sicnot

Perfil

País

Sindicato responsabiliza construtora e ACT pela derrocada em prédio de Lisboa

JO\303\203O RELVAS

O Sindicato dos Trabalhadores da Construção acusou hoje a construtora e a Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT), atribuindo-lhes responsabilidades na derrocada que ocorreu segunda-feira em Lisboa e que causou dois mortos.

Num comunicado assinado pelo presidente, João Maria Ferreira, o Sindicato dos Trabalhadores da Construção, Madeiras, Mármores, Pedreiras, Cerâmica e Afins da Região a Norte do Rio Douro afirma que "as empresas construtoras não tomaram as medidas de prevenção adequadas, caso contrário tudo estaria devidamente escorado e a derrocada não sucederia".

Na sequência do acidente, o sindicado considera ainda que "não existia um Plano Coletivo de Segurança (...)" nem se cumpriram "as regras elementares de segurança estabelecidas na legislação portuguesa".

Aquela estrutura sindical critica ainda a "pretensa indignação e pretensa vergonha manifestada" pelo inspetor-geral da ACT, Pedro Braz, frisando que é obrigação aquela entidade "vigiar e acompanhar as obras de elevado risco como são as obras de remodelação".

O sindicato "não colhe qualquer pretensa desculpa na ausência de fiscalização por parte da ACT, porque devem estar permanentemente avisados sobre estes riscos e não descurar situações que são potenciais focos de acidentes".

"É claro que tem de se pedir responsabilidades ao dono da obra, ao consórcio construtor e às empresas subcontratadas (...) e devem ser tiradas todas as consequências", lê-se no texto.

O sindicato faz ainda saber que fez em janeiro um "pedido de intervenção preventiva" à ACT, com especial atenção para as obras de restauro e reabilitação.

Questionada pela Lusa acerca das conclusões da investigação ao acidente, fonte da ACT disse que "a situação encontra-se a ser objeto de análise com objetivo de evitar que continuem a morrer pessoas a trabalhar, como aconteceu no presente acidente".

O alerta para a derrocada na parte interior da fachada de um prédio que está em obras na Rua Alexandre Herculano (na esquina com a Rua Rodrigo da Fonseca) foi dado pelas 12:00 de segunda-feira.

As duas vítimas são de nacionalidade portuguesa e trabalhavam para o empreiteiro da obra, o Grupo Casais.

Em declarações à agência Lusa, um trabalhador da obra, que não quis ser identificado, disse que estava no primeiro andar quando aconteceu o acidente.

"Foi tudo muito rápido, só tive tempo de ver a poeira e fugir", avançou.

De acordo com o mesmo trabalhador, as obras começaram há dois meses, estando o edifício a ser reabilitado, e não havia suspeitas de que as paredes interiores estivessem em risco.

O prédio localiza-se perto da Avenida da Liberdade e do Marquês de Pombal, no centro da cidade.

Lusa

  • Autarca e duas jornalistas mortas a tiro na Finlândia 

    Mundo

    A presidente da Câmara de Imatra, na Finlândia, e duas jornalistas foram mortas a tiro na noite passada, na pequena cidade do sudeste do país. O incidente aconteceu junto a um restaurante e a polícia chegou ao local pouco depois dos disparos. Um suspeito de 23 anos já foi detido.

  • Avião da Qatar Airways aterra de emergência nas Lajes
    0:47

    País

    Aterrou de emergência nos Açores, esta manhã, um avião da Qatar Airways. A turbulência obrigou à manobra que causou pelo menos 10 feridos nos passageiro do avião que fazia ligação de Washington para Doha, capital do Qatar, e foi desviado para a base aérea das Lajes.

  • Óscar do turismo para empresa que gere património de Sintra
    1:51

    Cultura

    A Parques de Sintra ganhou, pelo quarto ano consecutivo, os World Travel Awards na categoria de "Melhor Empresa de Conservação do Mundo". A empresa portuguesa, que gere monumentos, parques e jardins situados na zona da Paisagem Cultural de Sintra e em Queluz, voltou a ser a única nomeada europeia na categoria, e foi a vencedora entre candidatos de todo o mundo.

  • O novo coala do zoo de Lisboa
    3:10

    País

    A SIC acompanhou em exclusivo a transferência de uma coala da Alemanha para o Zoo de Lisboa. O animal veio de avião e foi batizado pelos passageiros que seguiam a bordo. Ficou com o nome de Goolara. O coala é uma fêmea, com quase dois anos, e veio para aumentar a família da mesma espécie em Portugal.

  • Jovens do exército russo aderem ao Desafio do Manequim
    1:01

    Mundo

    Na Rússia, o grupo de jovens do exército também já aderiu ao famoso Mannequin Challenge. O vídeo foi divulgado pelo Ministério da Defesa russo. O objetivo é mostrar o dia-a-dia do chamado exército de jovens, cuja principal missão passa por sensibilizar os russos para a necessidade de cumprir o serviço militar obrigatório.