sicnot

Perfil

País

PSD e Bloco de Esquerda propõem alterações à Lei da Nacionalidade

Reuters/Arquivo

© Carlos Jasso / Reuters

A Lei da Nacionalidade regressa ao parlamento na quinta-feira, com o PSD a propor alterações para "eliminar obstáculos burocráticos" e "discricionariedade nos processos", enquanto o Bloco de Esquerda vai insistir que crianças nascidas em Portugal sejam automaticamente portuguesas.

O PSD leva a debate um projeto de lei que pretende "eliminar os obstáculos burocráticos inúteis, os incidentes dilatórios, a discricionariedade na condução dos processos, bem como custos de natureza emocional, material e de decomposição familiar que o atual regime potencia nos processos de aquisição da nacionalidade por aqueles que optaram por constituir família com cidadãos portugueses".

A proposta da bancada social-democrata prevê que, para aquisição de nacionalidade por um cônjuge casado com um cidadão português, baste o casamento ou união de facto há, pelo menos, seis anos, deixando de ser necessário, como atualmente, que o interessado constitua advogado e que o processo passe pelo Ministério Público.

No caso de netos, o PSD propõe que seja eliminada da lei a expressão "possuírem efetiva ligação à comunidade", porque a "efetiva ligação à comunidade decorre da efetiva descendência em segundo grau na linha reta".

Além disso, o PSD pede a eliminação da menção "plena" na expressão "adoção plena", porque a "adoção em Portugal reveste hoje uma única modalidade" -- um argumento que também surge no projeto de lei do BE.

Os bloquistas insistem também com a proposta de atribuição da nacionalidade portuguesa às crianças, nascidas em Portugal, "filhos de estrangeiros que não se encontrem ao serviço do respetivo Estado".

"Na verdade, não há hoje qualquer razão para que os filhos de imigrantes, que aqui nasceram e aqui cresceram, que aqui frequentaram a escola, que aqui construíram todas as suas redes de sociabilização e que muitas vezes não têm qualquer ligação com o país de origem dos seus progenitores, vejam limites à concessão da nacionalidade portuguesa", refere a iniciativa do Bloco.

Por outro lado, os deputados do BE propõem que, para contagem do tempo para a aquisição da nacionalidade por naturalização, deve ser contemplado o tempo de residência efetivo no país e não apenas o período correspondente à 'residência legal', conforme prevê a atual redação da lei.

No caso dos cônjuges, os bloquistas pedem que a aquisição da nacionalidade por estrangeiro casado ou unido de facto exija apenas a declaração do matrimónio ou do reconhecimento, pela respetiva junta de freguesia, da união de facto.

Por fim, o projeto do BE sugere que o valor dos emolumentos necessários para "atribuição, aquisição e perda da nacionalidade" sejam iguais aos da emissão ou substituição do cartão de cidadão.

No passado dia 19 de janeiro, numa audiência na comissão parlamentar de Negócios Estrangeiros, o deputado do PSD e antigo secretário de Estado das Comunidades Portuguesas José Cesário convidou o Governo a juntar-se à bancada social-democrata para se "encontrar soluções concretas que permitam resolver imensos dramas, imensos problemas que há por esse mundo fora neste domínio, em matéria de aquisição de nacionalidade".

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, considerou "muito importante" que os vários grupos parlamentares e o Governo "trabalhem no sentido de desbloquear alguns problemas e também contrariar alguns abusos", mas avisou que este é um "esforço que só se pode fazer em clima de unidade, sem trazer para isto o combate partidário".

A 29 de maio de 2015, a maioria PSD/CDS e o PS aprovaram no parlamento, em votação final global, um diploma que passa a estender a possibilidade de aquisição da nacionalidade portuguesa originária aos netos de portugueses nascidos no estrangeiro.
Em relação a este projeto, que partiu da maioria PSD/CDS, o PCP, o Bloco de Esquerda e "Os Verdes" abstiveram-se, enquanto os deputados socialistas Isabel Moreira e Pedro Delgado Alves contrariaram a orientação da sua bancada e votaram contra.

Com a emenda proposta pelo deputado socialista Jorge Lacão, a atribuição da nacionalidade portuguesa originária a netos de emigrantes ficará assim dependente da demonstração pelo requerente de "conhecimentos suficientes da língua portuguesa" e da existência de "contactos regulares com o território português".

