sicnot

Perfil

País

Campanha nacional combate violência contra as mulheres

O Governo lança hoje uma nova campanha de sensibilização contra a violência contra as mulheres, que arranca em Lisboa e percorre o país, em conjunto com o Ministério Público e organizações não-governamentais.

Em comunicado, o gabinete do Ministro Adjunto dá conta de que a campanha "Comunidade Ativa contra a Violência" serve para assinalar o Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra as Mulheres, a 25 de novembro, e é lançada hoje, às 18:30, num centro comercial da capital.

Esta iniciativa conta com a participação do Ministério Público, além das organizações não-governamentais (ONG) Associação de Mulheres Contra a Violência, a Associação Portuguesa de Apoio à Vítima, a Associação Portuguesa de Mulheres Juristas, a Cruz Vermelha Portuguesa, o Movimento Democrático de Mulheres e a União de Mulheres Alternativa e Resposta.

Depois do arranque da campanha, a iniciativa vai andar por todo o país, com mais 40 ações, 35 entidades promotoras e 178 entidades parceiras, até ao dia 26 de novembro.

O gabinete do Ministro Adjunto lembra que em Portugal a violência doméstica é crime público e que, no ano passado, morreram 29 mulheres, tendo-se registado 26.595 denúncias.

"Na Europa, uma em cada três mulheres é vítima de violência física ou sexual" e, "em todo o mundo, 35% das mulheres são alvo de violência em algum momento das suas vidas, a maioria no contexto das suas relações de intimidade", lê-se no comunicado.

O Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra as Mulheres foi instituído pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 1999, com vista a chamar a atenção da sociedade para as várias formas de violência de que as mulheres são vítimas.

Lusa

  • Relatório pedido pelo Governo PSD-CDS já apontava falhas no SIRESP
    2:26
  • Santana Lopes rejeita responsabilidades nas falhas do SIRESP
    1:21

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Sobre o relatório do SIRESP, António Vitorino diz que há neste momento um passa culpas entre entidades que só vai contribuir para aumentar o receio das populações perante os incêndios. Pedro Santana Lopes, que era primeiro-ministro quando foi assinado o contrato da rede de comunicações, diz que não sente responsabilidades e defende que o importante é perceber o que há de errado com o SIRESP.

  • Chef russo aconselha bife tártaro aos jogadores portugueses
    1:29