sicnot

Perfil

País

Porque é que um vídeo do patrão da Padaria Portuguesa se tornou viral?

Um direto na Edição da Manhã da SIC Notícias transformou-se num dos vídeos mais vistos na internet e discutidos nas redes sociais. Nuno Carvalho, um dos donos da Padaria Portuguesa, foi um dos patrões ouvidos na emissão sobre o aumento do salário mínimo. Mas ao contrário dos testemunhos de patrões do têxtil ou da hotelaria, o de Nuno Carvalho motivou um comentário de Daniel Oliveira no facebook. Foi o rastilho

Faz ou não sentido aumentar o salário mínimo nacional? Que impacto é que a medida tem nas empresas e na criação de emprego? E qual a melhor forma de compensar um aumento que é superior à inflação e nem sempre é acompanhado pela produtividade? Estas questões têm dominado a política nacional e hoje, no dia em que o Parlamento chumba a descida da TSU, a SIC Notícias foi para a rua ouvir patrões de vários setores.

As declarações de Nuno Carvalho à jornalista Teresa Camarão surgiram neste contexto. Não são especialmente longas, nem sequer uma grande novidade - vários patrões, e não só, defendem o mesmo há muito tempo e até de forma mais determinada -, mas a defesa de um mercado de trabalho mais liberal e elástico provocou enorme celeuma nas redes sociais. As declaração são exatamente estas.

Três horas depois deste direto da Edição da manhã, o comentador Daniel Oliveira fez um detalhado post sobre as declarações de Nuno Carvalho. "Note-se que 25% da massa salarial implica uma percentagem absurda de trabalhadores (perdão, "colaboradores") com salários abaixo de 557 euros (perdão, em "regime de transição")", é o arranque do curto e incisivo texto. "Não me espanta que quem baseie o seu negócio nos salários baixos considere que a grande prioridade dos portugueses não é o aumento do salário mínimo (que só interessa aos políticos, claro), mas a liberalização dos despedimentos, o fim dos limites legais ao horário de trabalho e uma redução considerável do pagamento de horas extra, não penalizando as empresas que contratam menos trabalhadores do que aqueles que necessitam para funcionar", prossegue o colunista do Expresso e co-autor do Eixo do Mal.

Os comentários propagaram-se no mural de Daniel Oliveira, quase todos a concordar com a posição do comentador, mas também com outros a chamar a atenção para o ponto de vista dos empregadores."Você, provavelmente nunca empregou ninguém e não sabe a quantidade de postos de trabalho que não se criam devido à rigidez da legislação laboral nem a quantidade de trabalhadores que não são devidamente compensados hoje para evitar custos amanhã", afirmava Luís Paulo Pinto. Daniel Oliveira respondeu, dizendo que "não percebo é porque é que, depois de várias alterações laborais para facilitar o despedimento, isso nunca teve o efeito prometido na criação de emprego. Só o tornou mais precário".

A polémica, naturalmente prolongou-se ao twitter. Mário Azevedo Lopes, blogger no Insurgente, saiu em defesa da Padaria Portuguesa, pelo número de empregos que cria, pela inovação e por ter muitos funcionários pagos acima da concorrência. Outros anunciaram boicotes à cadeia de padarias e outros ainda ficaram escandalizados com o que se paga em impostos sobre o trabalho em Portugal, para um retorno alegadamente baixo.

A polémica não é nova, divide economistas, políticos, comentadores, a população em geral. Mas, a verdade, é que uma simples declaração de um dos patrões da Padaria Portuguesa fez renascer o debate sobre o salário mínimo de forma mais eficaz que qualquer político, com o vídeo a ser visto milhares de vezes.

  • Atentado "falhado" em Nova Iorque
    1:43

    Mundo

    Uma explosão numa das zonas mais movimentadas de Manhattan fez quatro feridos, esta segunda-feira. Entre eles está o homem que transportava o engenho e que foi entretanto detido.

  • A brincadeira de um youtuber que podia ter acabado mal

    Mundo

    Um jovem youtuber inglês enfiou a cabeça num saco de plástico, prendeu-a na parte interna de um microondas e encheu depois o eletrodoméstico com cimento. A brincadeira, que podia ter acabado de forma trágica, deixou o jovem completamente preso e obrigou à intervenção dos serviços de emergência.

    SIC

  • "Popeye" russo pode ter que amputar braços

    Mundo

    Um jovem russo injetou um óleo no corpo para conseguir ter músculos, mais propriamente nos seus braços, que já cresceram cerca de 25 centímetros. Contudo, segundo um médico, o procedimento pode levar à necessidade de amputação, deixando o jovem sem os membros.

  • 10 Minutos com Leonor Beleza
    10:27

    10 Minutos

    A nossa convidada desta segunda-feira ainda é conhecida por ter sido ministra da Saúde e pelo seu trabalho à frente da Fundação Champalimaud. Mas desta vez vamos falar com Leonor Beleza sobre os 40 anos da revisão do Código Civil, em que esteve envolvida.

    Entrevista completa