sicnot

Perfil

País

Estudo sobre suicídios propõe reforço de psicólogos e psiquiatras na PSP e GNR

Um reforço de psicólogos e psiquiatras na PSP e GNR para permitir um acompanhamento de proximidade é uma das medidas propostas no estudo "Prevenção do suicídio e comportamentos autolesivos nas forças de segurança" hoje apresentado.

O estudo, encomendado pelo Ministério da Administração Interna (MAI) ao psiquiatra Jorge Costa Santos, propõe um reforço dos recursos técnicos da PSP e GNR que visem ampliar o apoio psicológico e psiquiátrico de proximidade, uma vez que "a especificidade das funções dos elementos das forças de segurança justifica um apoio diferenciado e a melhoria de condições dos técnicos".

"A existência de psicológicos e psiquiatras é importante, porque conhecem a especificidade das funções destes militares e agentes e facilita muito a intervenção", disse aos jornalistas Jorge Costa Santos.Na PSP, existem psicólogos em 16 dos 20 comandos, enquanto na GNR o número é mais reduzido.

O estudo propõe igualmente a revisão das medidas cautelares de desarmamentos, tendo em conta que os agentes da PSP que se suicidaram entre 2007 e 2015 utilizaram a arma de serviço, mas há registo de militares da GNR que usaram a arma pessoal.

A divulgação dos resultados dos rastreios periódicos e aleatórios do consumo de álcool e de substâncias psicotrópicas aos serviços médicos e de saúde mental e a criação de uma equipa multidisciplinar que monitorize os casos de absentismo prolongado são outras medidas propostas.

Segundo o estudo, deve também ser feita uma reavaliação dos efetivos da PSP e da GNR após dez anos de serviço.Para prevenir o suicídio nas forças de segurança, Jorge Costa Santos defende que os elementos da PSP e da GNR devem ser selecionados criteriosamente e reavaliados periodicamente, além de os sensibilizar para os problemas de saúde mental, desde a incorporação.

Assegurar uma resposta imediata aos pedidos de ajuda, aumentar o controlo aleatório de álcool e substâncias psicotrópicas e reforçar a articulação entre serviços médicos, psicológicos e psiquiátricos e de apoio social são outros pontos de prevenção.De acordo com o autor do estudo, os elementos das forças de segurança têm "maior dificuldade em admitir problemas psicológicos e desenvolvem competências para mascarar os sinais e sintomas de perturbação".

Jorge Costa Santos afirmou ainda que "o consumo de álcool associado a depressão e 'stress' crónico representa a tríade mais comum nos suicídios consumados" na PSP e GNR, além de serem ainda fatores relevantes "a cultura policial, exposição à violência e o uso de armas".

O estudo, elaborado no âmbito do grupo de trabalho de prevenção do suicídio nas forças de segurança, foi apresentado no MAI.Entre 2007 e 2015, suicidaram-se 51 militares da GNR e 38 agentes da PSP, sendo os anos com maior número 2008 (12) e 2015 (15).Em 2016, suicidaram-se dois agentes da PSP e dois militares da GNR.Durante a apresentação do estudo, a secretária de Estado Adjunta e da Administração Interna, Isabel Oneto, afirmou aos jornalistas que a PSP e a GNR vão atualizar os atuais planos de prevenção do suicídio.

Lusa

  • "Estamos vivos"
    11:41

    Reportagem Especial

    Os incêndios de 15 de outubro provocaram sete milhões de euros de prejuízos em empresas da região Norte. Castelo de Paiva foi o concelho mais atingido, o fogo destruiu várias casas e empresas que davam trabalho a cerca de 200 pessoas. Um mês depois do incêndio, a Reportagem Especial da SIC foi ver o que está a ser feito para ajudar a população.

  • Administrador recebia 420 mil € por ano quando aldeamento passava dificuldades
    4:39

    Operação Marquês

    A Caixa Geral de Depósitos tentou cortar para metade o salário do presidente do Conselho de Administração de Vale do Lobo, mas não conseguiu. Diogo Gaspar Ferreira ganhava 420 mil euros por ano, quando o empreendimento estava enterrado em dívidas. A Autoridade Tributária estima também que o arguido da Operação Marquês não tenha declarado 400 mil euros pagos pelo aldeamento.

  • Estudante português desaparecido no mar Báltico

    País

    Um jovem português de 21 anos desapareceu na segunda-feira, dia 13 de novembro, enquanto fazia uma viagem de cruzeiro entre a cidade finlandesa de Helsínquia e a capital da Suécia, Estocolmo. As autoridades locais fizeram buscas na madrugada em que Diogo Penalva caiu ao mar Báltico, por volta das duas da manhã.

  • Notas e moedas têm os dias contados?
    6:27
  • Político oferece 1,3 milhões por decapitação de atriz

    Mundo

    Deepika Padukone é uma das personagens principais do filme que retrata a relação entre uma rainha hindu e um governante muçulmano. O filme enfureceu um político do Governo indiano, que ofereceu 1,3 milhões de euros como recompensa a quem decapitasse a atriz. A polícia já destacou agentes para proteger a atriz, bem como a sua família.

  • Paris inaugura primeiro restaurante naturista

    Mundo

    Para entrar, é preciso retirar a roupa e apenas as mulheres podem permanecer calçadas. O primeiro restaurante naturista de Paris abriu em novembro para responder a uma necessidade em França, principal destino do mundo para os praticantes de nudismo.

  • Peru faz aparição especial na Casa Branca
    1:10

    Mundo

    Os norte-americanos estão a preparar-se para o tradicional Dia de Ação de Graças, assinalado na próxima quinta-feira. O tradicional peru fez esta terça-feira uma aparição especial na sala de conferências de imprensa, na Casa Branca, em Washington. O peru é o prato tradicional no Dia de Ação de Graças, uma data de louvor a Deus, que remonta ao século XVII e que é celebrada na quarta quinta-feira de novembro, sobretudo nos Estados Unidos da América e no Canadá.

  • Sara Sampaio brilha em Xangai
    1:50