sicnot

Perfil

País

Cheia de janeiro de 2016 em Coimbra deveu-se a gestão de barragem

As cheias no Mondego, em Coimbra, a 11 janeiro de 2016, resultaram essencialmente da gestão da barragem da Aguieira, concluiu o relatório da Ordem dos Engenheiros (OE), que foi esta terça-feira apresentado naquela cidade.

Se as normas de operação do sistema de barragens da Aguieira-Raiva do rio Mondego (cuja exploração para a produção de energia elétrica está concessionada à EDP - Eletricidade de Portugal) "tivessem sido aplicadas, ainda que só a partir do dia 09 de janeiro", o caudal de água "afluente a Coimbra teria um valor significativamente inferior", constata a OE.

"Mesmo considerando os níveis verificados na albufeira da barragem da Aguieira durante o evento de cheia, conclui-se que a cheia ocorrida em janeiro de 2016 poderia ter sido evitada/minimizada, caso tivesse sido adotado outro esquema operativo do sistema", sublinha o estudo, elaborado por especialistas da OE, em colaboração com técnicos das universidades de Coimbra e do Minho. Verificando-se o "caudal médio afluente superior a 100 metros cúbicos por segundo, dever-se-ia ter garantido o nível da água na albufeira da Aguieira à cota de 117 no início do evento de cheia, situação que não se verificou", refere o documento. "Conclui-se, assim, que as normas de exploração da albufeira da barragem da Aguieira não foram cumpridas", acrescenta.

O documento foi divulgado pelo presidente do conselho diretivo da região Centro da OE, Silva Afonso, durante uma sessão, hoje à tarde, na Câmara de Coimbra, com a presença do secretário de Estado do Ambiente, Carlos Martins. As inundações de janeiro do ano passado, que foram objeto deste estudo, e do mês seguinte (sobre as quais não foi encomendada qualquer análise) provocaram cerca de dois milhões de euros de prejuízo em património municipal de Coimbra, de acordo com as estimativas então adiantadas pela Câmara Municipal, além de cerca de meio milhões de euros no Mosteiro de Santa Clara-a-Velha, e de prejuízos não calculados em património privado.

Perante o sucedido, a OE considera "um imperativo" respeitar "rigorosamente" as normas de operação do sistema Aguieira-Raiva.Além disso, as normas de exploração deverão "beneficiar das capacidades tecnológicas de previsão meteorológica disponíveis na atualidade, permitindo, deste modo, a adoção de medidas operacionais mais adequadas ao controlo de eventos extremos". Para uma gestão mais eficaz, é de "primordial importância a elaboração de um documento onde estejam sistematizados os procedimentos de exploração em situação de cheias para o rio Mondego e inequivocamente estabelecidas as respetivas entidades responsáveis", acrescenta o relatório. "Este trabalho não é para identificar culpados", nem dele é possível "tirar essa ilação, tantos são as variáveis que estão em cima da mesa", disse, por seu lado, o secretário de Estado Carlos Martins, questionado pelos jornalistas, à margem da sessão.

No seu entender, o que é preciso evidenciar nas conclusões do relatório da OE é a maneira como tem de se lidar com estes assuntos no futuro e encontrar soluções para que este tipo de ocorrências não volte a acontecer. "É nisso que estamos empenhados", acrescentou o secretário de Estado, sustentando que é necessário estar focado em "minimizar os efeitos das cheias, não em encontrar culpados".

O responsável sublinhou que tanto a Agência Portuguesa do Ambiente como a EDP procurarão desenvolver um trabalho conjunto para "arranjar soluções" para enfrentar este tipo de situações. O município de Coimbra "continuará a reclamar ressarcimento" dos prejuízos de cerca de dois milhões de euros, "mas o melhor ressarcimento é que todas as entidades que se relacionam com o Mondego se responsabilizem para que isto não volte a acontecer" ou não atinjam a dimensão registada em janeiro do ano passado, declarou.

Lusa

  • O melhor golo do 5.º dia de Mundial

    Desporto

    Numa escolha feita pelos jornalistas de desporto e do site da SIC Notícias, mostramos-lhe o melhor golo deste quinto dia de Mundial. Foi apontado por Dries Mertens, na vitória da Bélgica sobre o Panamá por 3-0.

  • Rui Patrício confirmado no Wolverhampton

    Desporto

    O Wolverhampton anunciou esta segunda-feira a contratação do guarda-redes Rui Patrício, depois da rescisão com o Sporting. O guarda-redes da seleção nacional assinou contrato com o clube inglês por quatro épocas.

    SIC

  • Novo treinador do Sporting diz que mulheres não estão preparadas para falar de futebol
    1:23
  • Salto de Cristiano Ronaldo inspira dança afro-beat

    Desporto

    Uma música humorística afro-beat, publicada nas redes sociais e inspirada nos saltos de Cristiano Ronaldo quando marca golos, está a ser replicada na internet com dezenas de coreografias filmadas, muitas das quais em França.

  • Ronaldo no País dos Sovietes: As religiões praticadas na Rússia
    1:55
  • "Estamos a plantar fósforos"
    2:09

    Opinião

    O calor regressou esta segunda-feira em força e no terreno estiveram quase 1300 bombeiros a combater 70 fogos por todo o país. Depois da tragédia de Pedrógão Grande, o Presidente da República diz que a consciência do país mudou mas é preciso fazer mais. Já Miguel Sousa Tavares diz que o país está mais preparado para combater os incêndios do que alguma vez esteve. No entanto, o comentador da SIC diz que já foram plantados mais de "2500 hectares de eucaliptos" desde Pedrógão e que enquanto isso acontecer Portugal vai continuar a arder. 

    Miguel Sousa Tavares

  • Merkel tem duas semanas para negociar solução para crise migratória

    Mundo

    A chanceler alemã tem duas semanas para negociar com os parceiros europeus uma solução para a questão migratória e assim evitar uma crise política. O ultimato foi dado pelo CSU, o partido da Baviera que integra a coligação governamental. Ao contrário de Angela Merkel, defende uma política para os refugiados mais estrita.

  • Pai de Meghan Markle lamenta ser "nota de rodapé" no casamento real
    2:03
  • Quando as crianças fazem das suas... os pais é que pagam

    Mundo

    Quando as crianças fazem das suas, restam os pais para as castigar ou, em alguns casos, para sofrer as consequências desses atos. Quem o pode dizer é um casal norte-americano, que recebeu uma fatura de 132 mil dólares (cerca de 114 mil euros), depois de o filho ter derrubado uma estátua num centro comunitário.

    SIC