sicnot

Perfil

País

Jerónimo avisa que posição conjunta com PS tem "alcance limitado"

M\303\201RIO CRUZ

O secretário-geral do PCP avisou esta quinta-feira que a posição conjunta com o PS tem um "alcance limitado" e que os comunistas têm "toda a liberdade" de iniciativa, exemplificando com a proposta para reposição dos 25 dias de férias.

Em Braga, de visita ao Presépio de Priscos, Jerónimo de Sousa explicou que a alteração nos dias de férias, que o PCP reclama e se prepara para levar à votação na Assembleia da Republica, "de facto" não faz parte da posição conjunta acordada com o PS mas que estas divergências entre PCP, PS e Governo "não abalam" o acordo alcançado com os socialistas que permitiu a atual solução governativa.

O líder comunista avisou ainda que "não espera os reis Magos" no que toca a 2017 e que é preciso "aprofundar e continuar a desenvolver" a "janela de esperança" que o país abriu.

"É importante sublinhar que o entendimento expresso na posição conjunta PS/PCP tem um alcance limitado, é ele que define o grau de convergência, essa posição conjunta, mas nada impede, antes pelo contrário, que a sede legislativa por excelência, que é a Assembleia da Republica, não esteja prisioneira de nenhuma posição comum, de nenhum acordo, antes pelo contrário, o PCP tem toda a liberdade e capacidade de iniciativa de propostas", respondeu Jerónimo de Sousa, questionado sobre as diferentes posições entre PS e PCP quanto ao aumento dos dias de férias.

No entanto, salientou, o facto de ambos os partidos terem posições divergentes "não abala" o acordo entre eles.

"Já várias vezes temos divergido do PS e do Governo do PS. Posso dizer que, no caso do Banif, um caso de maior envergadura, e em coerência com o seu posicionamento, o PCP votou contra. Às vezes esquece-se que o nosso primeiro e principal compromisso é com os trabalhadores e com o povo e não com o PS", lembrou o líder comunista, que realçou, no entanto que o partido está "comprometido com a posição conjunta entre PS e PCP".

Sobre 2017, Jerónimo de Sousa deixou votos de esperança e confiança mas também alertas.

"Não espero pelos reis Magos. O que confio é que este caminho de avanços, mesmo limitados, dessa tal janela de esperança que abriu não se perca, há que aprofundar continuar a desenvolver", referiu.

Lusa

  • Troika nem sempre protegeu os mais vulneráveis, conclui avaliação do FMI

    Economia

    O organismo de avaliação independente do FMI concluiu que as medidas aplicadas pela troika em Portugal nem sempre protegeram as pessoas com menos rendimentos, apontando que a primeira preocupação do Fundo era a redução dos défices, apurou o gabinete independente de avaliação do Fundo Monetário Internacional (FMI),

  • "A maioria das pessoas que criticou André Ventura nunca viveu esses problemas"
    3:43

    Opinião

    A polémica em torno das declarações do candidato do PSD à Câmara de Loures, André Ventura, sobre o modo de vida da etnia cigana no concelho, esteve em análise no Jornal da Noite desta segunda-feira. Miguel Sousa Tavares defende que "os problemas existem mas não podem ser generalizados". O comentador SIC considera, ainda assim, que André Ventura tem razão quando diz que "a maioria das pessoas que o criticou nunca viveu esses problemas".

    Miguel Sousa Tavares