sicnot

Perfil

País

Guterres recebe a 13 de dezembro Prémio Direitos Humanos atribuído pelo Parlamento

Campo de refugiados em Mogadíscio, Somália, 31 de agosto de 2011.

© Thomas Mukoya / Reuters

O Prémio Direitos Humanos 2016, que foi atribuído pela Assembleia da República a António Guterres, será entregue a 13 de dezembro, anunciou hoje o presidente do Parlamento, Eduardo Ferro Rodrigues.

De acordo com o porta-voz da conferência de líderes, o deputado do PSD Duarte Pacheco, o anúncio foi feito esta manhã por Ferro Rodrigues aos representantes nos grupos parlamentares.

A atribuição do prémio a António Guterres pelo seu desempenho nas funções de Alto-comissário das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) tinha sido divulgada na semana passada.

A atribuição do prémio ao novo secretário-geral das Nações Unidas foi decidida por unanimidade, por um júri composto pelos deputados da comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias Pedro Bacelar de Vasconcelos (PS), que preside, José Matos Correia (PSD), Filipe Neto Brandão (PS), Sandra Cunha (BE), Telmo Correia (CDS-PP), António Filipe (PCP) e José Luís Ferreira (PEV).

O prémio será entregue numa cerimónia incluída nas comemorações do Dia Internacional dos Direitos Humanos.

O primeiro dia de trabalho de António Guterres como Alto Representante das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) no gabinete em Genebra, a 15 de junho de 2005.
1 / 22

O primeiro dia de trabalho de António Guterres como Alto Representante das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) no gabinete em Genebra, a 15 de junho de 2005.

© Reuters Photographer

Encontro com o Papa Bento XVI no Vaticano, a 17 de novembro de 2006.
2 / 22

Encontro com o Papa Bento XVI no Vaticano, a 17 de novembro de 2006.

© Osservatore Romano / Reuters

Guterres visita o campo de refugiados Kharaz no Iémen a 15 de maio de 2008, para se inteirar dos resultados dos esforço do ACNUR. Muitos africanos consideram o Iémen como uma porta de entrada para a Arábia Saudita e outros países do Médio Oriente. Mas a jornada de muitos termina neste país pobre, que nada tem para lhes oferecer.
3 / 22

Guterres visita o campo de refugiados Kharaz no Iémen a 15 de maio de 2008, para se inteirar dos resultados dos esforço do ACNUR. Muitos africanos consideram o Iémen como uma porta de entrada para a Arábia Saudita e outros países do Médio Oriente. Mas a jornada de muitos termina neste país pobre, que nada tem para lhes oferecer.

© Khaled Abdullah Ali Al Mahdi

Guterres visita um centro em Srebrenica, Bósnia e Herzegovina, para refugiados com incapacidades físicas, em agosto de 2009. O Alto Comissário visitou vários centros de refugiados e retornados vítimas das guerras civis na região.
4 / 22

Guterres visita um centro em Srebrenica, Bósnia e Herzegovina, para refugiados com incapacidades físicas, em agosto de 2009. O Alto Comissário visitou vários centros de refugiados e retornados vítimas das guerras civis na região.

© Damir Sagolj / Reuters

Visita a Bogotá em dezembro de 2010. Guterres ouve colombianos que escaparam aos combates entre as FARC e o Governo da Colômbia.
5 / 22

Visita a Bogotá em dezembro de 2010. Guterres ouve colombianos que escaparam aos combates entre as FARC e o Governo da Colômbia.

© John Vizcaino / Reuters

O Presidente sírio Bashar al-Assad recebeu o Alto Comissário em Damasco a 20 de junho de 2010.
6 / 22

O Presidente sírio Bashar al-Assad recebeu o Alto Comissário em Damasco a 20 de junho de 2010.

