sicnot

Perfil

País

Mês de dezembro foi "muito seco" e situação de seca fraca aumentou

© Leonhard Foeger / Reuters

O território do continente registou em dezembro um aumento da área em situação de seca fraca, informou o Instituto Português do Mar e da Atmosfera, adiantando que este mês foi "muito seco" em termos de precipitação.

De acordo com o Boletim Climatológico disponibilizado esta sexta-feira na página do instituto na Internet, no final de dezembro, em relação ao mês de novembro, foi registado um aumento da área em situação de seca fraca, em especial nas regiões do Norte e Centro.

No boletim é indicado que no final de dezembro cerca de 78% do território estava em seca fraca, 18,6% em situação normal e 2,3% em chuva fraca.

O IPMA classifica em nove classes o índice meteorológico de seca, que varia entre "chuva extrema" e "seca extrema".

Segundo o documento, o mês de dezembro de 2016, em Portugal Continental, foi classificado como "normal" em relação à temperatura do ar e "muito seco" no que diz respeito à quantidade de precipitação.

Quanto ao valor médio da temperatura médio da temperatura máxima do ar (15,26 graus Celsius) foi superior ao valor normal, tendo sido o segundo dezembro com o valor mais alto desde 1931.

"O valor médio da temperatura mínima do ar (5,55 graus Celsius) foi inferior ao valor normal. Valores da temperatura mínima inferiores aos deste mês ocorreram em 50% dos anos", é referido.

De acordo com o boletim, a partir do dia 17 de dezembro, os valores médios da temperatura mínima do ar persistiram abaixo do normal até final do mês.

"De destacar o dia 20 de dezembro, que registou valores de temperatura mínima muito baixos em grande parte das regiões do Norte e Centro, na região do Nordeste e também no interior do Alentejo, sendo que em alguns locais do interior do Alentejo os valores foram inferiores a 0 graus Celsius", é sublinhado.

O IPMA realçou também que nos dias 30 e 31, os valores da temperatura mínima do ar também foram muito baixos, em especial na região do Nordeste, onde foram observados os menores valores do mês.

No que diz respeito à precipitação, o instituto realçou que foi registado no total cerca de 46%, o que permitiu classificar o mês de dezembro como muito seco.

Na primeira metade do mês, segundo o documento, o território esteve sob a influência de situações depressionárias complexas e verificou-se a passagem de superfícies frontais. Entre os dias 01 e 05 ocorreu precipitação por vezes forte e acompanhada de trovoadas nas regiões do Centro e Sul.

O IPMA informa também que no período de 13 a 16, devido à aproximação e passagem de um sistema frontal de atividade moderada a forte, ocorreram períodos de precipitação por vezes forte sob a forma de chuva ou aguaceiros pontualmente de granizo a acompanhados de trovoada.

Segundo o instituto, nestes dias, ocorreu queda de neve no interior norte e centro acima dos 800 e 1.200 metros.

Na segunda metade do mês, praticamente não ocorreu precipitação.

O menor valor da temperatura mínima foi registado a 30 de dezembro em Miranda do Douro, distrito de Bragança, (-7 graus Celsius), e a máxima em São Gens, distrito do Porto, no dia 06 (com 23,2 graus).

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.