sicnot

Perfil

País

Mais de 14 mil assinaturas em petição contra a eutanásia

(Arquivo)

© Philippe Wojazer / Reuters

A Federação Portuguesa Pela Vida anunciou esta quinta-feira que recolheu mais de 14 mil assinaturas da petição "Toda a Vida Tem Dignidade", que apela à rejeição do "direito a dispor ou apoiar a eliminação de vidas humanas".

Num comunicado, em que se congratula pelo número de assinaturas recolhidas, "acima do triplo das necessárias para a sua discussão em plenário", a Federação Portuguesa Pela Vida sublinha "a grande adesão do povo português à defesa da vida humana".

No texto que acompanha a petição lê-se que "a eutanásia é sempre um homicídio apoiado pelo Estado (pretensamente através de algum profissional de saúde) ou um suicídio assistido pelo Estado".

Ao Estado "não cabe criar o direito de alguém ser morto por outrem, nem validar esta opção como legítima perante o coletivo", prossegue o texto.

Os autores da petição querem que a Assembleia da República "legisle no sentido de reforçar e proteger o valor objetivo da vida humana, garantindo (...) a sua inviolabilidade, independentemente das circunstâncias em que se encontre".

Pretendem ainda que o Parlamento "rejeite toda e qualquer proposta que vá no sentido de conferir ao Estado o direito a dispor ou apoiar a eliminação de Vidas Humanas, ainda que com o alegado consentimento da pessoa".

Lusa

  • PSD começa a debater eutanásia e recusa acordos "à socapa"
    1:57

    País

    Marco António Costa diz que é curioso que o Governo tenha escolhido o ex-ministro da Saúde de Passos Coelho para "tratar da saúde" da Caixa Geral de Depósitos. O vice-presidente do PSD criticou quem, na atual maioria, tem apontado o dedo tanto a Paulo Macedo como, no passado, a Nuno Crato.

  • António Costa evita perguntas sobre estágios não remunerados
    1:55
  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14