sicnot

Perfil

País

Ministério Público arquiva inquérito à morte de militar na Base Aérea de Beja

NUNO VEIGA

O Ministério Público arquivou o inquérito que investigava um alegado caso de "bullying" homofóbico (baseado na orientação sexual) sobre um militar que se suicidou no alojamento da Base Aérea de Beja, indicou hoje a Procuradoria-Geral da República (PGR).

"O inquérito foi objeto de despacho de arquivamento", refere a PGR numa resposta escrita enviada à agência Lusa, acrescentando que o mesmo correu termos nos serviços do Ministério Público da Comarca de Beja, com a intervenção da Polícia Judiciária Militar.

O jovem, à data com 23 anos, foi encontrado morto a 05 de março de 2015. Na ocasião, alguns órgãos de comunicação social noticiaram que teria sido vítima de "bullying", por ser homossexual, e alvo de gozo no seio militar, razões que o levaram, alegadamente, a suicidar-se por ter atingido o seu limite nessa noite, durante uma festa do clube de praças, quando a pressão psicológica terá sido levada "ao extremo".

O militar estava colocado na Base Aérea n.º 6, no Montijo, mas foi destacado para a Base Aérea n.º 11, em Beja, para reforçar o efetivo daquela unidade da Força Aérea Portuguesa (FAP), devido à realização de um exercício militar denominado Real Thaw.

O jovem, natural do concelho do Barreiro, encontrava-se ao serviço da FAP desde dezembro de 2012.

Lusa

  • Os números das eleições francesas
    0:50

    Eleições França 2017

    Os resultados definitivos mostram que Emmanuel Macron obteve 24% dos votos, na primeira volta das eleições francesas. Ficou quase três pontos à frente de Marine Le Pen, que conseguiu 21,3%. Os números oficiais, publicados pelo Ministério do Interior, dão ainda conta da taxa de abstenção: 22,2%, um ligeiro aumento face à primeira volta das presidenciais de 2012.

  • Estarão os portugueses a consumir vitamina D em excesso? 
    6:44
  • Investigadores criam nanovacina contra diferentes cancros

    Mundo

    Investigadores da Universidade do Texas, nos Estados Unidos, desenvolveram uma nanovacina (vacina administrada através de partículas microscópicas) contra diferentes cancros, como o da pele, do cólon e do reto, numa experiência com ratos, revela um estudo publicado esta segunda-feira.