sicnot

Perfil

País

Fenprof admite aceitar vinculação extraordinária de docentes faseada

(Lusa/Arquivo)

LUSA

A Fenprof mostrou-se esta quinta-feira disponível para aceitar que a vinculação extraordinária de docentes aos quadros se faça de forma faseada, mas rejeitará qualquer proposta que mantenha os 20 anos de serviço como requisito para a efetividade.

"A Fenprof reafirmou a sua rejeição a qualquer nova proposta que se aproximasse da que já se conhece (20 anos de serviço prestado com habilitação profissional), todavia, no sentido de ser abrangido o maior número possível de professores, a Fenprof reiterou a sua disponibilidade para, se necessário, este regime ser aplicado de forma faseada", refere a federação sindical em comunicado enviado esta quinta-feira.

As duas principais federações sindicais da educação -- Federação Nacional dos Professores (Fenprof) e Federação Nacional de Educação (FNE) -- estiveram hoje reunidas com a equipa do Ministério da Educação (ME), para mais uma ronda negocial relativa à revisão do diploma dos concursos de professores.

A Fenprof assinalou que "foram poucos os avanços verificados" na proposta da tutela, e pediu para que, na ata negocial que vier a ser assinada, fiquem registados aspetos conexos aos concursos, como a dimensão das zonas geográficas a que os professores podem ficar vinculados, a definição do que é trabalho letivo e trabalho não letivo, a criação de novos grupos de recrutamento, entre outros aspetos.

"Nesta ata, se for essa a opção, deverá ficar ainda registado o plano faseado de vinculação extraordinária de docentes sem prejuízo, contudo, de tal regime ser igualmente incluído no texto legalmente fixado", acrescenta o comunicado.

Por seu lado, a FNE "sublinhou a clara distância que separa a nova proposta que foi apresentada para a revisão do regime de concursos e o que têm sido as propostas que sucessivamente tem apresentado para que aquele mecanismo seja marcado por critérios de justiça, equidade e igualdade".

Em comunicado enviado esta quinta-feira, a federação lamenta que a portaria que deverá regulamentar a vinculação extraordinária não tenha tido uma nova formulação, reafirmando que a vinculação deve acontecer como estipulado no regime geral: ao fim de três contratos anuais.

Depois de o ME ter garantido que os professores das regiões autónomas vão poder concorrer aos concursos do território continental em igualdade de circunstâncias com os professores do continente, a FNE pretende agora que também os docentes das escolas portuguesas no estrangeiro concorram também em igualdade de circunstâncias com os colegas.

A FNE reivindica ainda que todos os concursos de professores aconteçam anualmente, o fim dos limites de grupos de recrutamento (que determinam as disciplinas que se leciona) a que um docente pode concorrer, entre outros aspetos.

Lusa

  • O encontro emocionado de Marcelo com a mãe de uma das vítimas dos fogos
    0:30
  • Proteção Civil garante que já não há desaparecidos
    1:40
  • "Depois de sair da autoestrada o vidro do carro ainda estava a ferver"
    2:01
  • "O fogo chegou de repente. Foi um demónio"
    2:15
  • O desabafo de um empresário que perdeu "uma vida inteira de trabalho" no fogo
    2:08
  • O testemunho emocionado de quem perdeu quase tudo
    2:10
  • As comunicações entre operacionais no combate às chamas em Viseu
    2:27
  • Houve "erros defensivos que normalmente a equipa não comete"
    0:38

    Desporto

    No final do jogo, quando questionado sobre a ausência de Casillas no onze do FC Porto, Sérgio Conceição referiu que a equipa apresentada era aquela que lhe oferecia garantias. Quanto ao jogo, o treinador portista reconheceu que a equipa cometeu vários erros defensivos.

  • "Cometemos erros e há que tentar corrigi-los"
    0:41

    Desporto

    No final do jogo em Leipzig, Iván Marcano desvalorizou a ausência de Iker Casillas e entendeu que o facto de o guarda-redes ter ficado no banco não teve impacto na equipa. Já sobre o jogo, o central espanhol garantiu que não correu da forma como os jogadores esperavam.

  • Norte-americana foi à discoteca e tornou-se princesa

    Mundo

    A história de Ariana Austin é quase como um conto de fadas moderno. A jovem vai até ao baile, onde conhece o seu príncipe. Só que a norte-americana foi a uma discoteca e, na altura, não sabia que Joel Makonnen era na verdade um príncipe da Etiópia e que casaria com ele 12 anos depois, tornando-se também ela numa princesa.