© Sana Sana / Reuters

Visita ao campo de refugiados de Dagahaley, perto da fronteira Quénia-Somália, a 3 de abril de 2011. A seca e duas décadas de violência forçam os somalis a fugir do seu país e a procurar abrigo num dos maiores campos de refugiados do mundo.
7 / 22

Visita ao campo de refugiados de Dagahaley, perto da fronteira Quénia-Somália, a 3 de abril de 2011. A seca e duas décadas de violência forçam os somalis a fugir do seu país e a procurar abrigo num dos maiores campos de refugiados do mundo.

© Thomas Mukoya / Reuters

Campo de refugiados em Mogadíscio, Somália, 31 de agosto de 2011.
8 / 22

Campo de refugiados em Mogadíscio, Somália, 31 de agosto de 2011.

© Thomas Mukoya / Reuters

O Presidente do Líbano Michel Suleiman recebe a Embaixadora da Boa Vontade Angelina Jolie e o Alto Comissário das Nações Unidas António Guterres no Palácio Presidencial em Baabda, a 12 de setembro de 2012.
9 / 22

O Presidente do Líbano Michel Suleiman recebe a Embaixadora da Boa Vontade Angelina Jolie e o Alto Comissário das Nações Unidas António Guterres no Palácio Presidencial em Baabda, a 12 de setembro de 2012.

© Handout . / Reuters

Conferência conjunta do Alto Comissário da ONU para os Refugiados e da Embaixadora da Boa vontade em Beirute.
10 / 22

Conferência conjunta do Alto Comissário da ONU para os Refugiados e da Embaixadora da Boa vontade em Beirute.

REUTERS

Menino sírio acompanha a visita de Guterres ao campo de refugiados em Nizip, sul da Turquia, a 10 de março de 2013. Na altura, tinham fugido da Síria um milhão de pessoas.
11 / 22

Menino sírio acompanha a visita de Guterres ao campo de refugiados em Nizip, sul da Turquia, a 10 de março de 2013. Na altura, tinham fugido da Síria um milhão de pessoas.

© POOL New / Reuters

Refugiado sírio conta a sua história num campo de refugiados turco em Nizip, em março de 2013.
12 / 22

Refugiado sírio conta a sua história num campo de refugiados turco em Nizip, em março de 2013.

© Veli Gurgah / Reuters

Escola para crianças refugiadas sírias no Líbano, março de 2014.
13 / 22

Escola para crianças refugiadas sírias no Líbano, março de 2014.

© Mohamed Azakir / Reuters

O Alto Comissário em casa de uma família síria refugiada em Beirute, a 19 de junho de 2014.
14 / 22

O Alto Comissário em casa de uma família síria refugiada em Beirute, a 19 de junho de 2014.

© Mohamed Azakir / Reuters

Esta família fugiu à violência em Mosul, Iraque, às mãos do Daesh. Encontrou refúgio nos arredores da cidade curda de Arbil. Guterres visitou-a em 17 de julho de 2014 para alertar a comunidade internacional para a necessidade de uma solução política que ponha um fim ao sofrimento de centenas de milhares de iraquianos às mãos dos terroristas islâmicos.
15 / 22

Esta família fugiu à violência em Mosul, Iraque, às mãos do Daesh. Encontrou refúgio nos arredores da cidade curda de Arbil. Guterres visitou-a em 17 de julho de 2014 para alertar a comunidade internacional para a necessidade de uma solução política que ponha um fim ao sofrimento de centenas de milhares de iraquianos às mãos dos terroristas islâmicos.

© STRINGER Iraq / Reuters

Visita às famílias afetadas por uma tempestade que assolou o campo de refugiados Al Zaatari, na Jordânia, fronteira com a Síria, a 15 de janeiro de 2015.
16 / 22

Visita às famílias afetadas por uma tempestade que assolou o campo de refugiados Al Zaatari, na Jordânia, fronteira com a Síria, a 15 de janeiro de 2015.

