sicnot

Perfil

País

Noite da passagem de ano sem chuva mas fria

© Michael Dalder / Reuters

A noite de passagem de ano deverá ser fria, mas sem chuva, em Portugal continental adiantou à agência Lusa Cristina Simões, meteorologista do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

"Com os dados que temos hoje e a esta distância não se prevê precipitação até dia 31 [sábado], inclusive na passagem para dia 01 [domingo]. Contudo, no dia 01 temos a aproximação de uma superfície frontal que não traz muita atividade, mas pode dar precipitação na tarde de dia 01", adiantou.

De acordo com Cristina Simões, a passagem de ano não terá chuva, mas para o início do ano a tendência é para alguma precipitação.

"Os próximos dias serão de céu pouco nublado ou limpo, apresentando alguma nebulosidade na região sul e haverá neblinas ou nevoeiros matinais em alguns locais das regiões do interior. O vento vai soprar em geral fraco, sendo mais intenso nas terras altas", disse.

No que diz respeito às temperaturas, a meteorologista adiantou que as noites em Portugal continental serão frias e com temperaturas mínimas a variar entre -1 e 07 graus Celsius.

"As máximas vão estar à volta dos 15/16 graus no litoral, sendo que no Algarve devem rondar os 16/17 graus. Nas regiões do interior, a máxima deverá ficar perto dos 10 graus", disse.

  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23

    País

    A Proteção Civil emitiu um alerta para o tempo frio e seco e pede cuidados redobrados. As temperaturas já começaram a descer, com regiões a registarem valores negativos. No interior, podem chegar aos 5 graus negativos. Até ao Natal o tempo vai manter-se frio, seco e com ausência de chuva.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01
  • Marcelo evita "ideia de que o ano foi todo muito bom"
    3:14

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa disse esta sexta-feira que 2017 teve "o melhor e o pior" e que "é preciso evitar a "ideia que o ano foi todo muito bom". O Presidente da República fez estas declarações depois de António Costa ter dito que a nível económico este "foi um ano particularmente saboroso".