sicnot

Perfil

País

Flores e Corvo sob aviso amarelo devido a vento forte

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) colocou as duas ilhas do Grupo Ocidental do arquipélago dos Açores sob aviso amarelo devido a vento forte previsto entre as 18:00 (mais uma em Lisboa) e as 23.00 deste domingo.

O aviso meteorológico do IPMA adianta que para as ilhas Flores e Corvo a previsão é de vento forte de" sudoeste rodando para oeste" devido à passagem de uma superfície frontal fria.

Segundo as previsões do IPMA para este domingo, no grupo ocidental o vento vai soprar "forte" podendo atingir "rajadas até aos 95 quilómetros por hora" e o mar será "cavado, tornando-se grosso a alteroso".

A autoridade marítima já alertou para o previsível agravamento do estado do mar nas ilhas do grupo ocidental, "especialmente para a ilha do Corvo".

O capitão do porto de Santa Cruz das Flores, Rafael da Silva, adiantou, em comunicado, que é "provável a ocorrência de forte agitação marítima de oeste que pode chegar aos 5 metros, estando associada a ventos fortes de sudoeste e rodando para oeste".

"Recomenda-se à comunidade marítima a adoção de medidas de precaução, verificando e se necessário reforçando a amarração, ou mesmo varando em lugar seguro as embarcações", refere Rafael da Silva.

À população em geral, a mesma autoridade, aconselha que se abstenha da prática de passeios junto à costa e da prática de atividades lúdicas nas zonas expostas à agitação marítima.

O 'Aviso Amarelo', o terceiro mais grave de uma escala de quatro, indica situação de risco para determinadas atividades dependentes da situação meteorológica.

O Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores recomenda também que sejam tomadas medidas de autoproteção como a consolidação de telhados, portas e janelas e que se "guardem objetos soltos do jardim" que projetados pelo vento forte "podem causar prejuízos materiais e acidentes pessoais graves".

Lusa

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Segunda-feira no Jornal da Noite