sicnot

Perfil

País

Reconstituição de uma fuga, 8 dias e 100 quilómetros depois

Reconstituição de uma fuga, 8 dias e 100 quilómetros depois

As autoridades continuam no encalço de Pedro Dias. Nos últimos dias, o homem tem deixado algum rasto, mas também várias interrogações. A SIC fez a reconstituição desde o primeiro minuto.

Cem quilómetros separam agora as buscas do epicentro dos crimes. Se mais andou o fugitivo durante estes oito dias só ele poderá contá-lo.

Na madrugada de dia 11 de outubro, terá assassinado à queima roupa um militar da GNR e um civil, ferindo outras duas vítimas com gravidade.

A reconstituição dos crimes começa num local ermo. Um hotel em construção, na zona industrial de Aguiar da Beira. Seriam 3:30 da manhã quando dois militares da GNR que circulavam num carro patrulha surpreenderam Pedro Dias no local.

Citado pela imprensa, o militar sobrevivente contou que viu Pedro Dias a balear o colega na cabeça no momento em que procediam à identificação do suspeito. De seguida terá obrigado o militar a colocar o colega atingido no porta-bagagens do carro patrulha.

O suspeito deixou o carro no local e seguiu no da GNR, com o militar morto na bagageira e o colega manietado no banco do passageiro.

Passaram-se cerca de quatro horas sem que se perceba o que aconteceu e por onde andou o alegado homicída com a vítima.

Eram 7:30 quando a cinco quilómetros do local do crime, na quinta das Lameiras, Pedro Dias abandonou o carro patrulha. Antes terá disparado sobre o militar sobrevivente, cujo corpo foi abandonado junto à estrada.

Na mesma Nacional 229, que liga Aguiar da Beira a Sátão, terá obrigado Luís e Liliana Pinto a parar a viatura onde seguiam. O casal de Trancoso tinha à espera uma consulta em Coimbra, onde nunca chegou. Foram ambos atingidos. O homem teve morte imediata. A mulher, baleada na cabeça, ficou em estado crítico. A tudo isto terá assistido o militar sobrevivente, que, depois de recuperar os sentidos, pediu ajuda na casa de um colega da GNR.

Pelo sistema de GPS de detecção de viaturas, a guarda apercebeu-se que o carro estava parado há demasiado tempo no mesmo local.

As autoridades souberam desde cedo quem procuravam. Um documento identificativo de Pedro Dias foi encontrado dentro do carro da GNR.

Sabe-se que Pedro Dias regressou ao hotel em construção horas mais tarde para deixar a viatura roubada ao casal de Trancoso.

Já no seu carro, seguiu para Fornos de Algodres onde terá trocado a viatura por uma carrinha de caixa aberta de uma amiga.

Duzentos militares da GNR montavam o cerco às aldeias de Candal e Póvoa das Leiras, na serra da Arada e junto ao rio Paivô, locais onde o suspeito foi avistado.

Da carrinha, livrou-se dela ainda na terça-feira da semana passada. Deixou-a na Póvoa das Leiras, uma povoação de S. Pedro do Sul a 20 quilómetros de Arouca. Cidade onde cresceu Pedro Dias e onde vive a família.

Enquanto os militares batiam a zona, a Judiciária levava a cabo várias buscas na casa da família de Pedro Dias em Arouca. Procuraram tudo o que ajudasse a conhecer o homem, de 44 anos, pai de duas meninas, cidadão português com passaporte sul-africano, conhecido em Arouca pelas caçadas.

Pedro Dias volta a ser visto em Arouca no domingo e dessa vez deixa marcas. Esconde-se numa casa desabitada de Moldes. A filha da proprietária vai ao local e acaba por ser agredida, assim como um vizinho que a socorreu. São ambos amarrados. Pedro Dias acaba por fugir na carinha do homem, uma Opel Astra branca, que vem a ser encontrada no dia seguinte, a 100 quilómetros de distância, na localidade de Carro Queimado, já em Vila Real.

Foi visto na aldeia de Assento esta terça-feira.

  • Escritor e filólogo Frederico Lourenço distinguido com o Prémio Pessoa 2016

    Cultura

    O escritor, tradutor, professor universitário Frederico Lourenço foi distinguido com o Prémio Pessoa 2016. O anúncio foi feito hoje pelo presidente do júri, Francisco Pinto Balsemão, no Palácio de Seteais, em Sintra, sublinhando que a atividade de Frederico Lourenço tem como "traço singular" ter oferecido "à língua portuguesa as grandes obras de literatura clássica".

  • Governo garante que Portugal não desperdiçou nenhum fundo de ajuda alimentar
    1:18

    País

    O ministro da Solidariedade e Segurança Social garante que Portugal não desperdiçou nenhum fundo europeu de ajuda alimentar. Vieira da Silva respondeu, esta manhã, à notícia avançada pelo Jornal de Notícias que dava conta de que, este ano, o país teria desperdiçado 28 milhões de euros de um fundo europeu porque o programa ainda não está operacional. O ministro garante que o programa vai ser executado em 2017 e que este ano serviu para tomar medidas no sentido dessa implementação. Vieira da Silva assegura também que o montante disponível para o programa não foi desperdiçado e vai poder ser usado.

  • Sporting de Braga eliminado da Liga Europa
    2:01
  • Explosão no Cairo faz seis mortos

    Mundo

    Seis pessoas morreram hoje numa explosão junto a um posto de controlo da polícia no Cairo, indicaram os meios de comunicação social e responsáveis egípcios.