sicnot

Perfil

País

Associação ZERO exige intervenção do PM para travar decisão para Almaraz

A associação ambientalista ZERO defendeu hoje que a autorização de Madrid à construção de um armazém para resíduos nucleares em Almaraz e "um problema político grave" que "só pode ser ultrapassado" pelos primeiros-ministros de Portugal e Espanha.

Em comunicado, a ZERO - Associação Sistema Terrestre Sustentável considera que a decisão é "prepotente e ilegal" e que Espanha incorreu em falta ao "não avaliar os impactes transfronteiriços (...) e ao não coordenar com as autoridades portuguesas o procedimento de avaliação e a consulta pública".

Ainda assim, sustenta, uma queixa junto da Comissão Europeia "arrisca-se a ser inconsequente pelo tempo de análise e decisão das autoridades europeias, que poderão levar meses a anos até se pronunciarem e haver consequências".

Nesse sentido, os ambientalistas da ZERO defendem uma intervenção urgente do chefe do Governo português, António Costa, junto do homólogo espanhol, Mariano Rajoy.

"O futuro da central de Almaraz é um problema político grave" e a decisão unilateral hoje conhecida "um incidente diplomático", o que exige que "o encerramento da instalação seja decidido com a máxima prioridade entre os chefes de Governo de Portugal e Espanha, devendo o primeiro-ministro de Portugal intervir desde já".

O texto argumenta que o armazenamento atualmente disponível permite a exploração da central de Almaraz por mais 10 anos do que o período previsto de vida da central, pelo que a construção de um novo armazém, consideram, "está claramente associada à extensão do período de vida da central para além de 2020, quando, por razões de segurança, a medida mais adequada é o seu fecho imediato".

Tal fecho justifica-se, para a ZERO, com "os riscos ambientais e para a saúde pública do armazém temporário de resíduos radioativos", "mas principalmente o funcionamento de uma central que tem apresentado debilidades crescentes e que está cada vez mais obsoleta", constituindo "um risco crescente para Portugal, quer por contaminação do rio Tejo, quer por contaminação através da atmosfera em caso de acidente.

O Governo espanhol deu luz verde à construção do armazém para resíduos nucleares na central de Almaraz, através de uma resolução da Direção-Geral de Política Energética e Minas do Ministério da Energia.

O Boletim Oficial do Estado (BOE) espanhol divulgado na quarta-feira, que reporta a resolução de 14 de dezembro de 2016 daquela Direção-Geral, "autoriza a execução e montagem da modificação do desenho correspondente ao Armazém Temporário Individualizado da Central Nuclear Almaraz, Unidades I e II".

O processo para a construção do ATI teve início em 18 de novembro de 2015, quando o diretor-geral das Centrais Nucleares de Almaraz-Trillo (CNAT), a solicitou para resolver as necessidades de armazenamento do combustível gasto nos reatores.

A funcionar desde o início da década de 1980, a central está situada junto ao Tejo e faz fronteira com os distritos portugueses de Castelo Branco e Portalegre, sendo Vila Velha de Ródão a primeira povoação portuguesa banhada pelo Tejo depois de o rio entrar em Portugal.

O Governo português reagiu à decisão pela voz do ministro do Ambiente, João Matos Fernandes, que se manifestou surpreendido e considerou haver incumprimento de legalidade e lealdade entre os dois países e adiantou decorrem já contactos diplomáticos.

Lusa

  • A fábrica de caças na base aérea de Monte Real
    3:35
  • Comprar ou arrendar casa?
    8:25
  • Fui contactado por um espectador do “Contas-Poupança” (quartas-feiras, Jornal da Noite, SIC) e leitor do blogue www.contaspoupanca.pt, que foi surpreendido com uma carta do banco a aumentar o spread porque um dos serviços que tinha subscrito tinha sido extinguido. Neste caso específico, a domiciliação de ordenado. Ora, o cliente ficou estupefacto porque não mudou de empresa, não foi despedido nem tinha havido nenhuma alteração no recebimento do ordenado naquela conta.

    Pedro Andersson

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44

    Mundo

    A Ucrânia está a ser seriamente afetada por um novo ataque informático. Algumas empresas de grande dimensão estão a ser prejudicadas, agravando a dimensão global do ataque, o qual não parece ser dirigido a ninguém em concreto. Ontem, nas primeiras horas do ataque, não parava de crescer o número de vítimas.

  • Temer acusado de prejudicar Polícia Federal
    2:36
  • Violência volta às favelas do Rio de Janeiro
    3:21

    Mundo

    As favelas do Rio de Janeiro voltaram aos níveis de violência dos anos 90. A cidade de Deus foi uma das favelas pacificadas que voltou a registar tiroteios diariamente, os moradores falam de situações de trauma e do medo das crianças.

  • Trump interrompe telefonema para elogiar jornalista

    Mundo

    A jornalista irlandesa Caitriona Perry viu-se esta terça-feira envolvida num momento que a própria classificou de "bizarro": um encontro inesperado com Donald Trump, que interrompeu um telefonema com o primeiro-ministro irlandês para... a elogiar.

    SIC

  • Caricaturas de Trump invadem capital do Irão

    Mundo

    O Irão está a organizar um concurso internacional de caricaturas do Presidente norte-americano Donald Trump. Pelas ruas de Teerão já vão surgindo algumas imagens alusivas ao festival que vai realizar-se no próximo mês de julho.

  • Companhia aérea obriga deficiente físico a entrar no avião sem ajuda

    Mundo

    Um homem com uma deficiência física que o obriga a andar numa cadeira de rodas foi obrigado a subir sozinho as escadas de um avião da companhia aérea Vanilla Air. Hideto Kijima deparou-se com a situação quando estava a embarcar da ilha de Amami para Osaka, no Japão, com vários amigos que foram proibidos de o ajudar.

  • De onde vem o dinheiro de Isabel II?

    Mundo

    A rainha Isabel II vai ser aumentada - pelo exercício das suas funções -, em 2018, para 82,2 milhões de libras (93,5 milhões de euros). Este valor é pago pelo Estado britânico. Contudo, esta não é a única fonte de rendimento da rainha de Inglaterra. Isabel II também recebe pelas terras, casas e empresas que tem espalhadas pelo Reino Unido.

  • Cão corre os EUA a entregar águas aos árbitros em jogos de basebol
    0:20