sicnot

Perfil

País

Segurança de bar de Braga que deixou cliente em estado vegetativo alega defesa

SIC

O alegado "segurança" de um bar de Braga acusado de agressão violenta a um cliente, deixando-o em estado em estado vegetativo, afirmou esta sexta-feira, no início do julgamento, que apenas lhe deu "um estalo" para se defender.

No Tribunal de Braga, o arguido, de 45 anos, alegou ainda que, antes disso, tinha sido agredido, ameaçado e insultado por aquele cliente e pelo grupo que o acompanhava, alegadamente "metaleiros" que iriam assistir a um festival em Barroselas, Viana do Castelo.

O arguido afirmou ainda que nunca exerceu as funções de segurança e que no dia dos factos nem sequer trabalhava no bar em questão, tendo apenas exercido por alguns momentos as funções de porteiro, para "dar uma mão" ao gerente do bar, seu amigo.

Segundo a acusação do Ministério Público (MP), um cliente do Insólito Bar, em Braga, foi agredido, na madrugada de 29 de março de 2015, pelo arguido com um "violento estalo", seguido de dois murros na cara.

Caiu de imediato "desamparado", bateu com a parte de trás da cabeça no chão e ficou inconsciente, a sangrar da cabeça e da boca.

Fruto das lesões, a vítima, que na altura tinha 39 anos, mantém-se, desde então, em estado vegetativo, não falando e sendo alimentado por uma sonda.

Após a agressão, o "segurança" abandonou o local e "fechou-se" no interior do bar.

O MP diz que a agressão surgiu após um desentendimento relacionado com o cartão de consumo da vítima.

Acrescenta que o arguido agiu motivado "por sentimentos de cólera, baseados em motivos fúteis ou insignificantes".

Sublinha ainda que ele nunca deteve cartão profissional que o habilitasse para o exercício de segurança privada.

O arguido está acusado de um crime de ofensa à integridade física qualificada e de um crime de exercício ilícito de segurança privada.

Na primeira audiência do julgamento, o arguido disse que os problemas surgiram quando a vítima queria sair do bar sem ter o respetivo cartão de consumo carimbado.

Alegou que apenas lhe pediu que esperasse pela chegada do gerente do bar, mas que como resposta obteve ameaças, insultos e agressões, nomeadamente por parte de uma mulher que integrava o grupo que acompanhava a vítima.

"Ele (vítima) veio também em direção a mim, senti-me ameaçado e dei-lhe um estalo de mão aberta e ele desfaleceu de imediato à minha frente", contou.

Alegou que o estalo "até nem foi assim com tanta força".

Disse ainda que o grupo teria umas 50 pessoas, que se mostravam "alucinadas".

O gerente do bar também é arguido no processo, estando acusado de um crime de exercício ilícito de segurança privada.

Este arguido disse que os membros do grupo que acompanhava a vítima estavam "muito bêbedos".

Disse ainda que o primeiro arguido já tinha trabalhado no bar mas nunca como segurança, fazendo apenas "portaria", entregando e recebendo os cartões de consumo.

Entretanto, tinha arranjado um novo emprego, como mecânico, mas nunca deixou de frequentar aquele bar, dando "uma ajuda" ao gerente "de vez em quando".

Depois do crime, o bar passou a ter segurança, a cargo de uma empresa da especialidade.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.