sicnot

Perfil

País

Portugal pede esclarecimentos a Espanha sobre armazém de Almaraz

Portugal manifestou a Espanha a sua surpresa perante a decisão de autorizar o armazém para resíduos nucleares em Almaraz, pediu esclarecimentos e chamou o Encarregado de Negócios da Embaixada de Espanha em Lisboa ao Ministério dos Negócios Estrangeiros.

Ao ser conhecida a publicação da Resolução do Ministério de Energia, Turismo e Agenda Digital de Espanha a avançar aquela decisão, "o Encarregado de Negócios da Embaixada de Espanha em Lisboa foi de imediato chamado ao Ministério dos Negócios Estrangeiros", segundo este ministério.

Também na tarde de quinta-feira o embaixador de Portugal em Madrid efetuou uma diligência junto do Ministério dos Assuntos Exteriores e Cooperação de Espanha, avança hoje o Ministério dos Negócios Estrangeiros, em resposta a questões da agência Lusa.

O Governo espanhol deu luz verde à construção do armazém para resíduos nucleares na central de Almaraz, localizada a cerca de 100 quilómetros da fronteira portuguesa, através de uma resolução da Direção-Geral de Política Energética e Minas do Ministério da Energia.

De acordo com o Boletim Oficial do Estado (BOE), divulgado na quarta-feira, que reporta a resolução de 14 de dezembro de 2016, da Direção-Geral de Política Energética e Minas, "autoriza a execução e montagem da modificação do desenho correspondente ao Armazém Temporário Individualizado da Central Nuclear Almaraz, Unidades I e II".

Nos contactos diplomáticos em Lisboa e em Madrid, "foi manifestada a surpresa do Governo português ante a decisão tomada", refere o Ministério e acrescenta que "foram solicitados esclarecimentos às autoridades espanholas, tendo em conta a carta dirigida pelo senhor ministro do Ambiente à sua homóloga espanhola no início de dezembro".

Nesta carta, o Governo comunicava não terem sido avaliados os impactos transfronteiriços da construção do armazém, conforme previsto pela legislação comunitária sobre a matéria.

Na quinta-feira, o ministro do Ambiente, João Matos Fernandes, transmitia à Lusa a sua surpresa com esta decisão de Espanha.

"Temos três princípios muito claros, o primeiro é o da legalidade e ela não foi cumprida", afirmou, referindo-se à diretiva comunitária a exigir a existência de uma avaliação de impactos ambientais transfronteiriços.

"Não deixaremos em situação alguma de recorrer à Comissão Europeia que é quem tem a responsabilidade máxima pelo cumprimento dessas diretivas para deixar claro que isso não foi cumprido", voltou a referir o ministro do Ambiente.

O governante considera ainda que está em causa um princípio de lealdade na relação entre dois povos vizinhos.

João Matos Fernandes recordou que a 01 de dezembro foi enviada uma carta à ministra espanhola que tutela o Ambiente para a apreciação da informação enviada a Portugal que, "não sendo completa, deixa claro que não foram avaliados os impactos transfronteiriços".

O ministro disponibilizava-se para que uma reunião se realizasse rapidamente, tendo ficada agendada para 12 de janeiro, e solicitava que "não houvesse uma decisão formal sobre a possibilidade de construção do aterro para resíduos nucleares".

A construção de um armazém para resíduos nucleares pode indiciar que a central de Almaraz vai prolongar a sua atividade, apesar dos problemas que tem tido nos últimos tempos.

Esta possibilidade tem levado a vários alertas de organizações ambientalistas portuguesas e espanholas, mas também das populações e de alguns partidos que na Assembleia da República têm questionado o Governo sobre o assunto.

Lusa

  • Novo Banco vai reestruturar dívida de Luís Filipe Vieira
    1:22

    Desporto

    O Novo Banco vai reestruturar parte da dívida da empresa de Luís Filipe Vieira, que ronda os 400 milhões de euros. Parte dos ativos da empresa foram transferidos para um fundo para serem rentabilizados no prazo de cinco anos. Esse fundo está a ser gerido pelo vice-presidente do Benfica.

  • Dono de fábrica que ardeu na Anadia diz que produção não vai ser afetada
    2:04
  • Saco azul do BES pagou a 106 pessoas e 96 avenças ocultas
    2:21

    Economia

    Pelo menos 106 pessoas receberam dinheiro da Espírito Santo Enterprises, a companhia offshore criada nas Ilhas Virgens Britânicas e que terá funcionado como um gigantesco saco azul do Grupo Espírito Santo. O jornal Expresso revelou os primeiros vinte nomes da lista, entre os quais estão Zeinal Bava, antigo CEO da PT, e Manuel Pinho, ex-ministro da economia do Governo de José Sócrates.

  • Tragédia em Vila Nova da Rainha aconteceu há uma semana
    7:18
  • Doze meses de polémicas, ameaças e promessas
    3:52