sicnot

Perfil

País

GNR deteve 73 pessoas em 12 horas, uma das quais por homicídio

A GNR deteve, nas últimas 12 horas, 73 pessoas em flagrante delito, uma das quais por homicídio, anunciou hoje a Guarda Nacional Republicana.

Entre as 20:00 de sábado e as 08:00 de hoje, a GNR realizou várias operações de fiscalização rodoviária e de prevenção e combate à criminalidade violenta que culminaram com a detenção destas 73 pessoas.

A maioria (44) foi detida por condução sob o efeito do álcool, adianta a GNR em comunicado, informando ainda que 14 pessoas foram detidas por condução sem habilitação legal, quatro por furto e duas por desobediência.Houve ainda uma pessoa que foi detida por suspeita de homicídio e outra por falsificação de documentos.

Durante as operações foram também apreendidas 33 doses de haxixe e duas armas brancas, adiantam os dados da GNR.Nas operações de fiscalização de trânsito, os militares detetaram 652 infrações, 245 das quais por excesso de velocidade.

Noventa infrações deveram-se a condução com excesso de álcool e 38 por falta ou incorreta utilização do cinto de segurança e de cadeirinha.Durante aquele período foram registados 65 acidentes, que provocaram quatro feridos graves e 23 feridos ligeiros.

Lusa

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.