sicnot

Perfil

País

Ministra da Administração Interna vai ao Parlamento explicar fugas do aeroporto de Lisboa

A ministra da Administração Interna vai ser ouvida no Parlamento para explicar as fugas de cidadãos argelinos do aeroporto de Lisboa e quais as medidas de segurança, na sequência de um requerimento do CDS/PP aprovado esta quarta-feira.

A audição de Constança Urbano de Sousa foi aprovada na Comissão Parlamentar de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias.

O deputado do CDS/PP Telmo Correio disse à agência Lusa que o requerimento do partido foi aprovado com a abstenção do PS e votos favoráveis dos restantes partidos.

Telmo Correia adiantou que o pedido de audição da ministra da Administração Interna foi feito "com a máxima urgência" e surge após a fuga, na passada quinta-feira, de mais dois cidadãos argelinos do aeroporto de Lisboa.

Esta foi a quarta vez, desde julho de 2016, que cidadãos estrangeiros tentam fugiram do aeroporto de Lisboa.

Para o CDS/PP, "não é normal" haver tantos incidentes no aeroporto de Lisboa com fugas de cidadãos estrangeiros, sendo uma matéria de segurança nacional que exige resposta urgente" do Governo.

O CDS/PP pretende "retomar a conversa" no ponto onde parou, quando a governante frisou, sobre casos anteriores, que "a segurança estava reforçada e o problema estava resolvido".

O partido quer saber quais as medidas aplicadas para reforço da segurança no aeroporto de Lisboa.

Os dois argelinos que fugiram na quinta-feira do aeroporto de Lisboa foram detidos no dia seguinte pela PSP na estação do Oriente, em Lisboa, e vão ser julgados em processo sumário a 27 de janeiro, por atentado à segurança de transporte e introdução em lugar vedado ao público.

O Ministério da Administração Interna considerou que se trata de mais um caso de tentativa de imigração ilegal.

Em outubro de 2016, o SEF e a PSP impediram a fuga de três passageiros chegados ao aeroporto de Lisboa num voo proveniente de Marrocos, numa ação que levou à detenção de seis cidadãos do norte de África que viajavam num voo oriundo de Casablanca, em Marrocos, com destino a Argel, capital da Argélia, com escala em Lisboa.

Em setembro, um cidadão de nacionalidade argelina, que fazia a viagem entre a Argélia e Casablanca, saiu ilegalmente do aeroporto de Lisboa.

No final de julho, quatro homens foram detidos pela PSP no aeroporto de Lisboa por violação das regras de segurança, ao terem tentado fugir ao controlo de passaportes e "numa zona restrita", mais concretamente na pista de aterragem.

Lusa

  • Costa desvaloriza ameaça e mantém planos de visita a Angola
    2:27

    Economia

    O governo angolano reagiu duramente à acusação do Ministério público portugues contra o vice-presidente de Angola. Luanda diz que a acusação é um sério ataque à República de Angola que pode perturbar as relações entre os dois paises. António Costa desvaloriza a ameaça e mantém os planos de uma visita a Angola na primavera.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Brasil já tirou o "pé do chão"
    1:59

    Mundo

    Já começaram os desfiles e festas de carnaval, no Rio de Janeiro.Esta sexta feira foi o início oficial das celebrações com centenas de milhar de pessoas nas ruas até de madrugada.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato. 

  • Atores de Hollywood contra Trump
    1:44

    Mundo

    Centenas de pessoas juntaram-se em mais um protesto contra o presidente dos Estados Unidos. A manifestação, em Beverly Hills, juntou várias estrelas de Hollywood.