sicnot

Perfil

País

Arquitetos portuenses querem salvar barracas do Mercado do Bolhão

Preservar os pavilhões interiores do Bolhão, no Porto, é o objetivo de uma petição a correr desde 2015 pela mão dos arquitetos "OldPortugueseStuff" que querem agora reavivar o debate sobre o projeto "muito transformador" de requalificação do mercado.

"Achamos que é importante atiçar o debate em relação à reabilitação do Porto e em relação a este tipo de coisas. Ao demolir-se o interior do mercado do Bolhão, estamos a perder um património enorme. É a alma do Bolhão", defende Alexandre Gamelas, um dos arquitetos da dupla "OldPortugueseStuff" hoje convidada pela associação Campo Aberto para um debate sobre o mercado.

Foi em 2015, depois da apresentação em abril do projeto de requalificação do Mercado do Bolhão, que Alexandre Gamelas e Catarina Santos criaram uma petição para "Salvar os pavilhões do Mercado do Bolhão" que até ao dia de hoje reuniu 1.700 assinaturas."Baseados nos aspetos do projeto que foram levados a público, receamos que haja um elemento esquecido no processo: as chamadas 'barracas do Bolhão'", pode ler-se na petição 'online' ainda disponível e onde se defende que "o projecto contemple a recuperação integral das construções existentes, o que inclui devolver-lhes os telhados em ardósia, pintar e reparar as caixilharias existentes e todos os elementos de carpintaria e serralharia, actualizando as infraestruturas interiores".

Para os arquitetos, mais do que aumentar o número de assinaturas da petição, o importante é "chamar a atenção" e "se possível reverter este projeto" que inclui a demolição daquele que é um "elemento diferenciador", explica Catarina Santos. "Todos aqueles elementos que agora são conhecidos, que são os pavilhões, vão ser todos demolidos. Vai se perder um pouco a alma do Bolhão e é por isso que lançamos esta petição, achamos que é importante dar a conhecer e as pessoas têm uma palavra a dizer", assinala.

Sobre a petição, conta, a opinião dos comerciantes tem sido muito positiva "porque as pessoas realmente consideram que as barracas devem ser mantidas" tal como "deve ser mantida a tradição e o interior do mercado do Bolhão".Quanto à população em geral, lamenta o "desconhecimento do que vai acontecer" dentro do mercado, razão pela qual importa levar o debate à cidade, começando por uma tertúlia sobre os pavilhões hoje organizada pela associação Campo Aberto e pela Associação Cultural em Estudos Regionais.

"Cada um de nós poderá ter a sua própria posição como cidadão individual. A associação em si não tem, mas à partida tudo o que valorizar o mercado e lhe trouxer maior dignidade, maior prestígio, maior pergaminho da antiguidade, embora renovado, para nós é positivo", afirmou José Marques, da Campo Aberto.

A associação, explicou, pretende perceber quais as motivações que levaram a esta petição, sublinhando que a instituição não tem uma "posição nem a favor nem contra" a não ser o interesse em "debater e esclarecer" o tema para que posteriormente cada um possa formar a sua "opinião própria".Já para o representante da Associação Cultural em Estudos Regionais (ACER), Antero Leite, o atual projeto delineado para o Mercado do Bolhão "peca por ter pouco debate na cidade" e frisa a necessidade de um "melhor esclarecimento sobre uma questão que tem muito interesse para a cidade do Porto e para todos aqueles que conhecem o Bolhão há muitos anos"."O património não é imutável desde que se mantenha a identidade daquilo que se pretende defender", afirma Antero Leite, acrescentando que não concorda com algumas "opções que desfiguram determinados edifícios, sobretudo a parte interior para aproveitamentos de habitação turística".

Lusa

  • Requalificação do Mercado do Bolhão já começou
    2:13

    País

    As obras de requalificação do Mercado do Bolhão no Porto já começaram, depois de terem sido prometidas há mais de 20 anos. Os comerciantes só vão ser transferidos em 2017. Contudo, já contestam a solução encontrada pela autarquia para instalar o mercado temporário enquanto durarem os trabalhos.

  • Sessão solene no Parlamento e desfile popular nas celebrações do 25 de Abril

    País

    Os 43 anos da Revolução dos Cravos são hoje comemorados com a sessão solene no Parlamento e o tradicional desfile popular, tendo o Presidente da República escolhido o 25 de Abril para condecorar, a título póstumo, Francisco Sá Carneiro. A SIC Notícias acompanha esta manhã a sessão solene na Assembleia da República. Veja aqui em direto.

  • Desconhecem-se as causas do incêndio na fábrica da Tratolixo
    0:43

    País

    Os moradores de Trajouce, em São Domingos de Rana, não ganharam para o susto com um incêndio nas instalações da empresa de resíduos Tratolixo.O alerta foi dado por populares e trabalhadores da empresa. O vento foi o maior problema dos bombeiros no combate às chamas durante a noite. No local estiveram 133 homens, apoiados por 51 viaturas.Desconhecem-se para já as causas do incêndio. O incêndio foi circunscrito de madrugada, mas pode demorar algumas horas a ser dominado.

  • ASAE encerra em média um restaurante por dia
    1:33
  • Duas execução no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.