sicnot

Perfil

País

Fenprof diz que devolver dinheiro da inscrição na prova docente é insuficiente

A Fenprof defendeu hoje que a devolução do dinheiro da inscrição da prova de avaliação docente é "um bom começo", mas não resolve os prejuízos causados aos que não puderam concorrer a vagas por terem sido excluídos pelo exame.

"É um bom começo, este de devolver as verbas pagas pelos professores, porém, insuficiente", afirmou a Federação Nacional dos Professores (Fenprof), num comunicado hoje enviado a propósito do anúncio pelo Ministério da Educação (ME) da devolução das verbas pagas pelos docentes na inscrição da Prova de Avaliação de Capacidades e Conhecimentos (PACC), entretanto extinta.

Para a Fenprof, no entanto, fica a faltar dar cumprimento à legislação que determina o ressarcimento dos prejuízos para as carreiras dos docentes pela aplicação da PACC.

"Ora, recorda-se que nos dois anos em que o governo PSD/CDS obrigou os professores a realizarem a prova, dos cerca de 18.000 inscritos, 7.000 foram impedidos de continuar nas listas de candidatura a um contrato, ou mesmo de as integrar. Destes, muitos teriam sido colocados e exercido a atividade para que estavam habilitados, mas dada a ilegal exclusão dos concursos imposta por Nuno Crato, perderam essa possibilidade, sendo prejudicados em remuneração não recebida e tempo de serviço não contado. É o ressarcimento por estes prejuízos que continua a faltar", defendeu a federação sindical.

Os professores que queiram pedir a devolução do valor pago pela PACC, extinta pelo parlamento no mandato do atual governo, podem fazê-lo a partir de hoje via internet, anunciou o ME.

A prova foi criada pela tutela de Nuno Crato com o objetivo de recrutar "os melhores professores para o sistema de ensino", quando aplicada aos docentes contratados com menos de cinco anos de serviço.

Sempre contestada pelas estruturas representativas dos professores, a PACC acabaria por ser extinta no parlamento já no mandato da equipa liderada por Tiago Brandão Rodrigues.

Agora, está disponível uma ferramenta eletrónica destinada aos pedidos de devolução do valor de inscrição pago pelos professores.

O aviso está hoje publicado em Diário da República.

"Os docentes que, comprovadamente, tenham feito o pagamento da inscrição na prova, deverão usar a plataforma disponível no sítio do Instituto de Gestão Financeira da Educação para procederem ao pedido de reembolso", afirma o ministério em comunicado.

O prazo estabelecido para este procedimento é de seis meses.

Lusa

  • A fuga dos PIDES
    1:16

    Perdidos e Achados

    Ao final do dia 29 de Junho de 1975, 89 agentes da PIDE fugiam da cadeia de Vale de Judeus, em Alcoentre. Mais de 40 anos depois, Perdidos e Achados recupera um dos acontecimentos do Verão Quente em Portugal. Hoje no Jornal da Noite e conteúdos exclusivos no site.

    Hoje no Jornal da Noite

  • "O FC Porto não merece ser campeão"
    2:23
    Play-Off

    Play-Off

    DOMINGO 22:00

    O empate do FC Porto com o Feirense foi o principal assunto do Play-Off da SIC Notícias, este domingo. Rodolfo Reis mostrou-se insatisfeito com a atitude dos jogadores do FC Porto.

  • Uma volta a Portugal. De bicicleta mas sem licra

    País

    Um grupo de professores propõe-se a repetir o percurso da 1.ª Volta a Portugal em Bicicleta, 90 anos depois. Não se trata de uma corrida, pelo contrário querem provar que qualquer um o pode fazer e promover o uso da bicicleta como meio de transporte pessoal. “Dar a volta” parte para a estrada esta quarta-feira, de Lisboa a Setúbal, tal como em 26 de abril de 1927.

    Ricardo Rosa

  • Casa Madonna di Fatima em Roma é um lar de idosos com 9 irmãs portuguesas
    4:29

    Mundo

    A mais antiga igreja dedicada à Senhora de Fátima em Roma tem mais de 50 anos. Foi construída pelas franciscanas hospitaleiras do Imaculado Coração, uma congregação fundada em Portugal. Hoje, as religiosas portuguesas gerem um lar na mesma rua, mas o templo foi entregue a uma congregação italiana.

  • Défice recua em 2016 na zona euro e na UE

    Economia

    O défice e a dívida baixaram na zona euro e na União Europeia (UE) em 2016 face a 2015, tendo Portugal registado a terceira maior dívida (130,4%) entre os Estados-membros e um défice de 2%, segundo o Eurostat.