sicnot

Perfil

País

Detidos na operação "Punho Cerrado" identificados pelo Tribunal de Leiria

Dez dos 17 detidos na operação "Punho Cerrado", levada a efeito na terça-feira nos distritos de Leiria, Lisboa, Coimbra e Santarém, estavam ao final da tarde desta quarta-feira a ser identificados pelo juiz de instrução do Tribunal de Leiria.

Os dez detidos na sequência do cumprimento de mandados de detenção fora de flagrante delito chegaram ao início da tarde ao Tribunal de Leiria, sob medidas especiais de segurança, depois de passarem a noite em diferentes esquadras do Comando da PSP de Leiria.

Fonte judicial informou que os suspeitos estão a ser identificados pelo juiz de instrução criminal, que lhes vai ler os factos de que estão acusados. "Vai-lhes ser perguntado se querem prestar declarações. Se alguém quiser falar, hoje só uma pessoa deverá ser ouvida", adiantou a mesma fonte judicial.

A inquirição será retomada na quinta-feira de manhã. As medidas de coação serão divulgadas ao final deste dia ou na sexta-feira, caso o interrogatório se prolongue por mais tempo, explicou ainda a fonte judicial.

Durante as diligências efetuadas na operação foram detidas outras sete pessoas, seis por posse de munições e armas brancas e de fogo ilegais e uma por posse de produto estupefaciente. Estes detidos foram libertados depois de prestarem termo de identidade e residência.

Em nota de imprensa, o Comando Distrital da PSP de Leiria adiantou que, na sequência do cumprimento de dez mandados de detenção fora de flagrante delito, da realização de cerca de 50 buscas domiciliárias e de cerca 20 buscas não domiciliárias a empresas e estabelecimentos de restauração e diversão noturna, foram detidas 17 pessoas.

"As detenções foram efetuadas maioritariamente na zona Leiria e Coimbra, sendo dois detidos do sexo feminino e 15 do sexo masculino, com idades compreendidas entre os 20 e os 64 anos", refere ainda a nota de imprensa.

A operação levou também à apreensão de vários objetos, nomeadamente, armas de fogo e munições, soqueiras, bastões extensíveis, produto estupefaciente (haxixe), mais de 28 mil euros em numerário, automóveis, computadores, tablets, uma arma elétrica (taser), e diversa documentação "com importantes elementos de prova".

Na operação policial, que contou com o apoio dos Comandos da PSP de Coimbra, Santarém, Lisboa, Aveiro, Viseu, Guarda, Castelo Branco, Portalegre e Setúbal, estiveram empenhados cerca de 260 elementos policiais, a maioria da estrutura de investigação criminal da PSP, equipas do Grupo de Operações Especiais, equipas do Corpo de Intervenção, binómios do Grupo Operacional Cinotécnico, elementos do Departamento de Segurança Privada e elementos da Secção Digital Forense.

"A PSP acredita que, com estes resultados, contribuiu fortemente para o aumento da segurança das áreas de diversão noturna na região de Leiria", conclui o comunicado.

A operação iniciou-se terça-feira pelas 07:00, dando sequência a uma investigação que decorria há cerca de dois anos, e centrou-se no crime de associação criminosa, em crimes económico-financeiros e no exercício ilegal da atividade de segurança privada, entre outros.

Lusa

  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23

    País

    A Proteção Civil emitiu um alerta para o tempo frio e seco e pede cuidados redobrados. As temperaturas já começaram a descer, com regiões a registarem valores negativos. No interior, podem chegar aos 5 graus negativos. Até ao Natal o tempo vai manter-se frio, seco e com ausência de chuva.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01
  • Marcelo evita "ideia de que o ano foi todo muito bom"
    3:14

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa disse esta sexta-feira que 2017 teve "o melhor e o pior" e que "é preciso evitar a "ideia que o ano foi todo muito bom". O Presidente da República fez estas declarações depois de António Costa ter dito que a nível económico este "foi um ano particularmente saboroso".