sicnot

Perfil

País

Campanha de divulgação do complemento para idosos já motivou 10 mil novos pedidos

© Rafael Marchante / Reuters

A campanha de divulgação do Complemento Solidário para idosos (CSI) já chegou a mais de 100 mil potenciais beneficiários e mais de 10 mil pessoas já entregaram, presencialmente, nos serviços da Segurança Social, o requerimento para este apoio.

Os dados foram divulgados esta sexta-feira pelo Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social (MTSSS), que adiantou que depois de uma campanha de divulgação do CSI nos meios de comunicação social, entre 11 de novembro e 01 de dezembro, esta decorre agora numa estratégia "mais alargada de divulgação" deste complemento, que inclui iniciativas como o envio de cartas a 108.051 potenciais beneficiários deste apoio social.

"Do total dos 32.359 atendimentos presenciais nos serviços de atendimento da Segurança Social de todo o país no mesmo período [11 de novembro a 23 de dezembro], 21.696 referiram-se a pedidos de informação sobre o CSI e 10.663 a entrega de requerimentos para este complemento", adiantou uma nota do MTSSS.

Quanto à linha telefónica criada exclusivamente para atendimentos relacionados com o CSI (300 51 31 31), recebeu, até esta sexta-feira, um total de 5.537 chamadas, "verificando-se um aumento contínuo do número de atendimentos nas primeiras três semanas da campanha".

A linha geral dos serviços da Segurança Social registou "4.479 atendimentos, relacionados com pedidos de esclarecimento sobre o CSI, continuando em funcionamento e disponível para o esclarecimento de todas as dúvidas relacionadas com esta prestação social".

A nota enviada pela tutela refere ainda que a entrada em vigor do Orçamento do Estado para 2017 vai permitir "dar continuidade à ação de divulgação do CSI", uma vez que prevê "a cooperação entre as forças de segurança e os serviços da segurança social no âmbito da proteção da população idosa".

Perto de 161 mil idosos beneficiaram do Complemento Solidário em novembro, o que representou um aumento de 708 pessoas em relação a outubro, mas um decréscimo de mais de 4.500 beneficiários relativamente ao ano passado.

De acordo com os dados mais recentes do Instituto de Segurança Social (ISS), no mês de novembro houve 160.923 beneficiários do Complemento Solidário para Idosos (CSI), o que representa um aumento de 0,44% em relação aos 160.215 idosos que receberam esta prestação social em outubro.

Já comparando com o período homólogo, a tendência é inversa e representa uma diminuição de 4.543 pessoas, já que em novembro de 2015 havia 165.466 idosos a receber o CSI.

Ainda em relação ao mês de novembro, os dados do ISS revelam que, no global, são sobretudo as mulheres que recebem esta prestação, havendo 112.974 idosas contra 47.949 homens.

Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • Morreu Miguel Beleza

    País

    Miguel Beleza, economista e antigo ministro das Finanças, morreu esta quinta-feira de paragem cardio-respiratória aos 67 anos.

  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.