma porta de entrada para a Arábia Saudita e outros países do Médio Oriente. Mas a jornada de muitos termina neste país pobre, que nada tem para lhes oferecer.
3 / 22

Guterres visita o campo de refugiados Kharaz no Iémen a 15 de maio de 2008, para se inteirar dos resultados dos esforço do ACNUR. Muitos africanos consideram o Iémen como uma porta de entrada para a Arábia Saudita e outros países do Médio Oriente. Mas a jornada de muitos termina neste país pobre, que nada tem para lhes oferecer.

© Khaled Abdullah Ali Al Mahdi

Guterres visita um centro em Srebrenica, Bósnia e Herzegovina, para refugiados com incapacidades físicas, em agosto de 2009. O Alto Comissário visitou vários centros de refugiados e retornados vítimas das guerras civis na região.
4 / 22

Guterres visita um centro em Srebrenica, Bósnia e Herzegovina, para refugiados com incapacidades físicas, em agosto de 2009. O Alto Comissário visitou vários centros de refugiados e retornados vítimas das guerras civis na região.

© Damir Sagolj / Reuters

Visita a Bogotá em dezembro de 2010. Guterres ouve colombianos que escaparam aos combates entre as FARC e o Governo da Colômbia.
5 / 22

Visita a Bogotá em dezembro de 2010. Guterres ouve colombianos que escaparam aos combates entre as FARC e o Governo da Colômbia.

© John Vizcaino / Reuters

O Presidente sírio Bashar al-Assad recebeu o Alto Comissário em Damasco a 20 de junho de 2010.
6 / 22

O Presidente sírio Bashar al-Assad recebeu o Alto Comissário em Damasco a 20 de junho de 2010.

© Sana Sana / Reuters

Visita ao campo de refugiados de Dagahaley, perto da fronteira Quénia-Somália, a 3 de abril de 2011. A seca e duas décadas de violência forçam os somalis a fugir do seu país e a procurar abrigo num dos maiores campos de refugiados do mundo.
7 / 22

Visita ao campo de refugiados de Dagahaley, perto da fronteira Quénia-Somália, a 3 de abril de 2011. A seca e duas décadas de violência forçam os somalis a fugir do seu país e a procurar abrigo num dos maiores campos de refugiados do mundo.

© Thomas Mukoya / Reuters

Campo de refugiados em Mogadíscio, Somália, 31 de agosto de 2011.
8 / 22

Campo de refugiados em Mogadíscio, Somália, 31 de agosto de 2011.

© Thomas Mukoya / Reuters

O Presidente do Líbano Michel Suleiman recebe a Embaixadora da Boa Vontade Angelina Jolie e o Alto Comissário das Nações Unidas António Guterres no Palácio Presidencial em Baabda, a 12 de setembro de 2012.
9 / 22

O Presidente do Líbano Michel Suleiman recebe a Embaixadora da Boa Vontade Angelina Jolie e o Alto Comissário das Nações Unidas António Guterres no Palácio Presidencial em Baabda, a 12 de setembro de 2012.

© Handout . / Reuters

Conferência conjunta do Alto Comissário da ONU para os Refugiados e da Embaixadora da Boa vontade em Beirute.
10 / 22

Conferência conjunta do Alto Comissário da ONU para os Refugiados e da Embaixadora da Boa vontade em Beirute.

REUTERS

Menino sírio acompanha a visita de Guterres ao campo de refugiados em Nizip, sul da Turquia, a 10 de março de 2013. Na altura, tinham fugido da Síria um milhão de pessoas.
11 / 22

Menino sírio acompanha a visita de Guterres ao campo de refugiados em Nizip, sul da Turquia, a 10 de março de 2013. Na altura, tinham fugido da Síria um milhão de pessoas.

© POOL New / Reuters

Refugiado sírio conta a sua história num campo de refugiados turco em Nizip, em março de 2013.
12 / 22

Refugiado sírio conta a sua história num campo de refugiados turco em Nizip, em março de 2013.

© Veli Gurgah / Reuters

Escola para crianças refugiadas sírias no Líbano, março de 2014.
13 / 22

Escola para crianças refugiadas sírias no Líbano, março de 2014.

© Mohamed Azakir / Reuters

O Alto Comissário em casa de uma família síria refugiada em Beirute, a 19 de junho de 2014.
14 / 22

O Alto Comissário em casa de uma família síria refugiada em Beirute, a 19 de junho de 2014.

