sicnot

Perfil

País

FNE marca greve de trabalhadores não docentes para 3 de fevereiro

A Federação Nacional da Educação decidiu marcar greve de trabalhadores não docentes para 3 de fevereiro, por todas as propostas que apresentou ao Ministério da Educação para este setor terem caído "em saco roto", foi esta quinta-feira anunciado.

A FNE junta-se assim à paralisação já anunciada pela Federação Nacional dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais (FNSTFPS) e pela Federação dos Sindicatos da Administração Pública (FESAP) para exigir a reposição de carreiras especiais para os funcionários das escolas, bem como o descongelamento das progressões e níveis remuneratórios.

Os sindicatos reclamam também mais funcionários para as escolas, criticando a colocação de tarefeiros pagos à hora por um valor "ridículo".

A greve visa "alertar o governo contra a precariedade, a falta de valorização destes trabalhadores", disse em conferência de imprensa realizada em Lisboa o secretário-geral da FNE, João Dias da Silva.

Os trabalhadores pretendem, assim, dizer ao governo que "não aceitam a ausência de respostas" relativamente às propostas que os sindicatos apresentaram.

A FNE enviou uma queixa ao Provedor de Justiça e lançou esta sexta-feira uma petição, que está disponível em papel e na sua página eletrónica, no sentido de levar a Assembleia da República a aprovar recomendações ao governo para a valorização do trabalho desempenhado por estes profissionais e o restabelecimento das carreiras especiais.

Durante a conferência de imprensa, o dirigente da FNE explicou que os funcionários das escolas foram integrados nas carreiras gerais da Administração Pública por legislação de 2012.

"O trabalho desenvolvido por estes trabalhadores exige formação específica. Este esforço não deve ser desbaratado", afirmou João Dias da Silva.

A FESAP anunciou na quarta-feira a intenção de emitir um pré-aviso de greve para pressionar o governo a resolver as situações de precariedade e a descongelar as carreiras dos trabalhadores não docentes.

No início do mês, a FNSTFPS anunciou a greve nas escolas e jardins-de-infância, em protesto contra a precariedade laboral e para exigir respeito pelos direitos dos trabalhadores.

Lusa

  • O encontro emocionado de Marcelo com a mãe de uma das vítimas dos fogos
    0:30
  • Proteção Civil garante que já não há desaparecidos
    1:40
  • "Depois de sair da autoestrada o vidro do carro ainda estava a ferver"
    2:01
  • "O fogo chegou de repente. Foi um demónio"
    2:15
  • O desabafo de um empresário que perdeu "uma vida inteira de trabalho" no fogo
    2:08
  • O testemunho emocionado de quem perdeu quase tudo
    2:10
  • As comunicações entre operacionais no combate às chamas em Viseu
    2:27
  • Houve "erros defensivos que normalmente a equipa não comete"
    0:38

    Desporto

    No final do jogo, quando questionado sobre a ausência de Casillas no onze do FC Porto, Sérgio Conceição referiu que a equipa apresentada era aquela que lhe oferecia garantias. Quanto ao jogo, o treinador portista reconheceu que a equipa cometeu vários erros defensivos.

  • "Cometemos erros e há que tentar corrigi-los"
    0:41

    Desporto

    No final do jogo em Leipzig, Iván Marcano desvalorizou a ausência de Iker Casillas e entendeu que o facto de o guarda-redes ter ficado no banco não teve impacto na equipa. Já sobre o jogo, o central espanhol garantiu que não correu da forma como os jogadores esperavam.

  • Norte-americana foi à discoteca e tornou-se princesa

    Mundo

    A história de Ariana Austin é quase como um conto de fadas moderno. A jovem vai até ao baile, onde conhece o seu príncipe. Só que a norte-americana foi a uma discoteca e, na altura, não sabia que Joel Makonnen era na verdade um príncipe da Etiópia e que casaria com ele 12 anos depois, tornando-se também ela numa princesa.