sicnot

Perfil

País

Segurança de bar de Braga que deixou cliente em estado vegetativo alega defesa

SIC

O alegado "segurança" de um bar de Braga acusado de agressão violenta a um cliente, deixando-o em estado em estado vegetativo, afirmou esta sexta-feira, no início do julgamento, que apenas lhe deu "um estalo" para se defender.

No Tribunal de Braga, o arguido, de 45 anos, alegou ainda que, antes disso, tinha sido agredido, ameaçado e insultado por aquele cliente e pelo grupo que o acompanhava, alegadamente "metaleiros" que iriam assistir a um festival em Barroselas, Viana do Castelo.

O arguido afirmou ainda que nunca exerceu as funções de segurança e que no dia dos factos nem sequer trabalhava no bar em questão, tendo apenas exercido por alguns momentos as funções de porteiro, para "dar uma mão" ao gerente do bar, seu amigo.

Segundo a acusação do Ministério Público (MP), um cliente do Insólito Bar, em Braga, foi agredido, na madrugada de 29 de março de 2015, pelo arguido com um "violento estalo", seguido de dois murros na cara.

Caiu de imediato "desamparado", bateu com a parte de trás da cabeça no chão e ficou inconsciente, a sangrar da cabeça e da boca.

Fruto das lesões, a vítima, que na altura tinha 39 anos, mantém-se, desde então, em estado vegetativo, não falando e sendo alimentado por uma sonda.

Após a agressão, o "segurança" abandonou o local e "fechou-se" no interior do bar.

O MP diz que a agressão surgiu após um desentendimento relacionado com o cartão de consumo da vítima.

Acrescenta que o arguido agiu motivado "por sentimentos de cólera, baseados em motivos fúteis ou insignificantes".

Sublinha ainda que ele nunca deteve cartão profissional que o habilitasse para o exercício de segurança privada.

O arguido está acusado de um crime de ofensa à integridade física qualificada e de um crime de exercício ilícito de segurança privada.

Na primeira audiência do julgamento, o arguido disse que os problemas surgiram quando a vítima queria sair do bar sem ter o respetivo cartão de consumo carimbado.

Alegou que apenas lhe pediu que esperasse pela chegada do gerente do bar, mas que como resposta obteve ameaças, insultos e agressões, nomeadamente por parte de uma mulher que integrava o grupo que acompanhava a vítima.

"Ele (vítima) veio também em direção a mim, senti-me ameaçado e dei-lhe um estalo de mão aberta e ele desfaleceu de imediato à minha frente", contou.

Alegou que o estalo "até nem foi assim com tanta força".

Disse ainda que o grupo teria umas 50 pessoas, que se mostravam "alucinadas".

O gerente do bar também é arguido no processo, estando acusado de um crime de exercício ilícito de segurança privada.

Este arguido disse que os membros do grupo que acompanhava a vítima estavam "muito bêbedos".

Disse ainda que o primeiro arguido já tinha trabalhado no bar mas nunca como segurança, fazendo apenas "portaria", entregando e recebendo os cartões de consumo.

Entretanto, tinha arranjado um novo emprego, como mecânico, mas nunca deixou de frequentar aquele bar, dando "uma ajuda" ao gerente "de vez em quando".

Depois do crime, o bar passou a ter segurança, a cargo de uma empresa da especialidade.

Lusa

  • DIRETO: Portuguesa entre os 14 mortos dos atentados na Catalunha

    Ataque em Barcelona

    Uma das 13 vítimas mortais do atentado de ontem em Barcelona é de Lisboa e há uma outra portuguesa, a sua neta, desaparecida. Esta madrugada em Cambrils, cinco suspeitos foram abatidos e outra pessoa acabou por morrer, num segundo ataque. Há quadro detenções confirmadas, as buscas centram-se num nome: Moussa Oukabir. Siga aqui as últimas informações, ao minuto.

    Em atualização

  • O momento em que os suspeitos foram abatidos em Cambrils
    2:35
  • Driss Oukabir: suspeito do atentado ou vítima de roubo de identidade?
    2:40

    Ataque em Barcelona

    Um dos dois suspeitos, do ataque nas Ramblas, detidos pela polícia foi inicialmente identificado como Driss Oukabir, um homem de 28 anos. Mais tarde, um homem com o mesmo nome apresentou-se numa esquadra em Girona, a mais de 100 quilómetros do local do atropelamento afirmando que lhe tinha sido roubada a identificação. De acordo com alguma imprensa espanhola, poderá ter sido o irmão, Moussa Oukabir, um jovem de 18 anos que vive em Barcelona, como explicou também Nuno Rogeiro, comentador da SIC.

  • "O abandono provoca incêndios desta dimensão"
    0:55

    País

    O antigo vereador da Câmara de Mação José Silva acredita que a desertificação do interior também é, em parte, responsável pelos incêndios. Segundo José Silva, Mação tem cada vez menos habitantes e é por essa razão que os terrenos são deixados ao abandono.

  • Mação perdeu 80% da área florestal
    3:39
  • Ágata candidata-se à Câmara de Castanheira de Pera
    3:42