sicnot

Perfil

País

Arquitetos portuenses querem salvar barracas do Mercado do Bolhão

Preservar os pavilhões interiores do Bolhão, no Porto, é o objetivo de uma petição a correr desde 2015 pela mão dos arquitetos "OldPortugueseStuff" que querem agora reavivar o debate sobre o projeto "muito transformador" de requalificação do mercado.

"Achamos que é importante atiçar o debate em relação à reabilitação do Porto e em relação a este tipo de coisas. Ao demolir-se o interior do mercado do Bolhão, estamos a perder um património enorme. É a alma do Bolhão", defende Alexandre Gamelas, um dos arquitetos da dupla "OldPortugueseStuff" hoje convidada pela associação Campo Aberto para um debate sobre o mercado.

Foi em 2015, depois da apresentação em abril do projeto de requalificação do Mercado do Bolhão, que Alexandre Gamelas e Catarina Santos criaram uma petição para "Salvar os pavilhões do Mercado do Bolhão" que até ao dia de hoje reuniu 1.700 assinaturas."Baseados nos aspetos do projeto que foram levados a público, receamos que haja um elemento esquecido no processo: as chamadas 'barracas do Bolhão'", pode ler-se na petição 'online' ainda disponível e onde se defende que "o projecto contemple a recuperação integral das construções existentes, o que inclui devolver-lhes os telhados em ardósia, pintar e reparar as caixilharias existentes e todos os elementos de carpintaria e serralharia, actualizando as infraestruturas interiores".

Para os arquitetos, mais do que aumentar o número de assinaturas da petição, o importante é "chamar a atenção" e "se possível reverter este projeto" que inclui a demolição daquele que é um "elemento diferenciador", explica Catarina Santos. "Todos aqueles elementos que agora são conhecidos, que são os pavilhões, vão ser todos demolidos. Vai se perder um pouco a alma do Bolhão e é por isso que lançamos esta petição, achamos que é importante dar a conhecer e as pessoas têm uma palavra a dizer", assinala.

Sobre a petição, conta, a opinião dos comerciantes tem sido muito positiva "porque as pessoas realmente consideram que as barracas devem ser mantidas" tal como "deve ser mantida a tradição e o interior do mercado do Bolhão".Quanto à população em geral, lamenta o "desconhecimento do que vai acontecer" dentro do mercado, razão pela qual importa levar o debate à cidade, começando por uma tertúlia sobre os pavilhões hoje organizada pela associação Campo Aberto e pela Associação Cultural em Estudos Regionais.

"Cada um de nós poderá ter a sua própria posição como cidadão individual. A associação em si não tem, mas à partida tudo o que valorizar o mercado e lhe trouxer maior dignidade, maior prestígio, maior pergaminho da antiguidade, embora renovado, para nós é positivo", afirmou José Marques, da Campo Aberto.

A associação, explicou, pretende perceber quais as motivações que levaram a esta petição, sublinhando que a instituição não tem uma "posição nem a favor nem contra" a não ser o interesse em "debater e esclarecer" o tema para que posteriormente cada um possa formar a sua "opinião própria".Já para o representante da Associação Cultural em Estudos Regionais (ACER), Antero Leite, o atual projeto delineado para o Mercado do Bolhão "peca por ter pouco debate na cidade" e frisa a necessidade de um "melhor esclarecimento sobre uma questão que tem muito interesse para a cidade do Porto e para todos aqueles que conhecem o Bolhão há muitos anos"."O património não é imutável desde que se mantenha a identidade daquilo que se pretende defender", afirma Antero Leite, acrescentando que não concorda com algumas "opções que desfiguram determinados edifícios, sobretudo a parte interior para aproveitamentos de habitação turística".

Lusa

  • Requalificação do Mercado do Bolhão já começou
    2:13

    País

    As obras de requalificação do Mercado do Bolhão no Porto já começaram, depois de terem sido prometidas há mais de 20 anos. Os comerciantes só vão ser transferidos em 2017. Contudo, já contestam a solução encontrada pela autarquia para instalar o mercado temporário enquanto durarem os trabalhos.

  • Vídeo 360º: nos céus de Lisboa como nunca esteve

    País

    Três Alpha Jet da Força Aérea Portuguesa estiveram presentes sobre o Jamor, durante a final da Taça entre o Benfica e o Vitória de Guimarães. A SIC e o Expresso acompanharam a passagem das aeronaves através da colocação de câmaras 360º no cockpit de duas delas.

  • "Não podemos fazer de Lisboa uma cidade para turistas"
    2:44

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite da SIC, o mandato de Fernando Medina na Câmara de Lisboa. O comentador da SIC defendeu que o autarca tem "muitos problemas por resolver" e que a Câmara tem investido "mais na recuperação de zonas em que os lisboetas praticamente não conseguem ir". Sousa Tavares disse ainda que Lisboa não pode ser uma cidade para turistas.

    Miguel Sousa Tavares

  • "Putin é uma ameaça maior do que o Daesh"
    0:24

    Mundo

    O senador norte-americano John McCain atacou Vladimir Putin dizendo que é uma ameaça maior do que o Daesh. O antigo candidato à Casa Branca acusa a Rússia de querer destruir a democracia ao tentar manipular o resultado das presidenciais dos Estados Unidos.

  • Gelado de champanhe no centro de mais uma polémica que envolve Ivanka Trump 

    Mundo

    A filha do Presidente Donald Trump está envolvida em mais uma polémica depois de uma publicação da sua marca no Twitter durante o Memorial Day, assinalado esta segunda-feira. Feriado nacional nos Estados Unidos, criado após a Guerra Civil, a data presta homenagem aos militares americanos que morreram em combate. Um dia solene, no qual muitos acolheram mal a dica da marca da atual conselheira da Casa Branca: "Façam gelados de champanhe".

  • Morreu Yoshe Oka, a "hibakusha" que avisou o Japão sobre o ataque a Hiroshima

    Mundo

    Yoshe Oka, a primeira sobrevivente de Hiroshima que informou por telefone as autoridades japonesas sobre a destruição da cidade, em 1945, morreu com 86 anos, vítima de cancro, revelou hoje a família. A "hibakusha", nome pelo qual são conhecidos os sobreviventes dos ataques a Hiroshima e Nagasaki, sofria de doenças relacionadas com os efeitos do bombardeamento. Apesar das consequências do ataque, Oka difundiu, ao longo da vida, a experiência sobre o bombardeamento tendo participado em inúmeros atos pacifistas.