sicnot

Perfil

País

GNR suspeito de corrupção e lenocínio em Vila Real fica em prisão preventiva

O Tribunal de Vila Real decretou esta terça-feira a prisão preventiva para os três homens, entre os quais um militar da GNR, que são suspeitos da prática dos crimes de lenocínio e corrupção.

A Judiciária, através da Unidade Local de Investigação Criminal de Vila Real, desencadeou uma operação policial em várias localidades do norte do Pais, no âmbito da qual foram detidos três homens suspeitos da autoria dos crimes de lenocínio e corrupção.

A PJ explicou, em comunicado, que os suspeitos desenvolviam a sua atividade há vários anos num estabelecimento noturno, situado em Vila Real, "onde fomentavam a prática de prostituição por mulheres de várias nacionalidades, auferindo elevadas vantagens patrimoniais". Fonte do tribunal referiu que, ao primeiro sargento da GNR, de 41 anos e que trabalhava no posto de Vila Real, foi aplicada a medida de prisão preventiva, que, depois de verificadas as respetivas condições técnicas, passará para prisão domiciliária com pulseira eletrónica.

O militar fica também proibido de contactar com os outros dois arguidos e ainda testemunhas no processo.Sobre este sargento recaem suspeitas dos crimes de corrupção passiva, detenção de arma proibida, lenocínio, auxílio à imigração ilegal e violação do segredo de justiça.

Os outros dois arguidos, dois irmãos responsáveis pelo estabelecimento noturno, vão ficar a aguardar julgamento em prisão preventiva e são suspeitos dos crimes de lenocínio, auxilio à imigração ilegal e corrupção ativa.

A um deles, foram ainda imputados os crimes de sequestro, detenção de arma proibida e jogo. O tribunal justificou estas medidas de coação com a existência do perigo de fuga, de continuação da atividade criminosa e de perturbação do decurso do processo.

No caso do militar da GNR, acrescentou ainda o forte alarme social.As detenções ocorreram na segunda-feira à noite, culminando uma investigação que decorreu durante cerca de dois anos.Nesta investigação, a Polícia Judiciária contou com a colaboração da GNR.

Lusa

  • Militar da GNR detido por suspeitas de lenocínio
    0:45

    País

    A Polícia Judiciária de Vila Real deteve três homens, incluindo um militar da GNR. É suspeito de passar informações sobre operações de fiscalização numa casa de alterne a troco de dinheiro. Os detidos com idades entre os 30 e os 40 anos vão ser presentes durante a tarde no tribunal de Vila Real.

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.