sicnot

Perfil

País

Transportes Sul do Tejo alvo de inspeção devido a queixas dos utentes

João Saúde espera que o plenário seja muito participado.

(Arquivo SIC)

Os Transportes Sul do Tejo (TST) começaram esta quarta-feira a ser alvo de uma ação inspetiva devido à "quantidade de reclamações sobre os serviços", avançou, no parlamento, o presidente da Autoridade da Mobilidade e dos Transportes (AMT).

De acordo com João Amaral Carvalho, que falava na comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas, a ação inspetiva nos TST surge depois de uma outra começada em 2016, que incidiu em 36 operadores de transportes a nível nacional, que representam 86% das carreiras registadas.

Segundo o presidente da Autoridade da Mobilidade e dos Transportes, o objetivo destas ações é ter a perceção dos contratos que os operadores têm e quais as carreiras que operam.

João Amaral Carvalho lembrou ainda que, da ação inspetiva de três dias realizada no Metropolitano de Lisboa, já saiu um "relatório preliminar" que foi enviado ao Metro, estando agora a AMT à espera do contraditório para a elaboração do relatório final.

A 23 de novembro último, a Comissão de Utentes de Transportes da Margem Sul (CUTMS) realizou uma ação de protesto junto às instalações da empresa TST, para contestar o serviço que "está degradado e a frota obsoleta".

"Realizámos esta ação de protesto devido à degradação do serviço prestado pelos TST. Depois de cortarem carreiras e horários, agora nem os horários cumprem. A frota está também obsoleta e muito degradada", disse Luísa Ramos, da CUTMS, à Lusa na altura.

Segundo a responsável, existem cada vez mais casos de "avarias de autocarros em serviço", bem como falta de condições para transportar pessoas com mobilidade reduzida.

"Esta empresa tem uma frota envelhecida, sem conforto, sem higiene e com constantes avarias. Os preços são também exorbitantes", defendeu.

Luísa Ramos afirmou ainda que os utentes exigem uma maior fiscalização ao serviço prestado pela TST por parte das entidades competentes.

Lusa

  • Portugal vai voltar a poder levantar a voz em Bruxelas
    1:40

    Economia

    Carlos Moedas diz que Portugal vai voltar a poder levantar a voz em Bruxelas a propósito da saída do procedimento por défice excessivo. Em entrevista ao Diário de Notícias e à TSF, o comissário europeu levanta dúvidas sobre a renegociação da dívida e garante que a escolha de Mário Centeno para a liderança do Eurogrupo vai depender do entendimento dos países do euro.

  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48