sicnot

Perfil

País

Porque é que um vídeo do patrão da Padaria Portuguesa se tornou viral?

Um direto na Edição da Manhã da SIC Notícias transformou-se num dos vídeos mais vistos na internet e discutidos nas redes sociais. Nuno Carvalho, um dos donos da Padaria Portuguesa, foi um dos patrões ouvidos na emissão sobre o aumento do salário mínimo. Mas ao contrário dos testemunhos de patrões do têxtil ou da hotelaria, o de Nuno Carvalho motivou um comentário de Daniel Oliveira no facebook. Foi o rastilho

Faz ou não sentido aumentar o salário mínimo nacional? Que impacto é que a medida tem nas empresas e na criação de emprego? E qual a melhor forma de compensar um aumento que é superior à inflação e nem sempre é acompanhado pela produtividade? Estas questões têm dominado a política nacional e hoje, no dia em que o Parlamento chumba a descida da TSU, a SIC Notícias foi para a rua ouvir patrões de vários setores.

As declarações de Nuno Carvalho à jornalista Teresa Camarão surgiram neste contexto. Não são especialmente longas, nem sequer uma grande novidade - vários patrões, e não só, defendem o mesmo há muito tempo e até de forma mais determinada -, mas a defesa de um mercado de trabalho mais liberal e elástico provocou enorme celeuma nas redes sociais. As declaração são exatamente estas.

Três horas depois deste direto da Edição da manhã, o comentador Daniel Oliveira fez um detalhado post sobre as declarações de Nuno Carvalho. "Note-se que 25% da massa salarial implica uma percentagem absurda de trabalhadores (perdão, "colaboradores") com salários abaixo de 557 euros (perdão, em "regime de transição")", é o arranque do curto e incisivo texto. "Não me espanta que quem baseie o seu negócio nos salários baixos considere que a grande prioridade dos portugueses não é o aumento do salário mínimo (que só interessa aos políticos, claro), mas a liberalização dos despedimentos, o fim dos limites legais ao horário de trabalho e uma redução considerável do pagamento de horas extra, não penalizando as empresas que contratam menos trabalhadores do que aqueles que necessitam para funcionar", prossegue o colunista do Expresso e co-autor do Eixo do Mal.

Os comentários propagaram-se no mural de Daniel Oliveira, quase todos a concordar com a posição do comentador, mas também com outros a chamar a atenção para o ponto de vista dos empregadores."Você, provavelmente nunca empregou ninguém e não sabe a quantidade de postos de trabalho que não se criam devido à rigidez da legislação laboral nem a quantidade de trabalhadores que não são devidamente compensados hoje para evitar custos amanhã", afirmava Luís Paulo Pinto. Daniel Oliveira respondeu, dizendo que "não percebo é porque é que, depois de várias alterações laborais para facilitar o despedimento, isso nunca teve o efeito prometido na criação de emprego. Só o tornou mais precário".

A polémica, naturalmente prolongou-se ao twitter. Mário Azevedo Lopes, blogger no Insurgente, saiu em defesa da Padaria Portuguesa, pelo número de empregos que cria, pela inovação e por ter muitos funcionários pagos acima da concorrência. Outros anunciaram boicotes à cadeia de padarias e outros ainda ficaram escandalizados com o que se paga em impostos sobre o trabalho em Portugal, para um retorno alegadamente baixo.

A polémica não é nova, divide economistas, políticos, comentadores, a população em geral. Mas, a verdade, é que uma simples declaração de um dos patrões da Padaria Portuguesa fez renascer o debate sobre o salário mínimo de forma mais eficaz que qualquer político, com o vídeo a ser visto milhares de vezes.

  • "Às vezes o senhor primeiro-ministro irrita-me um bocadinho"
    2:05

    País

    O Presidente da República disse esta quinta-feira de manhã que António Costa é "irritantemente otimista" por teimar em "ver violeta-rosa onde há roxo". Marcelo Rebelo de Sousa recordou ainda Mário Soares numa aula no Colégio Moderno, em Lisboa.

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Exame ao sangue descobre cancro um ano antes do reaparecimento

    Mundo

    Uma equipa de investigadores britânicos descobriu uma maneira de identificar o regresso do cancro, com um ano de antecedência. Através de um exame ao sangue, a equipa conseguiu identificar os primeiros sinais da doença, uma série de células invisíveis ao raio-X e à TAC. A descoberta pode vir a permitir tratar o cancro mais cedo e, como resultado, poderá aumentar as chances de o curar.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.