sicnot

Perfil

País

Ajudas à Madeira "nunca serão totalmente suficientes"

O ministro da Economia admitiu esta terça-feira que as ajudas a atribuir à Madeira na sequência dos incêndios de agosto de 2016 "nunca serão totalmente suficientes, mas um apoio", recordando que logo na altura foram mobilizados "apoios de emergência".

Questionado pelos jornalistas relativamente à proposta esta terça-feira formalmente apresentada pela Comissão Europeia de um auxílio de cerca de quatro milhões de euros à Madeira, provenientes do Fundo de Solidariedade da União Europeia, Manuel Caldeira Cabral disse não conhecer ainda "qual a fundamentação, nem a que se referem esses apoios", mas admitiu que "os valores das ajudas nunca serão totalmente suficientes".

"Não posso comentar mais porque não vi ainda qual é a fundamentação nem a que é que se referem esses apoios, mas saliento que houve logo apoios de emergência - nomeadamente do Turismo de Portugal, mas também ao nível do apoio ao comércio - que foram avançados anteriormente", afirmou o governante à margem de uma conferência sobre o Orçamento do Estado para 2017, no Porto.

Salientando que Portugal terá ainda "que analisar esses números e ver em que medida é que eles são suficientes para fazer face a todas as questões e problemas que se levantam", o ministro reconheceu que o ideal seria sempre "que esses apoios fossem mais generosos e mais amplos para poder fazer face a todos os prejuízos que ocorreram, que são claramente superiores a esse montante".

A Comissão Europeia propôs esta terça-feira formalmente um auxílio de cerca de quatro milhões de euros à Madeira, provenientes do Fundo de Solidariedade da União Europeia, para ajudar a fazer face aos prejuízos causados pelos incêndios de agosto de 2016.

O pacote de assistência financeira proposto esta terça-feira pelo executivo comunitário aguarda agora a aprovação do Parlamento Europeu e do Conselho (Estados-membros), tendo Bruxelas já adiantado no ano passado 10% do montante da ajuda agora formalmente proposta.

A 10 de novembro de 2016, a Comissão Europeia já desembolsou 392.500 euros como adiantamento da ajuda do Fundo de Solidariedade da União Europeia à Madeira, explicando que o montante havia sido calculado com base na avaliação preliminar do pedido formal de assistência que recebeu das autoridades portuguesas a 21 de setembro.

Estimava-se que o total de auxílios ascenderia a 3,925 milhões de euros, pelo que se antecipou 10%.A Comissão explicou na ocasião que, assim que tivesse concluído a apreciação do pedido de ajuda formulado por Portugal na sequência dos incêndios de agosto passado na Madeira, proporia o montante definitivo de ajuda, o que aconteceu então est terça-feira.

Os incêndios da segunda semana de agosto causaram três mortos, um ferido grave, destruição parcial ou total de 300 habitações, dezenas de desalojados e prejuízos avaliados em 157 milhões de euros.

Lusa

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.