sicnot

Perfil

País

Duas iniciativas sobre eutanásia marcam arranque de processo "delicado"

(Arquivo)

© Philippe Wojazer / Reuters

A eutanásia, morte medicamente assistida, está esta quarta-feira no centro de duas iniciativas em Lisboa, uma na sede de um partido e outra no Parlamento, o início de um longo e delicado processo que "promete" agitar o ano em Portugal.

"É só o princípio, o debate está aí", disse à Lusa António Pinheiro Torres, o vice-presidente da Federação Portuguesa pela Vida, entidade que entrega no Parlamento uma petição contra a eutanásia com o título "Toda a vida tem dignidade". "É um tema delicado. Queremos contribuir para um debate sereno e informativo", disse também à Lusa o deputado André Silva, do PAN (Pessoas-Animais Natureza), partido que organiza na sua sede um debate sobre a eutanásia.

Se de um lado estão defensores da eutanásia do outro estão os que apresentam ao presidente do Parlamento, Ferro Rodrigues, uma petição com 14.196 assinaturas na qual se exige a reafirmação de que a sociedade e o Estado têm o dever de proteger toda a vida humana.

A petição partiu da Federação e António Pinheiro Torres orgulha-se de a grande maioria das assinaturas (cerca de 11 mil) serem em papel, através de sessões de esclarecimento e contactos com as pessoas.

E não basta, disse, rejeitar as propostas a favor da eutanásia, é preciso mostrar que há na sociedade portuguesa quem se opõe e que é preciso debater a questão. "Esse tem de ser o primeiro passo, um grande trabalho de esclarecimento, mesmo até do conceito de eutanásia", afirmou Pinheiro Torres, acrescentando que a Federação sente que há "muitas vezes uma reação de desconhecimento" do que é a eutanásia e do que está em causa.

André Silva não tem também dúvidas de que é preciso discutir a questão e o debate de hoje, com médicos e deputados, tem esse objetivo. Outros debates estão para vir, o primeiro já no dia 01 de fevereiro quando os deputados debaterem a petição do movimento cívico "Direito a morrer com dignidade", que defende a despenalização da morte assistida, ou seja a eutanásia.

A morte assistida é um direito do doente, afirma-se na petição, o mesmo que defende André Silva, que tem pronto um projeto de lei que prevê a eutanásia, tal como o Bloco de Esquerda. "O projeto no essencial está pronto", disse o deputado à Lusa, acrescentando que a discussão dos dois projetos de lei, do PAN e do Bloco, será agendada em breve e que, o tema tem de ser discutido de forma séria e racional.

O projeto do PAN prevê, como explicou o deputado, que a morte assistida só seja possível com um consentimento consciente e reiterado de alguém com uma doença terminal, incurável e com um sofrimento atroz e inevitável. O processo previsto pelo partido não é fácil mas também não é moroso, segundo palavras do deputado: terá de ser analisado por um médico (médico de família, por exemplo), que terá de fazer uma segunda consulta (um especialista da patologia em causa) e depois uma terceira, no caso de um psiquiatra.

"Não me parecem passos a mais", frisou.No projeto do PAN, menores e pessoas que não possam decidir conscientemente ficam de fora, e prevê-se também a criação de uma lista de médicos objetores de consciência. André Silva resume tudo com a ideia de que as pessoas têm o direito "a escolher com dignidade" a sua vida e que não faz sentido que sejam terceiros a decidir como é que cada um pode ou deve morrer. Mas, salienta, tem de "haver um pedido absolutamente consciente" e está excluído a manifestação de vontade para futuro, porque "a vontade de morrer hoje pode ser diferente da de amanhã".

André Silva reconhece que o tema é sensível e que muito dele ser irá falar nos próximos meses. E se para já apenas o PAN e o Bloco têm iniciativas legislativas o debate e os movimentos a favor e contra estão a surgir.

Na terça-feira foi apresentado o movimento STOP Eutanásia, de um grupo de cidadãos contra a eutanásia que quer explicar à sociedade portuguesa o que é defender a vida humana e considerando que "há limites" nessa matéria. E a petição (com oito mil assinaturas) a defender o contrário é debatida dentro de uma semana.

Lusa

  • As primeiras reações à morte de Chester Bennington

    Cultura

    Chester Bennington, vocalista da banda de metal alternativo Linkin Park, morreu esta quinta-feira em casa em Palos Verdes Estates, no estado da Califórnia, nos EUA. Várias celebridades já reagiram à morte do músico de 41 anos. Segundo o TMZ, o cantor da banda norte-americana suicidou-se.

  • O perfil do novo herói do surf português
    3:43
  • O. J. Simpson vai sair em liberdade condicional

    Mundo

    A antiga estrela de futebol americano O. J. Simpson vai sair em liberdade condicional, depois de ter cumprido nove anos de prisão num estabelecimento prisional do estado do Nevada, nos Estados Unidos.

  • Filho do leão Cecil também foi abatido por um caçador

    Mundo

    Xanda pode ter tido o mesmo fim que o seu pai, o leão Cecil, que em 2015 foi abatido por um caçador, no Zimbabué. Na altura, a morte de Cecil tomou proporções inéditas, chegando uma imagem do leão a ser projetada na fachada do Empire State Building. Agora, Xanda terá sido abatido a tiro por um caçador de troféus.