Ficará ainda dependente de não existir "qualquer condenação (com trânsito em julgado de sentença) pela prática de crime punível com pena de prisão de máximo igual ou superior a três anos, segundo a lei portuguesa".
A lei aguarda ainda regulamentação, que deveria ter sido apresentada em finais de agosto passado.

Lusa

  • Portugal sem registo de pessoas impedidas de viajar para os EUA
    2:10

    País

    Em Portugal, não há registo de casos de pessoas impedidas de viajar para os Estados Unidos, depois da entrada em vigor da Lei anti imigração. As companhias aéreas não podem impedir a reserva e emissão de bilhetes por critérios de nacionalidade ou outros que sejam considerados discriminatórios ou de exclusão.O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras disse à SIC não alterou qualquer tipo de procedimento em relação aos imigrantes e que tal como lhe compete, continua a fazer cumprir as leis nacional e europeias.

  • E se lhe tirassem a nacionalidade?

    Grande Reportagem SIC

    Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981 (quando a lei da nacionalidade foi alterada). Conheça vinte rostos da denúncia.

  • Pedrógão e o Governo das culpas dos outros

    Opinião

    Depois das revelações do ‘Expresso’ e do ‘i’, o primeiro-ministro e os ministros saíram à rua com uma estratégia muito bem definida: desmentir a existência de listas secretas e centrar as atenções no Ministério Público. Ao mesmo tempo, nas redes sociais, está em curso (mais) uma campanha contra os jornalistas. Os anónimos, com cartão de militante, que escrevem nessas páginas acusam os jornais das “mais rebuscadas teorias da conspiração”. Nada de novo portanto.

    Bernardo Ferrão

  • "A verdadeira questão são as imagens com que abrimos o Jornal, é um país que está a arder"
    2:52

    Opinião

    A polémica em torno do número de vítimas da tragédia de Pedrógão Grande esteve em análise no Jornal da Noite. Miguel Sousa Tavares diz não compreender "que se faça disto uma questão política" e reitera que o foco deve centrar-se nas imagens de "um país que está a arder". O comentador SIC afirma ainda que "64 mortos num incêndio é um escândalo, um número absurdo".

    Miguel Sousa Tavares

  • "Hoje vi chover lume"
    3:57
  • Quase mil bombeiros combatem chamas na Sertã
    1:37

    País

    O incêndio que deflagrou no domingo, na Sertã, concelho de Castelo Branco, ainda não foi extinto. Perto de mil homens combatem as chamas no terreno, apoiados por 10 meios aéreos. O fogo tem frentes em Mação e Proença-a-Nova.

  • Proteção Civil acusada de gestão errática no incêndio de Mação
    1:26

    País

    O comandante dos Bombeiros de Constância e o vice-Presidente da Liga dos Bombeiros acusam a Proteção Civil de desviar meios do fogo de Mação, em Santarém, que eram essenciais para travar o incêndio. As chamas desceram da Sertã e acabaram por queimar uma casa de habitação.

  • Milhares de clientes da CGD vão pagar quase 5€/ mês por comissões de conta
    1:24
  • "A Minha Outra Pátria": o drama da Venezuela no Jornal da Noite
    2:12
  • O apelo da adolescente arrependida de ir lutar pelo Daesh

    Daesh

    Uma adolescente alemã que desapareceu da casa dos pais, no estado da Saxónia, esteve entre os vários militantes do Daesh detidos este fim de semana na cidade iraquiana de Mossul. Arrependida do rumo que deu à sua vida, deixou um apelo emocionado em que expressa, repetidamente, a vontade de "fugir" e voltar para casa.

    SIC

  • Bebé Charlie Grad já não vai receber tratamento nos EUA

    Mundo

    A mãe de Charlie Grad disse esta segunda-feira que o bebé poderia ter vivido uma vida normal, caso tivesse começado a receber tratamento cedo. Já o pai admitiu que o filho não iria viver até ao primeiro aniversário. O bebé foi diagnosticado com uma doença rara e um hospital em Inglaterra pediu permissão para desligar a ventilação artificial e fornecer-lhe cuidados paliativos. O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos aceitou e, até hoje, os pais travaram uma batalha na Justiça para suspender a decisão na esperança de irem tratar o filho nos Estados Unidos da América.