sicnot

Perfil

País

Reconstituição de uma fuga, 8 dias e 100 quilómetros depois

Reconstituição de uma fuga, 8 dias e 100 quilómetros depois

As autoridades continuam no encalço de Pedro Dias. Nos últimos dias, o homem tem deixado algum rasto, mas também várias interrogações. A SIC fez a reconstituição desde o primeiro minuto.

Cem quilómetros separam agora as buscas do epicentro dos crimes. Se mais andou o fugitivo durante estes oito dias só ele poderá contá-lo.

Na madrugada de dia 11 de outubro, terá assassinado à queima roupa um militar da GNR e um civil, ferindo outras duas vítimas com gravidade.

A reconstituição dos crimes começa num local ermo. Um hotel em construção, na zona industrial de Aguiar da Beira. Seriam 3:30 da manhã quando dois militares da GNR que circulavam num carro patrulha surpreenderam Pedro Dias no local.

Citado pela imprensa, o militar sobrevivente contou que viu Pedro Dias a balear o colega na cabeça no momento em que procediam à identificação do suspeito. De seguida terá obrigado o militar a colocar o colega atingido no porta-bagagens do carro patrulha.

O suspeito deixou o carro no local e seguiu no da GNR, com o militar morto na bagageira e o colega manietado no banco do passageiro.

Passaram-se cerca de quatro horas sem que se perceba o que aconteceu e por onde andou o alegado homicída com a vítima.

Eram 7:30 quando a cinco quilómetros do local do crime, na quinta das Lameiras, Pedro Dias abandonou o carro patrulha. Antes terá disparado sobre o militar sobrevivente, cujo corpo foi abandonado junto à estrada.

Na mesma Nacional 229, que liga Aguiar da Beira a Sátão, terá obrigado Luís e Liliana Pinto a parar a viatura onde seguiam. O casal de Trancoso tinha à espera uma consulta em Coimbra, onde nunca chegou. Foram ambos atingidos. O homem teve morte imediata. A mulher, baleada na cabeça, ficou em estado crítico. A tudo isto terá assistido o militar sobrevivente, que, depois de recuperar os sentidos, pediu ajuda na casa de um colega da GNR.

Pelo sistema de GPS de detecção de viaturas, a guarda apercebeu-se que o carro estava parado há demasiado tempo no mesmo local.

As autoridades souberam desde cedo quem procuravam. Um documento identificativo de Pedro Dias foi encontrado dentro do carro da GNR.

Sabe-se que Pedro Dias regressou ao hotel em construção horas mais tarde para deixar a viatura roubada ao casal de Trancoso.

Já no seu carro, seguiu para Fornos de Algodres onde terá trocado a viatura por uma carrinha de caixa aberta de uma amiga.

Duzentos militares da GNR montavam o cerco às aldeias de Candal e Póvoa das Leiras, na serra da Arada e junto ao rio Paivô, locais onde o suspeito foi avistado.

Da carrinha, livrou-se dela ainda na terça-feira da semana passada. Deixou-a na Póvoa das Leiras, uma povoação de S. Pedro do Sul a 20 quilómetros de Arouca. Cidade onde cresceu Pedro Dias e onde vive a família.

Enquanto os militares batiam a zona, a Judiciária levava a cabo várias buscas na casa da família de Pedro Dias em Arouca. Procuraram tudo o que ajudasse a conhecer o homem, de 44 anos, pai de duas meninas, cidadão português com passaporte sul-africano, conhecido em Arouca pelas caçadas.

Pedro Dias volta a ser visto em Arouca no domingo e dessa vez deixa marcas. Esconde-se numa casa desabitada de Moldes. A filha da proprietária vai ao local e acaba por ser agredida, assim como um vizinho que a socorreu. São ambos amarrados. Pedro Dias acaba por fugir na carinha do homem, uma Opel Astra branca, que vem a ser encontrada no dia seguinte, a 100 quilómetros de distância, na localidade de Carro Queimado, já em Vila Real.

Foi visto na aldeia de Assento esta terça-feira.

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.