© Muhammad Hamed / Reuters

O campo de refugiados Al Zaatari na Jordânia apelou à ajuda do ACNUR após a violenta tempestade que assolou aquela região do Médio Oriente, e, janeiro de 2015.
17 / 22

O campo de refugiados Al Zaatari na Jordânia apelou à ajuda do ACNUR após a violenta tempestade que assolou aquela região do Médio Oriente, e, janeiro de 2015.

© Muhammad Hamed / Reuters

O Governo do Quénia ameaçava encerrar o campo Ifo em Dadaab, perto da fronteira entre a Somália e o Quénia, onde em maio de 2015 se encontravam 350 mil refugiados somalis. O Alto Comissário apelou ao ao executivo queniano para que reconsiderasse, alertando para as "consequências humanitárias e práticas extremamente graves" se os somalis fossem obrigados a regressar ao seu país.
18 / 22

O Governo do Quénia ameaçava encerrar o campo Ifo em Dadaab, perto da fronteira entre a Somália e o Quénia, onde em maio de 2015 se encontravam 350 mil refugiados somalis. O Alto Comissário apelou ao ao executivo queniano para que reconsiderasse, alertando para as "consequências humanitárias e práticas extremamente graves" se os somalis fossem obrigados a regressar ao seu país.

© Thomas Mukoya / Reuters

Dia Mundial dos Refugiados assinalado por Guterres e Jolie no campo de Al Zaatri na Jordânia, a 20 de junho de 2013.
19 / 22

Dia Mundial dos Refugiados assinalado por Guterres e Jolie no campo de Al Zaatri na Jordânia, a 20 de junho de 2013.

© Muhammad Hamed / Reuters

Refugiada somali fala com Guterres num bairro de lata na cidade portuária iemenita de Aden, maio de 2008.
20 / 22

Refugiada somali fala com Guterres num bairro de lata na cidade portuária iemenita de Aden, maio de 2008.

© Khaled Abdullah Ali Al Mahdi

Visita do Alto Comissário da ONU para os Refugiados e da Comissária da UE para a Cooperação Internacional, Ajuda Humanitária e Resposta a Crises a um campo de refugiados em Sofia, Bulgária, a 22 de novembro de 2013.
21 / 22

Visita do Alto Comissário da ONU para os Refugiados e da Comissária da UE para a Cooperação Internacional, Ajuda Humanitária e Resposta a Crises a um campo de refugiados em Sofia, Bulgária, a 22 de novembro de 2013.

© Stoyan Nenov / Reuters

Um grupo de refugiados sírios num campo em Sofia, Bulgária, impediu a passagem do Alto Comissário da ONU e da comissária europeia Kristalina Georgieva. Guterres parou para falar com as pessoas, que acabaram por deixá-los sair.
22 / 22

Um grupo de refugiados sírios num campo em Sofia, Bulgária, impediu a passagem do Alto Comissário da ONU e da comissária europeia Kristalina Georgieva. Guterres parou para falar com as pessoas, que acabaram por deixá-los sair.

© Stoyan Nenov / Reuters

  • Alianças do PS marcam discursos no Congresso do PS
    2:51
  • Souto de Moura feliz com distinção na Bienal de Arquitetura de Veneza
    1:10
  • "Sonho com um futuro melhor", o desejo de um jovem sírio em Portugal
    2:12

    País

    Mais de 50 jovens sírios chegaram esta madrugada a Lisboa, para iniciarem o novo ano letivo, em Portugal. Sonham com um futuro melhor. Sonham com uma educação melhor. Os 54 estudantes vieram ao abrigo do programa lançado pelo antigo Presidente da República, Jorge Sampaio, que nos últimos anos já deu uma nova oportunidade a cerca de 200 alunos. Depois de um curso intensivo de português durante três meses, os jovens vão iniciar o ano letivo em vários pontos do país.

  • Chamas do incêndio no Europa Park na Alemanha atingiram os 15 metros de altura
    0:57