© Mohamed Azakir / Reuters

Esta família fugiu à violência em Mosul, Iraque, às mãos do Daesh. Encontrou refúgio nos arredores da cidade curda de Arbil. Guterres visitou-a em 17 de julho de 2014 para alertar a comunidade internacional para a necessidade de uma solução política que ponha um fim ao sofrimento de centenas de milhares de iraquianos às mãos dos terroristas islâmicos.
15 / 22

Esta família fugiu à violência em Mosul, Iraque, às mãos do Daesh. Encontrou refúgio nos arredores da cidade curda de Arbil. Guterres visitou-a em 17 de julho de 2014 para alertar a comunidade internacional para a necessidade de uma solução política que ponha um fim ao sofrimento de centenas de milhares de iraquianos às mãos dos terroristas islâmicos.

© STRINGER Iraq / Reuters

Visita às famílias afetadas por uma tempestade que assolou o campo de refugiados Al Zaatari, na Jordânia, fronteira com a Síria, a 15 de janeiro de 2015.
16 / 22

Visita às famílias afetadas por uma tempestade que assolou o campo de refugiados Al Zaatari, na Jordânia, fronteira com a Síria, a 15 de janeiro de 2015.

© Muhammad Hamed / Reuters

O campo de refugiados Al Zaatari na Jordânia apelou à ajuda do ACNUR após a violenta tempestade que assolou aquela região do Médio Oriente, e, janeiro de 2015.
17 / 22

O campo de refugiados Al Zaatari na Jordânia apelou à ajuda do ACNUR após a violenta tempestade que assolou aquela região do Médio Oriente, e, janeiro de 2015.

© Muhammad Hamed / Reuters

O Governo do Quénia ameaçava encerrar o campo Ifo em Dadaab, perto da fronteira entre a Somália e o Quénia, onde em maio de 2015 se encontravam 350 mil refugiados somalis. O Alto Comissário apelou ao ao executivo queniano para que reconsiderasse, alertando para as "consequências humanitárias e práticas extremamente graves" se os somalis fossem obrigados a regressar ao seu país.
18 / 22

O Governo do Quénia ameaçava encerrar o campo Ifo em Dadaab, perto da fronteira entre a Somália e o Quénia, onde em maio de 2015 se encontravam 350 mil refugiados somalis. O Alto Comissário apelou ao ao executivo queniano para que reconsiderasse, alertando para as "consequências humanitárias e práticas extremamente graves" se os somalis fossem obrigados a regressar ao seu país.

© Thomas Mukoya / Reuters

Dia Mundial dos Refugiados assinalado por Guterres e Jolie no campo de Al Zaatri na Jordânia, a 20 de junho de 2013.
19 / 22

Dia Mundial dos Refugiados assinalado por Guterres e Jolie no campo de Al Zaatri na Jordânia, a 20 de junho de 2013.

© Muhammad Hamed / Reuters

Refugiada somali fala com Guterres num bairro de lata na cidade portuária iemenita de Aden, maio de 2008.
20 / 22

Refugiada somali fala com Guterres num bairro de lata na cidade portuária iemenita de Aden, maio de 2008.

© Khaled Abdullah Ali Al Mahdi

Visita do Alto Comissário da ONU para os Refugiados e da Comissária da UE para a Cooperação Internacional, Ajuda Humanitária e Resposta a Crises a um campo de refugiados em Sofia, Bulgária, a 22 de novembro de 2013.
21 / 22

Visita do Alto Comissário da ONU para os Refugiados e da Comissária da UE para a Cooperação Internacional, Ajuda Humanitária e Resposta a Crises a um campo de refugiados em Sofia, Bulgária, a 22 de novembro de 2013.

© Stoyan Nenov / Reuters

Um grupo de refugiados sírios num campo em Sofia, Bulgária, impediu a passagem do Alto Comissário da ONU e da comissária europeia Kristalina Georgieva. Guterres parou para falar com as pessoas, que acabaram por deixá-los sair.
22 / 22

Um grupo de refugiados sírios num campo em Sofia, Bulgária, impediu a passagem do Alto Comissário da ONU e da comissária europeia Kristalina Georgieva. Guterres parou para falar com as pessoas, que acabaram por deixá-los sair.

© Stoyan Nenov / Reuters

  • A menina síria que relata a guerra no Twitter está bem, diz o pai

    Mundo

    Bana Alabed, a menina síria de 7 anos que conta no Twitter a luta pela sobrevivência e os horrores da guerra em Alepo, teve de abandonar a sua casa que foi bombardeada mas está bem, disse hoje o seu pai à Agência France Press. A conta esteve fechada domingo, mas foi entretanto reativada e tem hoje uma nova publicação de Bana.

  • Parkinson pode ter início nos intestinos

    Mundo

    Um novo estudo científico vem revelar que a doença de Parkinson pode não estar apenas no cérebro. A doença pode ter início nos intestinos e mais tarde migrar para o cérebro.