sicnot

Perfil

País

Inquéritos por crimes sexuais contra menores sobem 124% no distrito judicial de Lisboa

Os inquéritos instaurados por crimes sexuais contra menores no Distrito Judicial de Lisboa mais que duplicaram entre setembro de 2014 e agosto de 2016, passando de 413 para 927, segundo o relatório da Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa.

O distrito judicial de Lisboa é composto por cinco comarcas: Açores, Lisboa, Lisboa Norte, Lisboa Oeste e Madeira.

Segundo os dados estatísticos, os crimes sexuais contra menores aumentaram 124% entre setembro de 2014 e agosto de 2016.

Durante o mesmo período registou-se um aumento de 200% de inquéritos instaurados na sequência de crimes contra profissionais de saúde, passando de sete para 21.

O relatório faz ainda referência a um aumento de 31 por cento no número de inquéritos por negligência na prestação de cuidados de saúde e de 34 por cento por violência em comunidade escolar.

No que respeita à violência conjugal o documento aponta para um decréscimo de três por cento, uma baixa considerada pouco significativa.

No ano judicial anterior foram instaurados 10.156 inquéritos por violência conjugal e de setembro de 2015 a agosto de 2016 foram instaurados 9.821.

De acordo com a Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa, na violência doméstica é nítido o aumento das formas da violência em meio familiar degradado e/ou pobre com disseminação para situações muito graves de maus tratos de crianças ou de idosos e aumento da exigência para as estruturas de intervenção imediata.

"Neste tipo de fenómenos a questão não é meramente estatística e seria errado interpreta-la como tal, mas diz respeito à agressividade, agudização das formas de violência, com necessidades de intervenção do Ministério Público, dos Órgãos de Polícia Criminal e das estruturas sociais designadamente, das Comissões de Proteção de Crianças e Jovens e da segurança social", lê-se no documento.

Lusa

  • Seca contribui para a redução de nutrientes no mar e está a afetar a pesca
    2:11
  • Francisco George toma posse como presidente da Cruz Vermelha Portuguesa

    País

    O ex-diretor-geral da Saúde, Francisco George toma hoje posse como presidente da Cruz Vermelha Portuguesa. Em entrevista à Lusa, manifestou a intenção de criar uma unidade para abastecimento de água potável e redução dos problemas de saneamento em catástrofes como os incêndios deste verão. Além disso, em nome da transparência, vai tornar públicas as contas do organização, incluindo os donativos.

  • Comprar um carro em segunda mão sem ser enganado 
    8:44