sicnot

Perfil

País

Petição pela defesa da Força Aérea a combater fogos florestais vai a plenário

© Jean Amet / Reuters

Uma petição que defende que a Força Aérea Portuguesa volte a combater os incêndios nas florestas portuguesas vai ser apreciada no plenário da Assembleia da República, depois desta terça-feira ter sido aprovada, por unanimidade, em comissão parlamentar.

Segundo avançou à Lusa o presidente da Comissão de Agricultura e Mar, Joaquim Barreto, a petição relacionada com os meios aéreos militares e o combate aos fogos florestais "foi remetida aos grupos parlamentares para eventual apresentação legislativa e apreciação em plenário".

A petição em questão, que conta com mais de 32.000 assinaturas, foi criada há quatro anos por Jorge Pereira, e no texto é pedida a reatribuição à Força Aérea, das competências e dos meios, para o combate aos incêndios florestais, conforme acontecia nos anos 90.

"Não é nada do outro mundo, pois as Forças Aéreas de Espanha, Grécia, Croácia e até mesmo de Marrocos estão envolvidas diretamente no combate aos incêndios há décadas também com os famosos Canadair/Bombardier CL-215, CL-215T e CL-415 que os Governos Portugueses desde 1974 nunca ousaram comprar para a nossa FAP", pode ler-se no texto da petição.

Lusa

  • A fuga dos PIDES
    20:08
  • Dominado incêncio no centro de tratamento de resíduos da Tratolixo
    1:55

    País

    O fogo na Tratolixo, em Trajouce, deflagrou esta segunda-feira à noite. As chamas foram controladas a meio da manhã pelos bombeiros. No local estão 133 operacionais, apoiados por 51 veículos. O fogo não fez vítimas nem danos materiais. O vento dificultou o combate às chamas.

  • Duas execuções no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.