sicnot

Perfil

País

Marcelo faz 1ª mensagem de Ano Novo, há 10 anos Cavaco pedia progresso na economia

Marcelo Rebelo de Sousa fará no domingo o seu primeiro discurso de Ano Novo enquanto Presidente da República, dez anos depois de Cavaco Silva ter exigido progressos na economia, educação e justiça.

A tradicional mensagem de Ano Novo do chefe de Estado, emitida todos os anos depois do jantar de dia 1 de janeiro, é um dos principais discursos institucionais do Presidente da República, habitualmente focada no ano que se inicia.

Em 2007, Cavaco Silva estava em Belém há dez meses e, na sua primeira mensagem de Ano Novo, focou-se nos resultados que deveriam ser apresentados, exigindo "progressos claros" na economia, educação e justiça num ano que classificou como crucial para o futuro do país.

"Os portugueses exigem realizações concretas. E o Presidente da República acompanha-os nessa exigência de resultados. É muito importante que em 2007 se registem progressos claros em, pelo menos, três grandes domínios da nossa vida coletiva: desenvolvimento económico, educação e justiça", afirmou Aníbal Cavaco Silva.

Falando na necessidade de uma recuperação no investimento, na importância do reequilíbrio das contas públicas e da qualidade na educação, o então Presidente da República disse também que o país vivia "um tempo de esperança", embora compreendendo os sentimentos daqueles que se mostravam insatisfeitos.

Numa altura em que se falava ainda de "cooperação estratégica" com o Governo então liderado pelo socialista José Sócrates, Cavaco Silva dizia ser fundamental que existisse "um clima de confiança e estabilidade" que favorecesse o desenvolvimento económico e social e permitisse "a realização de reformas inadiáveis".

Num tom conciliador, Cavaco Silva defendeu a existência de um "salutar relacionamento institucional entre o Governo e os seus interlocutores" e assinalou que procurou "assegurar as condições políticas para que Portugal siga um caminho de futuro, no respeito pelas opções democráticas dos cidadãos", apesar do país precisar "de todos".

Nove anos depois, na última mensagem de Ano Novo e a pouco mais de dois meses de deixar o cargo, Cavaco Silva falava em "tempo de incertezas" e sublinhava a necessidade de defender o modelo político, económico e social que vigorou nas últimas décadas.

"Um Ano Novo é sempre um tempo de incerteza mas também de esperança. Olhamos o futuro sem saber o que este nos trará - a nós, às nossas famílias, ao nosso país. Mas, em simultâneo, encaramos sempre o Ano Novo com um sentimento de esperança, desejando que ele seja melhor e mais próspero, quer no plano pessoal e familiar, quer no plano profissional", disse o entre Presidente da República, que terminou o mandato a 09 de março.

Com elogios ao "país real" que considerou desconhecido e subvalorizado por muitos políticos, o então chefe de Estado deixou ainda um apelo ao combate às desigualdades e à pobreza e uma nota a favor do acolhimento dos imigrantes que querem integrar-se em Portugal.

No final da mensagem, proferida na pré-campanha eleitoral para as presidenciais e com um Governo socialista minoritário suportado por BE, PCP e Verdes no parlamento, Cavaco Silva voltou a falar no "tempo de incerteza" que se vivia, sublinhando a necessidade de "renovar o contrato de confiança entre todos os portugueses".

"Com esperança no futuro, desejo aos Portugueses - a todos os Portugueses - um feliz Ano Novo", concluiu.

Lusa

  • UGT reivindica que salário mínimo ultrapasse os 600€
    0:26

    Economia

    O secretário-geral da UGT reivindica que até 2019 o salário mínimo nacional ultrapasse os 600 euros. Este sábado, num congresso distrital na Guarda, Carlos Silva considerou que o Governo tem condições para ir mais além e voltou a defender que para o próximo ano o patamar mínimo para a negociação deve ser os 585 euros.

  • Militares tentam acabar com guerra entre traficantes na Rocinha, Rio de Janeiro
    3:07

    Mundo

    As últimas horas têm sido de tensão no Rio de Janeiro depois dos tiroteios que começaram desde que uma das principais favelas da cidade foi ocupada por militares na sexta-feira. As forças federais foram acionadas para auxiliarem a polícia, que há vários dias tenta acabar com a guerra entre fações de traficantes de droga.

  • Trump renovou as ameaças à Coreia do Norte
    1:30
  • Franceses em protesto contra reformas de Macron
    1:04
  • Morreu Charles Bradley, uma das lendas do soul

    Cultura

    O cantor Charles Bradley morreu este sábado aos 68 anos. O músico norte-americano foi diagnosticado com cancro no ano passado. A notícia da morte foi confirmada na página oficial do cantor no Facebook.

  • Tony Carreira em Paris com sala cheia
    2:36

    Cultura

    O cantor Tony Carreira actuou ontem em Paris e teve sala cheia a aplaudir os temas que o tornaram conhecido há quase 30 anos. As recentes acusações de plágio não parecem afectar a popularidade do artista, que vai continuar em tournée. A Sic acompanhou o artista neste concerto.