sicnot

Perfil

País

Estrada Viva quer maior participação das câmaras no Plano de Segurança Rodoviária

A operação vai decorrer nas vias rodoviárias que cruzam as fronteiras,  nomeadamente em Vilar Formoso, Caia, Castro Marim, Valença, Vila Verde da  Raia e Quintanilha. 

JOSE COELHO

O movimento Estrada Viva considerou esta segunda-feira positivas algumas propostas para o Plano Estratégico Nacional de Segurança Rodoviária para 2020, mas alertou para a necessidade de maior participação das autarquias e da sociedade civil na sua elaboração.

No ano passado, o Governo colocou em consulta pública (terminou no domingo) o Plano Estratégico Nacional de Segurança Rodoviária (PENSE 2020), que tem por objetivo melhorar a rede rodoviária nacional e municipal e reduzir os acidentes.

Outro dos objetivos operacionais assinalados no PENSE 2020 é ter condutores com comportamentos mais seguros.

Em comunicado, a Estrada Viva (Liga de Associações pela Cidadania Rodoviária, Mobilidade Segura e Sustentável), considerou algumas das propostas positivas e saudou que pela primeira vez seja reconhecida a necessidade de acompanhamento interministerial do problema da sinistralidade rodoviária.

No entanto, o movimento diz estar preocupado "com a pouca participação das autarquias e da sociedade civil" na elaboração do PENSE 2020.

De acordo com o movimento, "ficou claro (...) que são os utilizadores vulneráveis e os arruamentos urbanos, da responsabilidade das autarquias, um dos principais fatores para que a sinistralidade em Portugal continue a comparar-se negativamente com a maior parte dos países da União Europeia".

Por isso, a Estrada Viva (EV) considera ser "essencial e urgente" que a estratégia seja assumida pelas autarquias e que estes se comprometam com indicadores município a município.

No entender da EV, é também fundamental que este "tipo de estratégia tenha uma maior participação e, se possível emane, da Assembleia da República, e não seja um documento tecnocrático sem comprometimento político alargado, sendo essencial e urgente ressuscitar a Subcomissão de Segurança Rodoviária".

Segundo o parecer, deve ser criado também um plano financeiro para que algumas propostas sejam implementadas.

O movimento considera ainda que deve ser "encorajado o uso de meios de transportes sustentáveis de forma a aumentar a segurança".

A EV salienta também que deve ser estudada a possibilidade de incentivos fiscais à aquisição de velocípedes e ao seu uso, assim como mais investimentos e subsídios aos transportes públicos como modo de deslocação.

"Em complemento, o Plano deverá estudar formas de desencorajar o uso de veículos mais perigosos, tais como, a introdução de tributação com base na quilometragem em todo o sistema rodoviário e/ou a criação de uma taxa de acesso aos centros urbanos das grandes cidades", é ainda referido.

A Estrada Viva (EV) saudou também a "capacidade de autocrítica do PENSE 2020 admitindo que a estratégia anterior falhou juntando-se assim à irrelevância que tem sido a produção de décadas de boas intenções, sem uma alteração profunda do paradigma de aproximação ao problema da sinistralidade em Portugal".

Lusa

  • "Se Portugal não confia no sistema judicial de Angola não deve fazer negócios com o país"
    18:27

    País

    O julgamento do caso Fizz arrancou esta segunda-feira. Victor Silva, diretor do Jornal de Angola, esteve na Edição da Noite para analisar como estão as relações entre Portugal e Angola, numa altura em que Manuel Vicente viu recusada a transferência do processo para o país angolano. Victor Silva afirmou que a decisão de "separar os processos vai de encontro aos interesses dos dois estados" e vai mais longe ao dizer que se Portugal "não confia no sistema judicial de Angola então não pode fazer negócios com o país".

  • Obras no Estádio do Estoril já começaram

    Desporto

    A Câmara de Cascais emitiu esta segunda-feira um comunicado a informar que já começaram os trabalhos no Estádio do Estoril e que, segundo a autarquia, seguem as recomendações do Laboratório Nacional de Engenharia Civil.

  • Centeno promete avançar com reformas para a zona euro
    1:45

    Economia

    Mário Centeno liderou esta segunda-feira a primeira reunião do Eurogrupo. O ministro das Finanças português prometeu pôr mãos à obra para reformar a zona euro e, sem se comprometer com datas, deixou a porta entreaberta à entrada da Bulgária na zona euro.

  • Será este o "momento mais Ronaldo" de sempre?

    Desporto

    Cristiano Ronaldo é protagonista de mais um momento que corre nas redes sociais. Depois de marcar o sexto golo do Real Madrid frente ao Desportivo da Corunha, o jogador português ficou ferido no rosto e foi obrigado a abandonar o campo. Mas antes, mesmo com a cara ensanguentada, pediu um telemóvel com "espelho" para ver a extensão do corte. Há quem brinque com a situação, dizendo que Ronaldo levou a sua obsessão com a sua imagem a um novo nível, mas há também quem desvalorize a situação.

    SIC

  • O jogador de futebol que se tornou Presidente de um país

    Mundo

    George Weah tomou posse esta segunda-feira como Presidente da Libéria. Foi a segunda vez que o antigo futebolista concorreu ao cargo, depois de em 2005 ser derrotado pela candidata Ellen Johnson-Sirleaf. Foi o primeiro e único futebolista africano a receber uma Bola de Ouro. A história de George Weah também passou por Portugal, onde ficou conhecido pela agressão ao ex-jogador do FC Porto, Jorge Costa, em 1996.

    Ana Rute Carvalho

  • Decifrado pergaminho encontrado há 50 anos

    Mundo

    Investigadores israelitas reconstituíram e decifraram um dos dois manuscritos de pergaminhos do Mar Morto que nunca tinham sido interpretados desde que foram descobertos há meio século, anunciou a universidade israelita de Haifa.

  • Refeição de 1.100 euros em Veneza

    Mundo

    O centro de Veneza oferece os mais variados restaurantes. Com menu obrigatório, sem menu, com taxas, sem taxas, sentando ou em pé. Depois há aqueles restaurantes que cobram 1.100 euros por cinco pratos acompanhados por água. O caso aconteceu com quatro turistas japoneses, que depois de pagarem a conta, apresentaram queixa às autoridades. O presidente da Câmara da cidade italiana já disse que ia investigar a situação e, caso se confirmasse, prometeu que iria castigar os responsáveis.

    SIC