sicnot

Perfil

País

Proteção Civil dos Açores pede à população para seguir recomendações

O presidente do Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores, Carlos Neves, pediu hoje à população para seguir as recomendações das autoridades, devido à previsão do agravamento do estado do tempo no arquipélago.

"São as recomendações usuais para quando há aviso de agitação marítima forte", disse à agência Lusa Carlos Neves, exemplificando com o reforço das amarrações das embarcações ou a sua colocação em local seguro.

Carlos Neves alertou ainda para a necessidade de uma "especial circulação junto à orla costeira e às zonas ribeirinhas", sustentando que "todas as atividades de lazer relacionadas com o mar ou passeios à beira-mar terão que ser evitados ou proibidos".

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) emitiu hoje um aviso vermelho, que corresponde a uma situação meteorológica de risco extremo, para sete ilhas dos Açores, devido à agitação marítima, prevendo-se ondas até 20 metros de altura.

"As pessoas podem fazer as suas vidas de forma tranquila desde que não se aproximem da orla costeira e desde que sigam todas as recomendações", declarou, referindo que, quanto à intensidade do vento prevista, "não irá obstar a que as pessoas façam a sua vida normal".

Segundo o responsável, a "principal preocupação tem a ver com a orla costeira, a agitação marítima muito forte e com ondas de grande dimensão", pelo que a Proteção Civil dos Açores continua a analisar a situação, para a eventualidade de ser necessário lançar novos alertas e recomendações.

"A população dos Açores tem uma grande sensibilidade para estes avisos meteorológicos e para a tomada das medidas necessárias à sua proteção", que deve continuar a manter, salientou o responsável.

O aviso vermelho vigora nas ilhas do grupo ocidental, Corvo e Flores, entre as 11:00 de quarta-feira e as 02:00 de quinta-feira (mais uma hora em Lisboa), sendo que a altura máxima das ondas pode atingir os 20 metros.

O aviso vermelho é o mais grave de uma escala de três.

O IPMA emitiu também um aviso vermelho devido à agitação marítima para as ilhas do grupo central dos Açores - Faial, Pico, Terceira, São Jorge e Graciosa - entre as 17:00 de quarta-feira e as 02:00 de quinta-feira, sendo que a altura máxima da onda pode chegar aos 18 metros.

As ilhas do Corvo e das Flores vão estar ainda sob aviso laranja, entre as 05:00 e as 11:00 de quarta-feira, igualmente para agitação marítima, e entre as 05:00 e as 20:00 de quarta-feira, para vento.

Estas duas ilhas já estão sob aviso amarelo para vento até às 05:00 de quarta-feira.

O aviso laranja, o segundo mais grave de uma escala de três, representa uma situação meteorológica de risco moderado a elevado, enquanto o aviso amarelo, que lhe sucede na escala, significa uma situação de risco para determinadas atividades dependentes da situação meteorológica.

Quanto ao grupo central, o aviso vermelho é antecedido do laranja para agitação marítima das 11:00 às 17:00 de quarta-feira, e de aviso amarelo para vento entre as 11:00 e as 23:00 também de quarta-feira.

O grupo oriental (ilhas de São Miguel e Santa Maria) vai estar sob aviso laranja devido à agitação marítima entre as 17:00 e as 23:00 de quarta-feira.

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.