sicnot

Perfil

País

Maioria das vítimas de discriminação em Portugal não apresenta queixa

© Laszlo Balogh / Reuters

61,5% das vítimas de discriminação em Portugal não apresentou queixa às autoridades. 37 anos foi a idade média das vítimas e 47 anos a dos autores da discriminação, 63% do sexo masculino.

Desde a sua fundação, a Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV) apoiou mais de 680 vítimas de discriminação, no âmbito da sua missão de apoio a vítimas de crime em território português.

A discriminação caracteriza-se por uma ação ou omissão que dispense um tratamento diferenciado (inferiorizado) a uma pessoa ou grupo de pessoas, em razão da sua pertença a uma determinada "raça", cor, sexo, nacionalidade, origem étnica, orientação sexual, identidade de género ou outro fator.

No âmbito da discriminação, existem os chamados crimes de ódio, que podem ser definidos como a prática efetiva de atos de violência motivados pelo facto de a vítima apresentar determinada característica (como certa origem "racial", orientação sexual ou origem nacional, por exemplo) ou de pertencer a um determinado grupo (como ser seguidora de uma religião).

Entre 2011 e 2015 a APAV apoiou 310 vítimas de discriminação, tendo 66% dos casos chegado à sua rede especializada de Apoio à Vítima Migrante e de Discriminação (UAVMD). 24% dos processos configuravam-se como crimes de discriminação e a maioria das vítimas não apresentou queixa às autoridades (61,5%).

Relativamente à relação com o/a autor/a da discriminação, em 43% dos 310 processos acompanhados a vítima ou optou por não responder a esta questão, ou preferiu não identificar o/a autor/a do comportamento discriminatório, podendo ou não conhecê-lo/a.

Contrastando as 310 vítimas apoiadas pela APAV com os valores referentes a crimes contra a identidade cultural e integridade pessoal efetivamente reportados às autoridades oficiais entre 2011 e 2015 (22 vítimas), conclui-se acerca da invisibilidade do fenómeno e da necessidade de um trabalho concertado entre as diferentes entidades envolvidas no apoio a vítimas de crime no sentido de uma maior sensibilização e aumento da qualidade do apoio prestado a este tipo de vítimas.

A discriminação não pode ser remetida ao silêncio. A APAV está disponível para apoiar através dos diferentes serviços, nomeadamente da Linha de Apoio à Vítima - 116 006 - número gratuito e confidencial.

Veja relatório completo aqui

  • "Sério ataque à República de Angola"

    País

    O Governo angolano classifica como "inamistosa e despropositada" a forma como as autoridades portuguesas divulgaram a acusação ao vice-Presidente de Angola, Manuel Vicente, e alertou que essa acusação ameaça as relações bilaterais.

  • Derrame de ácido clorídrico na Nacional 1, em Gaia
    1:15

    País

    Um derrame de ácido clorídrico obrigou esta manhã ao corte da Nacional 1, em Vila Nova de Gaia, na zona de Pedroso. O ácido estava a ser transportado em embalagens de plástico, dentro de um pesado de mercadorias. Foi o motorista que detetou a fuga e pediu a ajuda dos bombeiros.

  • "Fiz coisas de que me envergonho"
    2:31
  • "É abusivo falar de fuga ao fisco"
    4:10

    Economia

    Dez mil milhões de euros é o valor de que se fala das transferências para contas offshore, que terão escapado à Autoridade Tributária. O número impressiona, mas é preciso notar que este dinheiro é capital que sai do país e o capital não está sujeito ao pagamento de imposto só porque sai do país. O fiscalista Tiago Caiado Guerreiro esteve no Jornal da Noite para dar mais explicações sobre o caso.

  • Número de mortos de atentado em al-Bab sobe para 60

    Mundo

    O atentado bombista de hoje na cidade de al-Bab (Norte da Síria), capturada na quinta-feira ao Estado Islâmico, fez pelo menos 60 mortos, de acordo com um novo balanço noticiado pela agência de notícias estatal turca Andadolu.